29/12/2021 - Economia e Finanças

O FMI e a tokenização: Diga-me do que você fala e te direi o que é o que te preocupa

Por horacio gustavo ammaturo

Imagen de portada
Imagen de portada

Em 6 de Outubro passado, o Fundo Monetário Internacional emitiu o seu relatório habitual, que avalia a evolução dos mercados e dos sistemas financeiros internacionais para o financiamento das economias emergentes.

No mesmo se identificam potenciais riscos e alerta-se sobre os problemas sistémicos aos mutuantes envolvidos nestes segmentos.

Curiosamente, nesta oportunidade dedicou uma seção completa às criptomoedas.

Se seguirmos o critério de “dime de que falas e te direi o que te preocupa”, observamos que no relatório se mencionam particularmente duas criptomoedas e uma espécie de instrumento transaccional, as stáveis coins ou moedas estáveis.

Agora, se tomarmos nota de quantas vezes se menciona a cada uma vemos que apenas em sete oportunidades se menciona o Ethereum, em cerca de trinta ao Bitcoin e em mais de cem às stáveis coins, que são emissões de ativos digitais com um apoio subjacente.

É evidente que o sistema financeiro tradicional global já não se preocupa se alguém tem parte de suas poupanças em algumas das criptomoedas que ofereceram altíssimos rendimentos por reavaliação. Basta dizer que enquanto os que investem em ações ou obrigações medem seus rendimentos em percentuais que oscilam entre 1% e 50% para os mais arriscados e afortunados, que se encontram no mundo cripto miden em X seus resultados, ou seja, quantas vezes multiplicaram o seu investimento. É usual encontrar-se com garotos que apenas deixaram o ensino secundário que mostram suas carteiras históricas com aportes multiplicados entre 5 e 40 vezes. Se, entre 500% e 4000%. Olho, esta nota longe pretende recomendar qualquer tipo de investimento, apenas analisamos intervalos e retornos passados que não permitem inferir com certeza o que acontecerá no futuro.

O que realmente preocupa é o que se denomina “tokenização”.

Tokenizar é basicamente passar para formato digital qualquer coisa que possa ter valor. De um bem real, ou um serviço a fornecer, ou mesmo direitos intangíveis. A tecnologia Blockchain oferece gerar registros e gerenciar seu processamento a qualquer coisa, depois como sempre é o mercado, oferta e demanda, quem coloca o preço.

No entanto, o grande perigo que vê a velha economia, também não eace na pura tokenização, mas no processamento dos ativos digitais.

A história nos mostrou que enquanto o dinheiro circule pelos canais habituais, que são o sistema bancário, as redes de correspondentes para transferências internacionais ou os processadores de pagamentos de cartões de crédito, qualquer desfalco ou erro tem como responsáveis pelas pontas das operações, nunca aos vínculos. Trata-se de um negócio enorme, oligopólico e compulsivo de que ninguém pode escapar, pelo menos até agora.

As novas tecnologias simplificam cada um dos aspectos típicos das transacções:

  • Registos, não requerem processos complexos de assinaturas de dossiers ou certificações nãotárias em cada transação.
  • Auditoria, em forma permanente, monitora-se cada conta e operação em função de procedimentos automatizados e algoritmos que verificam quantidade e pilhas
  • Escalabilidade, por se tratar de sistemas transaccionais distribuídos e descentralizados as necessidades de investimentos em infra-estruturas e custos por operações são mínimas e não dependem de um montante ou número de registros.
  • Interoperabilidade, poderiam ser trocadas de forma direta, sem necessidade de passar por dinheiro, direitos de autor de um músico por uma canção registrada em Tóquio com um carro de alta gama em La Florida, apenas tomando como referência os valores relativos de cada um dos ativos frente a um critério de valor comum.
É o mundo do trueque organizado em um livro maior de registro global, descentralizado, seguro e imediato, pois os relatórios viajam à velocidade da luz, pela Internet.

A tokenização permite às pessoas trocar bens, serviços e direitos sem necessidade de passar pelas moedas tradicionais e obviamente sem usar os dispendiosos mecanismos e processos de transferências de dinheiro ou mudar moedas.

O primeiro ativo digital na Blockchain, o Bitcoin, hoje, ocupa um papel nas finanças internacionais como potencial reserva de valor e comum denominador do resto das criptomoedas emitidas. Isso não é pouca coisa. Na verdade, nos valores destes dias, acima dos 60 000 dólares, a sua capitalização excede o M1 (base monetária primária) de países como a Índia, a Suíça, a Rússia, a Nova Zelândia ou a Turquia, chegando quase a metade da do euro.

É provável que nos próximos tempos vejamos como os reguladores aprovam estruturados para acumular criptomoedas. Esta semana começou a operar o primeiro fundo de investimento no Bitcoin aprovado pela Security Exchange Comision, com o principal objetivo de manter, pelo menos uma parte das transações dentro dos antigos canais operacionais, bolsas, bancos e sistemas de processamento tradicionais.

Para aqueles que compreenderam o verdadeiro valor destas novas ferramentas, acumuladores, como os fundos de investimento fazem parte do passado. O caminho para as finanças descentralizadas não admite concentradores, seria como colocar heno fresco para funcionar um Tesla, um revolucionário veículo elétrico, cavalos e carretas fazem parte do passado.

Na minha opinião, a caixa de pandora já está aberta. Só resta a cada um de nós definir se seremos testemunhas ou protagonistas neste novo mundo.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 7

Comentários