22/02/2024 - Economia e Finanças

Duras fases para a estabilização monetária

Por Horacio Gustavo Ammaturo

Duras fases para a estabilização monetária

Em outras oportunidades, confirmámos que as crises inflacionárias extremas são mais baixas no consumo, em consequência, trata-se de maior pobreza para as classes económicas mais adiadas, pois, a diminuição da procura faz com que o preço dos produtos baixe.

Quando os processos inflacionários são extensos, os produtores e comerciantes se acostumam a destacar seus preços sabendo que alguém os vai comprar. Ao comparar os preços, suben os salários, nos conhecemos com relativizar o impacto visual nas listas, góndolas e vidrieras.

Parte das políticas enfrentadas pelo novo governo do presidente Milei apostam no facto de o poder de compra dos argentinos baixar tão significativamente quanto para que as empresas se vejam na necessidade de reduzir os preços, e assim, juntamente com uma política monetária restritiva, isto é, sem emitir novos pesos, acabar gradualmente com a inflação.

Por conseguinte, existe outro factor mandato para resolver a questão inflacionária.

Tal como o expressamos, perda do poder de compra com a consequente baixa no consumo é o início deste programa, porém, aqueles que os compradores são uma parte nesse processo pois são os vendedores que formam os preços, por isso, recém-chegados quando chegar a essa agenda. falta económica e financeira aos grandes produtores e cadeias comerciais Podemos verificar o início de uma nova fase na gestão da crise e provável recuperação económica.

O acesso ao mercado cambial pelos importadores permitiria ao Banco Central recuperar pesos vendendo dólares, sem ter a necessidade de pagar altas taxas de juro para tirá-los de praça. Para isso, deveria fixar uma taxa de câmbio suficientemente elevada como para seduzir os garfos de divisas a vendê-los.

Finalmente, poderiam alcançar a verdadeira instância que detém os processos inflacionários, a iliquidez.

La falta de circulação Foi a que permitiu após a saída da convertibilidade que a inflação se mantivesse controlada, que as quasemonedas sejam adotadas majoritariamente e que a criatividade de um povo atingido até as ruínas reestabeleça rapidamente a confiança na sua própria moeda, no crédito e num sistema bancário quase quebrado.

Então, podemos identificar diferentes fases dentro do programa de estabilização monetária:

  1. Perda de poder de compra das pessoas.
  2. Menor consumo.
  3. Estanflação.
  4. Impacto nas Pymes e contapropistas, ruptura na cadeia de pagamentos, desemprego e falências.
  5. Transferência do impacto para as grandes corporações que são afetadas pelos problemas de solvência nas cadeias de distribuição e queda nas vendas.
  6. Iliquidez.
  7. Revalorização do peso.

Provavelmente nos encontremos na terceira etapa, nas portas do doloroso momento em que a perda do poder aquisitivo impacta violentamente na maioria das famílias e comércios de proximidade.

A falta de dinheiro para cobrir as necessidades básicas das pessoas é a forma mais cruel de contenção à inflação.

Só recentemente, quando a água chegar à cintura dos poucos grandes e tiver afogado muitos dos médios e pequenos, a falta de liquidez será o sinal de que a partir desse momento o peso voltou a cobrar vida.

Existem alternativas baseadas em tecnologias de processamento de pagamentos que podem conceber ecossistemas transaccionais de modo a permitir regular os fluxos monetários para que a iliquidez seja menor nos sectores mais vulneráveis e acelere a reavaliação do peso nos factores económicos que os acumulam e desprezam.

A busca de mudança de modelo do país significa transformações no filosófico, moral e nos costumes dos argentinos que vão muito além das questões económicas.

Apoiar-se nas ferramentas do século XXI em termos de modelos monetários, fiscais e fiscais reduziriam o impacto negativo em quem menos tem e aceleraria a recuperação tão almejada.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 1

Comentários