29/06/2022 - Economia e Finanças

Continua a incerteza mundial

Por Dario Epstein

Continua a incerteza mundial

Na semana passada, vimos uma leitura muito má do sentimento do consumidor, elaborado pela Universidade Michigan. Este indicador que serve como preditor e atento aos números de crescimento do PIB dos EUA no primeiro trimestre, há muitos analistas que sugerem que o país já teria entrado em recessão, o que significa 2 trimestres consecutivos de crescimento negativo.

Agora, o que acontece com a Fed, a inflação e o crescimento?

Vejamos que o processo de recalentamento da inflação, que se vinha incubando pelo efeito dos estímulos monetários da última década, se acentuou como consequência da invasão da Rússia à Ucrânia e do fechamento de atividades na China para combater o Covid.

Neste cenário, a inflação está a correr acima de 8% anualizado, sendo muito acima de 2% do famoso FED utilizado como referência para estimular ou arrefecer a economia.

Muito foi discutido se isto é um processo temporário ou estrutural, e ahi reside a crítica ao lento acionamento do FED, que na altura viu o processo como algo conjuntural e não agiu rapidamente.

Mas se olharmos para os custos recorrentes de uma família, vemos que os consumidores estão sentindo no bolso uma forte queda no poder de compra do seu salário. Os itens como por exemplo a nafta, eletricidade, transporte, alimentos, etc. estão chegando com fortes subas.

A suba de taxa de juro, que foi transferida para os empréstimos hipotecários, impacta os potenciais compradores de habitação que não podem pagar as quotas hipotecárias e devem alugar, levando o rendimento para cima.

Tudo isto é transferido para que o bolso dos consumidores seja mais pequeno e, portanto, menos difícil do crescimento global.

Os EUA não podem manter muito tempo a combinação de taxas de juro negativas, necessidades de financiamento do Tesouro, inflação suba e enormes pools de liquidez.

Isso soma-se a desaceleração na Europa e na China e um processo de reversão da globalização, que poderia impactar nos custos dos produtos finais.

Felizmente, os avanços tecnológicos permitem melhorar processos e produtividade e reduzir custos.

Outro aliciente é o bom nível de emprego nos Estados Unidos com demanda firme.

Mas o desafio que se vem é enorme: Poderá a Fed retirar os estímulos (taxa e liquidez) sem levar a economia a uma recessão? Em todo caso, pode ser uma recessão suave?

E a última reflexão, se não conseguirmos uma aterragem suave da economia, estaremos na presença de uma estanflação, recessão ou depressão?

Neste contexto de incerteza, os empresários devem decidir quanto e quando investirem, se contratam pessoal ou reduzem o plantel, se investirem em novas tecnologias ou lançam novos projetos ou abrem mercados internacionais.

E sempre com um olho olhando se a Rússia um dia corta o fornecimento de gás à Alemanha.

Nesse contexto, os investidores devem decidir onde colocar as suas poupanças. Não surpreende que, apesar da crescente inflação, muitos se estacionem em numerário até clarificar o panorama.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
dario epstein

Dario Epstein

Olá, sou Dario. Contador Público Nacional, MBA da Universidade de Michigan, EUA. Especialista no mercado de capitais. Principalmente um laburante de pico e pala.

Visualizações: 0

Comentários