20/11/2023 - Economia e Finanças

Há esperança para a Ciência Argentina

Por Sahira Janeir Garazatúa

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

Hoje, dia da soberania nacional e saindo eleito democraticamente como Presidente da Argentina, Javier Milei, acorda novamente a esperança nas pessoas de poder voltar a ser grandes, de poder sonhar, e de cantar com orgulho o hino argentino: "Oíd, mortais!, o grito sagrado:liberdade!,liberdade! Oíd o ruído de rotas correntes, ved em trono à nobre igualdade". O céu se mostra de celeste como nossa bandeira e sente-se que vêm bons tempos. Mas não devemos esquecer pôr os pés sobre a terra e analisar onde nos encontramos como país, e especificamente, onde se encontra a ciência Argentina.

A inovação em ciência e tecnologia contribui significativamente para o crescimento económico de um país. Recordemos a nossa ao longo dos anos:

  • Os Prémios Nobel de Bernardo Houssay pelo papel da hipófise na regulação da quantidade de açúcar no sangue, Luis Frederico Leloir por descrever os nucleótidos açúcares e seu papel na formação de hidratos de carbono e César Milstein pelo desenvolvimento de anticorpos monoclonais.
  • O primeiro bypass de Favaloro
  • Até mais recentemente, a Vacina contra o COVID-19 ARVAC ou o tratamento para a atrofia muscular espinhal de nusinersen com ácido valproico, por exemplo.
Embora tenhamos demonstrado dar alguns marcos importantes a nível mundial, e os nossos cientistas são muito aclamados no exterior, há duas realidades inegáveis:

  • A percentagem do PIB que a Argentina destina à ciência é cerca. 0.34% o que representa muito pouco a comparação de países mais avançados neste campo como os Estados Unidos, Israel, Suíça, Alemanha, entre outros que supera 3%, tendo mesmo em conta que o nosso PIB é muito menor.
  • A percentagem destinada à ciência é mal administrada.
Mas não desesperem, que se poderia fazer melhor. Como podemos nos posicionar a nível mundial e gerar valor monetário através da ciência?

Fechar o CONICET e deixá-lo nas mãos da indústria privada? Não, TRANQUILOS...É verdade que há muitas pesquisas muito longe de ser aplicadas, cujos resultados não têm progressão para o futuro de gerar capital econômico ou patentamento. Observando como funciona a ciência pública no exterior, países como a Suíça, a Alemanha ou os EUA, investem muito dinheiro em ciência aplicada que num futuro possam ser transformados e criados empresas que gerem dinheiro e crescimento nos seus países, sem negligenciar a ciência básica, é claro. Considero que esse é justamente o problema do CONICET. O facto de não ter dinheiro suficiente para desperdiçar tudo devido à crise económica gera uma divisão impressionante do pouco dinheiro Nas milhares de pesquisas que há na Argentina. Dessa forma, aqueles grupos de pesquisa que têm o potencial de gerar capital ou conhecimento de maior importância, dispõem de muito pouco e avançam muito lento, embora ainda assim, alguns poucos com sorte, conseguem descobrir coisas muito interessantes. Além disso, os pesquisadores destinam grande parte de seu trabalho pedindo subsídios para solventar suas pesquisas que a maioria das vezes não lhes chega e devem se conformar com menos, ou mesmo utilizam dinheiro de seu próprio bolso para continuar. Isso não vai mais!

O que acontece quando uma família tem menos receitas do que antes? O mais razoável seria eliminar as despesas não indispensáveis e concentrar-se mais no necessário. Aí está a chave. Acho que a ciência e a tecnologia é um investimento. Mas nem todas as investigações são. Pelo menos neste momento tão crucial.

Não acho que seria conveniente encerrar o CONICET, mas sim reestruturar-lo a partir de dentro: tirar os pesquisadores que estão em carreira do CONICET mas que há tempo não investigam nada e simplesmente deixam-no nas mãos de seus “becários”, ou aqueles que não cumprem com mínimos horários necessários, diminuir o fornecimento de linhas de pesquisa que não têm um futuro empresarial ou que não são tão imprescindíveis de conhecer neste momento, e continuar a fornecer linhas que possam gerar patentamentos como tratamentos a curas de doenças, dianas farmacêuticas, resistências vegetais a mudanças climáticas, pesquisas aeroespacials, etc., e destinar mais dinheiro ainda para aqueles grupos com ambições. O cientista já tem uma motivação interna pela ciência e pelo que faz, e acreditam 100%, mas não é suficiente. Eles sacrificam muito e não valorizam o suficiente. Bastaria reenfocar as suas investigações e impulsionar a produção. O facto de promover este tipo de investigação, de seguro que a longo prazo alargará as receitas do país. Isso aumentará a confiança mundial e até mesmo os investimentos de empresas estrangeiras radicadas na Argentina, permitindo que, no futuro, se disponha de mais para os destinar a outras investigações.

Hoje estamos num momento de priorizar. A economia foi destruída nos últimos anos que já quase não há orçamento para este sector. E é preciso estar ciente disso. Se os cortes são hoje necessários, é por um futuro melhor, com uma boa causa.

Quais seriam as consequências de deixar nas mãos da indústria privada a pesquisa?A investigação privada está muito bem, mas não é o único. Sempre é boa uma inter-relação entre o privado e o público. O que teria de eliminar é a despesa desnecessária e a corrupção em ambos os entes. Seria difícil esperar por exemplo que as farmacêuticas investiguem tudo sobre a saúde, quando muitas se focam em certos temas.

Um ponto a ter muito em conta é que a pesquisa pública pode funcionar como uma incubadora do Start-Ups de caráter científico gerando diversidade empresarial. Se deixarmos tudo nas mãos da indústria privada, essa diversidade se eliminaria, e nos encontraremos tendendo à monopolização da ciência a poucas. Os farmacêuticos apropriariam todo o mercado e seria quase impossível gerar novas pequenas empresas. Isso é porque tudo o que um empregado investiga e descobre na farmacêutica, é para conhecimento próprio dessa empresa e sob nenhum conceito pode “robar-se” esse conhecimento para abrir a sua própria. Por exemplo, um cientista que trabalha numa farmacêutica com vontade de empreender seria muito mais limitado porque precisaria de ter ou bem um laboratório próprio ou alguém que lhe preste um e investir para lhe permitir investigar e assim, no futuro, abrir a sua empresa.

O facto de promover pesquisas públicas com objectivos claros de saída empresarial, penso que é uma grande oportunidade. Devemos tentar deixar de pensar ambos os entes (público e privado) como duas coisas completamente opostas e começar a vê-lo como a continuação de um caminho do público para o misto, e assim ter o melhor de ambos os mundos. Sendo isso permitir a longo prazo gastar mais para somar linhas e voltar a competir por um prêmio Nobel.

Por isso, penso que é muito necessário analisar como afetaria cada decisão tomada e tentar acertar para as combinar com a promoção de gerar capital econômico na Argentina. Será um caminho difícil, mas é possível crescer para voltar a ser o pujante país que fomos e que deveria ser pela clareza dos nossos pais da pátria e dos que virão.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
sahira janeir

Sahira Janeir Garazatúa

Olá, Sou Sahira, Biotecnóloga Biomédica! Estudei em Buenos Aires onde me enfoquei na epigenética e reprodução, mas agora me encontra na Espanha desenvolvendo tratamentos terapia celular e regeneração neuronal da medula espinhal, e combinando a IA para a detecção precoce de doenças. Além disso, estudo Gestão Tecnológica de CDTM, Valencia-Munich onde desenvolvimento produtos e soluções digitais inovadoras para empresas como Lufthansa e S2grupo.

Linkedin

Visualizações: 2

Comentários