22/09/2023 - Economia e Finanças

Doarizar ou Tokenizar?

Por Horacio Gustavo Ammaturo

Doarizar ou Tokenizar?

Frente ao descalabro cambial e inflacionário que estamos vivendo na República Argentina, diversas vozes se alzan propondo soluções baseadas na moeda de curso legal.Desde o sutil bimonetarismo até a extrema dolarização, as equipes econômicas oferecem propostas a um eleitorado que pouco entende, com dificuldade em medir as consequências fundando suas eleições na raiva e frustração.Encontramo-nos novamente diante de profissionais que recorrem às escolas clássicas das ciências econômicas que ignoram ou esquivam aos novos modelos que a evolução, o conhecimento e a tecnologia oferecem nos nossos tempos.O debate entre as teorias de Adam Smith, cujos aportes e conceitos se remetem à sua obra “Uma investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações”, escrita em 1776 e as de John Maynard Keynes, traduzidas na sua obra “Teoria geral do emprego, do interesse e do dinheiro” de 1936 Ele ficou fora de moda e de contexto.Discutir no século XXI se a “mão mágica do mercado” resolver a distribuição da riqueza, ou se o Estado deve intervir para arbitrar monopólios e especuladores é estéril e atrasa como planteos alternativos.Somente para nos localizar em tempo e espaço quando Smith publicou suas obras, a República Argentina não existia, essas terras, junto com as do Uruguai, parte do Chile, Paraguai, Bolívia e o Sul do Brasil, formavam parte do Virreinato do Rio da Prata. Existia a escravidão, os trabalhadores careciam de direitos e o papel da mulher em sociedade era muito diferente do dos nossos dias.Em 4 de julho desse ano,1776, enquanto Adam Smith publicava seus trabalhos, 13 colônias britânicas declararam a Independência dos Estados Unidos da América da Coroa Britânica.Entretanto, em 1936, na República Argentina governava o General Agustín Pedro Justo, cuja gestão foi caracterizada pelo intervencionismo do estado na economia e pela implementação de um sistema de cobrança fiscal centralizada. A história chamou a esta etapa como a “década infame”, pela sucessão de golpes militares que interromperam governos democráticos, começando pelo golpe de Estado civil-militar que derrubou o presidente radical Hipólito Yrigoyen.É interessante colocar em tempo e espaço as realidades sociais, geopolíticas e económicas do mundo para entender em que contexto foram formuladas e debatidas as propostas que foram apresentadas. “hoje” Nós discutimos no nosso país.É provável que, com os conhecimentos e ferramentas dos tempos, e nas circunstâncias de ambiente nos locais em que foram aplicadas estas propostas, analise se é conveniente ter uma moeda própria e um banco central soberano, ou se a forma como o mercado distribui a riqueza entre os factores de produção, seja procedente. Da mesma forma, discutir se frente a situações extremas, a intervenção estatal pode ser de auxílio para a sociedade em sua maioria.No entanto, a esta altura da humanidade, estas questões estão resolvidas.No nosso caso, a discussão deve passar mais pela independência das instituições, a adequação dos funcionários que as ocupam e as responsabilidades pessoais e políticas das consequências que as suas decisões provocam. Isso cabe para todos os poderes e escalafones da administração pública.Isso levanta um conflito ainda maior, pois as soluções, longe de ser mágicas ou cirúrgicas, como seria explorar o Banco Central ou implementar uma economia bimonetária, passam a ser de fundo, com base no profissionalismo e na moral daqueles que conduzem os destinos do país.Mudanças do estilo demandam gerações e muitas vezes que aqueles que estão à frente hoje dem um passo ao lado.Calma, restam outras opções.A economia do século XXI, que só começou a ensinar nas universidades, que se aprende através de documentos e trabalhos publicados em redes sociais e páginas da Internet, apresenta novas abordagens e ferramentas que poderiam ajudar a resolver os complexos desafios que enfrentamos nestes tempos.Vamos virar um deles.Ao falar de dolarizar o que se busca é que se use uma moeda que tenha valor como comum denominador dos bens e serviços oferecidos na economia. Uma coisa que sirva para medir como o nosso património evolui e que, além disso, é conveniente se tivermos algum excedente e queremos poupar ou investir.Na verdade, o dólar pode servir se o compararmos com o nosso desvalorizado peso, no entanto, se analisarmos o seu poder de compra em 100 anos perdeu 96% do seu valor, é dizer que se em 1923 com 1 dólar compravamos 100 doces hoje apenas compramos 4.Se vamos mudar, vamos fazê-lo por algo que seja superador,A tecnologia da Blockchain abriu-nos um leque de novas possibilidades, pois nos oferece contar com processos predefinidos, auditáveis, imutávels e seguros para realizar emissões e transações de todo tipo de registro representativo de qualquer coisa que possa ter valor.Dessa forma, poderemos ter ativos cujo apoio é uma regra de emissão previsível, plasmada em um contrato inteligente digital, ou seja uma moeda algorítmica, como é o Bitcoin. Olho, o planteo dista muito de usar o Bitcoin como moeda, mas usar o Blockchain como tecnologia para emitir uma moeda digital própria.Neste caso, o valor do dinheiro, seria suportado pela previsibilidade em sua emissão e pelo controle público que oferece o ambiente criptográfico, algo que com o dinheiro tradicional fica em poder da política e dos funcionários de turno.Também podem ser propostas alternativas que contemplem moedas associadas a um ativo subjacente, Ou seja, a sua regra de emissão está fundada na disponibilidade de algum bem, serviço ou direito, presente ou futuro.Em todos os discursos dos políticos, sejam do partido que fossem, mencionam-se as potencialidades do nosso país, a médio prazo, como produtor e exportador de bens derivados dos agronegócios, da mineração, do petróleo e do gás.Como é sabido, os estados nacionais e provinciais recebem royalties por eles, em alguns casos referidas em dinheiro e outras em produto.É possível certificar as reservas de determinados produtos que nosso país tenha e tokenizá-las, Ou seja, afetar o rendimento futuro como garantia da emissão de um ativo digital de curso legal e livre circulação, bem como um peso convertível em lítio, soja, petróleo, gás ou os escassos serviços ecosetémicos que produzem as florestas e florestas naturais.A Argentina pode emitir sua própria moeda dura sem necessidade de recorrer à terceiraização da soberania monetária.De pouco serve ter riquezas naturais improdutivas, enterradas ou abandonadas, enquanto as finanças públicas destinam milhares de milhões de dólares ao pagamento de juros de dívida externa, enquanto os rendimentos dos cidadãos e dos serviços públicos que recebem se deterioram ano após ano.Os mercados rapidamente aceitariam uma moeda apoiada por critérios de emissão predefinidos ou por direitos reais. Desta forma, a dívida em moeda local e estrangeira poderiam ser salvas reduzindo drasticamente o impacto que têm nas contas públicas o seu custo financeiro.A atribuição coerente e eficiente do valor que estas novas formas monetárias teriam também de contemplar a formação e inclusão social e “laboral” da população economicamente activa, de modo a que a assistência à instrução e às despesas ao investimento público possa ser rapidamente transferida.A tokenização apresenta-se como alternativa superadora, inovadora e resolutiva dos complexos desafios que apresenta o panorama econômico e financeiro de nossos dias.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 0

Comentários