06/07/2022 - Economia e Finanças

A Estratégia Legal Argentina no caso pela expropriação de YPF após a mudança em Economia

Por Sebastián Maril

A Estratégia Legal Argentina no caso pela expropriação de YPF após a mudança em Economia

As mudanças em curso na Argentina no Ministério da Economia não mudam nada para quem tem interesses econômicos no caso de expropriação de YPF. O governo ainda tem prioridades mais urgentes do que as demandas de Petersen e Eton e vê a falha (se é adverso) como um evento que não resolverá sem a recomendação de seus advogados de Nova Iorque.
A Argentina e YPF já perderam quatro falhas importantes neste caso (setembro de 2016, abril de 2019, junho de 2019 e junho de 2020) sem uma única vitória importante desde abril de 2015 quando foram apresentadas as denúncias (acontecimentos menores). Nesse sentido, se o soberano e YPF voltam a perder e optam por apelar a sentença ao Segundo Circuito, não vemos como seria um resultado diferente. De qualquer forma, é muito pouco provável que a estratégia legal da República mude como consequência dos eventos deste fim de semana e esperamos que o governo prolongue o assunto e procure a opinião de três juízes na corte de apelações.
Também não descartamos a possibilidade de a ordem da juíza Preska ser parcial, o que significa que poderia colocar-se do lado dos queixosos em alguns assuntos, mas enviar a disputa dos danos econômicos em julgamento. Acreditamos que o cálculo de uma adjudicação monetária às empresas Petersen e Eton Park Capital necessita de mais opiniões de especialistas e é possível que não seja decidido na próxima decisão.
O juiz também poderia falhar completamente a favor de ambos os acusados, algo que ainda não aconteceu neste julgamento, ou contra a Argentina e a favor de YPF.
Em qualquer caso, já levamos 13 dias desde que as partes apresentaram o último conjunto de escritos e, embora o juiz possa pedir alegações orais, acreditamos que tanto os queixosos como os réus estão se preparando para uma decisão. Em sua primeira decisão neste caso (9 de setembro de 2016), a juíza Preska demorou 51 dias desde a última apresentação/audiência em publicar sua Opinião e ordem. Em seu segundo acórdão (5 de junho de 20), a juíza demorou 119 dias.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
sebastian maril

Sebastián Maril

Olá, sou Sebastian. Especialista em dívida soberana, provincial e corporativa emitida nos mercados internacionais. Especialista em política, economia e legais dos Estados Unidos. MBA da Escola de Negócios de Thunderbird, Arizona.

Linkedin

Visualizações: 1

Comentários