12/09/2022 - Economia e Finanças

Anti-Lavado: Quando o remédio é pior que a doença

Por franco ezequiel aguirre

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

Suponhamos que, ao longo de 18 anos, um jovem recebeu mil dólares americanos em dinheiro a cada aniversário por parte de seus familiares e que depois de alcançar a maioria dos anos decide abrir uma conta num banco tradicional para os depositar. Ao apresentar-se na sucursal, o empregado com gosto recebe os 18 mil dólares e estende-se ao nosso amigo um papel que diz algo assim como “Declaração jurada de licitude de origem de fundos” a simples vista não é mais do que um modelo com um armário para tildar e um espaço para assinar, tudo muito user friendly.

O que o nosso amigo não sabe é que este a ponto de fazer soar alarmes do banco, cuja sede por informação deve ser saciada o mais rapidamente possível, ou encerrará a sua conta e irá conter os fundos em nome do todo-poderoso (léase o Estado). Começará um ping-pong de interrogações formais, declarações juradas, constâncias fiscais e certificações contabilísticas, custos a cargo do nosso amigo obviamente. Tudo isto amparado em um grupo de normas chamadas de “Prevenção de Lavagem de Activos e Financiamento do Terrorismo” (AML-FT por sua sigla em inglês).

Mas a história começa muito antes, podemos dizer que o AML-FT é uma experiência social que conta já com 30 anos. Era o verão de 1989 quando em Paris se reuniram os líderes das principais nações industrializadas, o grupo do G7. Sob o lema de combater o crime organizado, e em particular o tráfico de drogas, criaram o Grupo de Ação Financeira Internacional (FAFT) e hoje 205 países e jurisdições criminalizam a lavagem de ativos e participam de uma rede coordenada que aplica as normas ditadas por este grupo.

Este paradigma actual é apoiado por duas suposições: a primeira é a crença de que a lavagem causa danos e deveria ser interrompida; a segunda é que obrigando certas pessoas e empresas a realizar tarefas complexas baseadas em normas internacionais é um mecanismo adequado para combater a lavagem.

Então... Muito bonitas as intenções, mas o erraram branco.

Este experimento tem resultado ser ineficiente por 3 motivos:

  • Os controlos de lavagem de ativos causam consideráveis desvantagens a cidadãos comuns e recusam ou restringem o acesso a serviços bancários e financeiros a muitos setores da sociedade.
  • Las autoridades recuperam 0,05% dos fundos ilícitos[1] sugerindo que o impacto do AML-FT é apenas um erro de arredondamento nos balanços de DELINCUENTES S.A. se preservarem 99,95% dos ganhos. O AML-FT insuficiente para dissuadir os criminosos delinquir (ver formula do criminoso racional de Gary Becker[2]).
  • Os custos do AML-FT superam os benefícios tanto no sector privado como no público.

A imposição de implementar estas regras criou uma indústria dispendiosa do compliance formada por advogados, contadores e auditores, sem mencionar o custo de aproximadamente 80 corpos internacionais e milhares de agências governamentais em 205 países e jurisdições que pesa sobre os contribuintes.

O custo estimado anual para o cumprimento da AML-FT em quatro países da UE em 2017 foi de 81.4 biliões de dólares de acordo com LexisNexis[3]. Estes quatro países (Alemanha, França, Itália e Países Baixos) representam 52,2% do PIB da União Europeia (segundo o Banco Mundial em 2017) se extrapolarmos os dados, poderíamos dizer que o custo total do compliance na UE foi de US$56 bilhões (ou US$144 bilhões na época).

Vale a pena a despesa?

Vejamos, seguindo o caso europeu, estima-se que os ganhos anuais de certos crimes atingem 110 biliões de euros (segundo um estudo muito conservador da Europol de 2016[4]).

A nível global, as Nações Unidas[5] calcularam que o mercado do crime organizado é um total de US$2.1 bilhões em 2009 (3.6% do PIB global!) e que a taxa de sucesso dos controlos da AML-FT é de 0,2%. Todos estes valores são aumentados se forem actualizados de acordo com a taxa de crescimento do PIB global de hoje (em termos nominais).

E sem considerar que esse 0,2% de confiscações poderiam não ser inteiramente atribuíveis ao sucesso de aplicar AML-FT. Agora, façamos o balanço e vejamos que acontece dependendo do quanto da confiscação se atribui a um AML-FT efetivo:

O quadro nos expõe que mesmo que a totalidade das confiscações possa ser atribuível a uma aplicação eficaz do AML-FT, os resultados são irrisórios em relação ao total do montante em jogo, e que os custos superam cem vezes os benefícios (no melhor dos cenários).

Por que continuamos com este teatro a nível global?

As razões podem ser várias, e quanto à política e ideologia o deixo a gosto do leitor. Na minha opinião, o espírito das normas da AML-FT não é mais do que cumprir com uma função cobradara sobre um mercado gigantesco que de outra forma não poderia ser taxeable, ao mesmo tempo que se cumpre com o requisito reputacional da correção política ou ele clássico “Estamos fazendo algo” Contra o crime organizado.

Há maior foco em penalizar falhas nos controles de AML-FT, que na lavagem em si. E quando os bancos, instituições financeiras e empresas são penalizadas é razoável perguntar se o verdadeiro alvo das normas AML-FT são, em vez das associações criminosas, as organizações legitimas (brancos mais fáceis para o Estado).

Também é razoável perguntar se os cidadãos comuns são mais danificados do que os bancos e criminosos (pelo menos financeiramente), afinal, os bancos transferem os seus custos para os accionistas e consumidores (menores dividendos, comissões mais elevadas, taxas de juro reduzidas para os aforristas e taxas elevadas para os tomadores de empréstimos), sem mencionar o custo fiscal para sustentar a estrutura governamental de contralor.

Tal como aconteceu com as alterações climáticas, apenas reconheceu quatro décadas mais cedo pelos cientistas que puseram a sua atenção, investigadores independentes há três décadas começaram a questionar e apontar as fraquezas e problemas de design nas políticas da AML-FT (John Cassara, Louis de Koker, Ronald F. Pol, para nomear apenas os mais relevantes).

Mas nem tudo isto perdido, reconhecer que os custos superam os benefícios e que os objetivos não foram alcançados, é um precursor para começar a remodelar o paradigma atual, a mudança começa quando aceitamos a realidade.


[1] Department of Justice. 2017. FY2017 Asset Forfeiture Fund Reports to Congress. Washington DC: Department of Justice. https://bit.ly/2KukcXz.

[2] B = E – P.M (B é o benefício final esperado pelo criminoso; E é o rendimento bruto; P é a probabilidade de apreensão, de ser descoberto por uma investigação ou por mecanismos de detecção; e M o castigo, a escala penal). A criação desta fórmula valeu a Gary Becker em 1992 um prêmio Nobel de economia. “Crime e Punishment: An Economic Approach", Journal of Political Economy, v. 76, 1968, pp. 169-217

[3] LexisNexis. 2017. The True Cost of Anti-Money Laundering Compliance. European edition. https://bit.ly/38fGkQQ

[4] Europol. 2016. Does Crime Still Pay? Criminal Asset Recovery in the EU. The Hague: Europol. https://bit.ly/2jMSuca.

[5] UNODC. 2011. Estimating Illicit Financial Flows Resulting from Drug Trafficking and Other Transnational Organized Crimes. Vienna. https://bit.ly/1vb26h8.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
franco ezequiel aguirre

franco ezequiel aguirre

Advogado, Co-fundador do ARGWIRE e CEO da AG LIFT S.A.
Especializo-me em direito financeiro: compliance, (des)regulação bancária e mercado de valores. Participei na redação do primeiro projeto de lei de criptoativos na Argentina e trabalho junto a outros inquietos na primeira plataforma de transferências internacionais low-cost baseada em blockchain. Convido-te a ler-me no FinGurú se como eu sou fã das pastas, das tecnologias descentralizadas e do alívio fiscal.

Visualizações: 2

Comentários