22/08/2023 - Economia e Finanças

A confluência do mundo cripto com os mercados tradicionais acelera

Por gustavo neffa

A confluência do mundo cripto com os mercados tradicionais acelera

O Bitcoin foi operando em forma paralela aos ativos tradicionais. Assim nasceu. A custódia dá um wallet onde as criptomoedas são armazenadas (hot storage) , ou fora do sistema (cold storage). E a operatória se dá em bolsas muito particulares, as exchanges, que são exclusivamente para operar criptos e tokens.Mas o mundo dos investimentos tradicionais e criptos se toca cada vez mais. Basta ver como a Interactive Brokers oferece serviços de custódia e operatória de criptos aos seus clientes, mas apenas para residentes norte-americanos (por agora).Por sua vez, eles operam na bolsa de futuros de Chicago CME dois tipos de contratos de futuros bitcoins.Também podem comprar ETFs de um fundo de Grayscale Capital, listado em bolsa. Eles podem ser comprados como se fossem ações os fundos Bitcoins, Ethereum, Bitcoin Cash e muitas outras criptomendas. O ETF que se arma com futuros é o BITO.A SEC já tinha aprovado um par de ETF de futuros Bitcoins em 2021, mas foi muito severa a partir daí.Muitas administradoras quiseram seguir os passos de Grayscale Capital, mas tiveram uma rejeição inicial. Uma delas é a BlackRock, o dono de quase tudo: administra ativos por mais de 6 mil milhões de dólares. Têm participações em 17 mil empresas e é a maior administradora de fundos do mundo. Quando sai para o campo, o faz com firmeza: BlackRock tem um recorde de aprovação de ETFs de 575 a 1 só rejeitado.Presentou um ETF de Bitcoin, mas foi inicialmente rejeitado. O que é um ETF Bitcoin? Um ETF Bitcoin é um fundo cotado em bolsa que rastreia o preço do Bitcoin através de contratos de futuros, o que oferece a possibilidade de investir nessa criptomoeda sem necessidade de comprá-la.Após a rejeição inicial ao lançamento de uma família de ETFs, a SEC aceitou formalmente em 13 de julho deste ano o pedido para a criação do fideicomiso iShares Bitcoin Trust, que será o encarregado da emissão e custódia dos ETF spot Bitcoin de BlackRock. O novo pedido é aceite após um acordo entre a bolsa Nasdaq e a exchange Coinbase focada em fornecer acesso a dados sobre operações à vista de bitcoins. Este acordo de “vigilancia” tentará evitar a manipulação do mercado e, se houver alguma irregularidade, a possa detectar e cortar.E não está sozinho: a SEC também admitiu a revisão a outras administradoras como Fidelity, VanEck e Invesco. Estas iniciativas são um estímulo importante para o desenvolvimento das criptomoedas e dá uma resposta à demanda dos investidores que apostam numa exposição à moeda digital através do mercado de valores, ou seja, das bolsas tradicionais.Porque o grande medo até agora de ter criptos era o hackeo. Os investidores sentem-se mais seguros no investimento em criptos quando têm uma custódia de uma instituição financeira grande e tradicional.Na Europa, todos os instrumentos financeiros tradicionais apoiados por criptomoedas estruturaram-se como ETN, em vez de fundos como ETFs. A principal diferença entre um ETN e um ETF é que os ETFs, ao contrário dos ETN, não podem apalancar-se nem utilizar derivados, o que poderia acarretar riscos de manipulação do mercado. Além disso, o accionista do ETF tem uma parte dos activos subjacentes do fundo, enquanto os investidores da ETN possuem títulos de dívida. Resumindo, um ETN é semelhante a um ETF, mas tem risco de contraparte, já que é emitido por uma empresa e figura no seu balanço como dívida.Finalmente estreou no final deste ano depois de um longo atraso o ETF Bitcoin de Jacobi Asset Management, uma administradora com sede em Londres, que iria estrear em uma exchange Euronext de Amsterdã em julho de 2022, mas que demorou a chegar. É apoiado por criptomoedas compensadas de forma centralizada com custódia apoiada por Fidelity Digital Assets, uma mudança importante em relação às habituais notas cotadas em bolsa (ETN).A confluência do mundo cripto com os mercados tradicionais acelera. Imaginemos um mundo em que todas as contas de investimento tradicionais tenham pelo menos 1% do Bitcoin, a procura que poderia gerar. O mesmo é válido para os bancos centrais, que poderiam diversificar suas reservas internacionais e que passem a considerar o Bitcoin como uma moeda mais. Suena utópico? O caminho a percorrer é longo, mas a direção é uma só.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
gustavo neffa

gustavo neffa

Sou Gustavo Neffa. Diretor de Economia e Finanças no FinGurú. Parceiro e diretor da Research for Traders, liderando uma equipe de analistas de mercados. Eu desempenhoi os últimos 24 anos no setor financeiro tanto em entidades domésticas como de capitais estrangeiros, tendo ocupado o posto de Analista de Research Senior em Macrosecurities do Banco Macro e no BBVA Banco Francês, além de analistas econômicos junto ao economista-chefe do BBVA Banco Francês. Também sou professor em matéria de Finanças Corporativas, Administração de Carteras de Investimento, Valuação de Activos Financeiros, Valuação de Projetos de Investimento e Finanças Internacionais em diversos MBAs e cursos de pós-graduação em Buenos Aires e no interior do país e professor do MBA da UNLP e da UNNE de avaliação de ativos financeiros, e da pós-graduação em Mercado de Capitales da UBA em convênio com ByMA. Codiretor do Programa de Finanças Avançado da UNLP.

Visualizações: 18

Comentários