18/09/2023 - Economia e Finanças

2024. O ano do sincericidio.

Por horacio gustavo ammaturo

2024. O ano do sincericidio.

Tal como em 2001, onde a implementação de políticas económicas extremas levou à recessão e ao desemprego, mais uma vez os argentinos testemunhamos um novo fim de ciclo, que, infelizmente, poderia concluir com os mesmos sintomas.Demos o luxo de passar de um modelo aberto e de mercado para outro cada vez mais fechado e dirigido pelo estado.A liderança política está mais uma vez confrontada com o fenômeno do “que se vão todos”, apenas que neste caso se apresenta em formato de ausência e desinteresse à hora de votar e escolhendo um candidato surgido da mesa de um programa de televisão, sem antecedentes na gestão pública ou privada, na prática, um teórico.As últimas eleições lançaram um forte 65% de eleitores que deixaram de optar pelas propostas dos últimos anos, que entre os dois se dividiram apenas 35% restantes.A mensagem das urnas foi clara, votou contra um modelo de gestão partilhado pelas propostas tradicionais que hoje deixaram de ser maiorias.A crise de 2001 foi produto da pseudo dolarização da economia com a Lei de Convertibilidade, que serviu para sair da hiperinflação e estabelecer regras estáveis durante quase uma década.

No entanto, a pseudo dolarização longe esteve de resolver que:

  1. Nossa classe dirigente sempre se ingeniu para gastar de mais. Emitindo pesos quando podem, tomando dívida em moeda local ou estrangeira, recorrendo aos organismos multilaterais de crédito ou imprimindo quasemonedas.
  2. Nossos antecedentes de crédito são dos piores, somos defaulteadores seriais.
  3. Os mesmos legisladores que, num momento, aprovam uma lei num sentido, ao pouco tempo podem mudar de critério, revogando, por vezes, com efeitos retroactivos, os efeitos das normas vigentes.
  4. Os contratos públicos e privados são interpretados pela justiça de acordo com os interesses do poder de turno, em consequência, por vezes uma mesma cláusula pode ter aplicações opostas.
Os anos anteriores à saída da convertibilidade a economia entrou em recessão, sobravam produtos nos armazéns e em muitos setores a cadeia de pagamentos estava literalmente quebrada. Cheques rejeitados, execuções hipotecárias e de vestuário, tribunais civis e comerciais cobertos por processos.A teoria do derrame tinha deixado de verter poder aquisitivo sobre a maioria dos argentinos e isso, combinado com a fraqueza política do governo do Presidente De Rúa foram caldo de cultivo para abandonar de maneira violenta, desordenada e cruel um modelo signado pela redução das intervenções públicas e o livre mercado.A cidadania estava em carne viva. As dívidas em dólares eram impagáveis. Os empregos perdiam-se de centenas de milhares. As empresas quebravam e a fome se apresentou em forma de saques e desespero.

Que se vão todos!

Os argentinos deixaram de acreditar na política e seus políticos como mecanismo condutor dos destinos do país.A liderança dos tempos encontrou como resposta repartir as perdas entre as partes, independentemente do que as regras e os contratos estabelecem, assistir aos mais necessitados e intervir para morgerar os efeitos de tamanha crise.O abandono da convertibilidade, juntamente com a suspensão dos pagamentos dos serviços de dívida e a pseudo- nacionalização das dívidas privadas em dólares, receberam o apoio da maioria dos sectores, pois havia recursos frescos para todos à custa dos contratos e acordos do passado.No entanto, semearam sementes muito perigosas, essas que competem com as boas culturas.El progresso brutal do público sobre o privado colocou o Estado no papel de principal impulsor da economia.Nos últimos 22 anos, o investimento estatal sempre ultrapassou a privada.O trabalho e o esforço deixaram de ser a forma de acessar o ingresso e sob o lema que diz “onde há uma necessidade existe um direito” Tem crescido duas gerações com necessidades e direitos, mas sem responsabilidades, ao abrigo do critério que através dos incentivos ao consumo a economia só é ordenada.Então chegamos a este ano 2023, onde a resposta à crise da convertibilidade chegou à sua exaustão. O péndulo entre a abertura total e a “liberdade econômica” versus a intervenção total, o controle de preços e as taxas de câmbio múltiplas nos levaram ao atraso, à pobreza e à inflação novamente.Nenhum dos dois extremos foram bons. O mal presente poderia nos fazer anorar um passado, também ruim.É provável que, tal como em 2001, a saída deste modelo dirigista e intervencionista é também traumática.Pelo lado social, o panorama é bastante pior do que o anterior, 20 anos de assistêncialismo propiciaram o desenvolvimento de um novo estrato social que desconhece o valor distributivo do emprego e o esforço de trabalho como meio para aceder à satisfação de necessidades e desejos.A intervenção estatal nos preços dos bens e serviços As relações entre eles, deixando em seu caminho vencedores e vencidos, muitas vezes pela disparidade que as normas e funcionários pregam.A política cambial, baseada em tipos múltiplos e inversa às necessidades das arcas do tesouro, pune os que ingressam divisas e premiam aqueles que as levam, consequentemente, inevitavelmente faltam dólares.Isto pune o valor da dívida em moeda estrangeira, tanto pública como privada, Por conseguinte, o mercado entende a impossibilidade de, nestas condições, contar com os recursos necessários para honrar as obrigações.Da mesma forma, a dívida em moeda local multiplica-se exponencialmente pelas taxas a pagar pelo estado para “seduzir” os cautivos detentores de pesos para que sigam nesta denominação, algo que fazem mais por impossibilidade do que por conveniência e desejo.Infelizmente, a história mostra-nos que os processos inflacionários só estão a diminuir o consumo, algo que se traduz como mais pobreza.A luta pelo bolo distributivo encontra o seu limite quando ninguém pode acessar comprar uma porção, quando os stocks se acumulam e os produtos perecíveis são vencidos. Quando o custo financeiro é maior que a expectativa de reavaliação do inventário.Este fenómeno começou. Só o grande esforço que o governo faz para sustentar um modelo esgotado até a transferência de comando demora o inevitável.O próximo ano 2024 será o do sincericidio das variáveis econômicas, pois o combustível acabou para sustentar as múltiplas mentiras que coexistem, obrigando a sincerar os preços relativos das coisas.Isso colocará em evidência o estado de desordem e inequidade em que os argentinos vivemos, colocando em risco a gobernabilidade de quem faça as coisas que há que fazer.É por isso que o que vem vai ser muito duro para todos e principalmente para quem comanden o timão dos destinos deste país, pois fazer o que há que fazer pode ser interpretado como suicídio.Deus quer que se possa.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 6

Comentários