27/10/2022 - Economia e Finanças

A grande macro

Por Pablo Schiaffino

A grande macro

É indubitavelmente que a continuação de raridades macroeconómicas do último tempo deixaram um mundo muito diferente do esperado para a primeira parte da década de 20. La Belle Époque Na era das redes, com o Ocidente à cabeça, ele disfrou de baixa inflação, taxas baixas, febre pelos empreendimentos (alguns sérios, outros um pouco ridículos), Netflix, Spotify, desenvolvimento do metaverso e sonho da exploração aeroespacial nas mãos dos privados.Mas tudo parece estar um pouco estranho e esse mundo se coloca em parêntesis, pelo menos momentâneos, pois existem outras urgências mais prementes. Na atualidade reapareceu a inflação, um dinossauro extinto que não se via desde princípios da década de 1980. E, com isso, a suba de taxas e o fim do excesso de liquidez que Papeó activos por todo o lado, enquanto as economias desenvolvidas atingem níveis de dívida apenas comparáveis às existentes quando a Segunda Guerra Mundial terminou. Tudo se torna pior se somarmos as restrições de oferta pela triplo C:

  • Conflicto político (Ucrânia e seu impacto sobre os alimentos e a energia)
  • Crise climática (sequias que geram escassez de água que dificultam a produção de microchips)
  • COvid (China e sua política de zero-Covid que aumentam as restrições dentro do seu território).
Como dois carros a toda velocidade que vão para um choque de frente, a oferta inelástica de bens choca com a demanda que entre 2020 e 2021 foi fogoneada por uma política monetária e fiscal expansiva (e com o diário de segunda-feira, talvez excessiva).Os mercados, agora, estão atentos aos níveis de endividamento dos governos e aos fluxos futuros dos resultados fiscais. É aqui que vem, talvez, uma sorte de Masnização do mundo. As taxas de juro serão estas ou talvez um pouco mais altas, mas dificilmente mais baixas. O suficiente para manter a inflação em linha. Se, por exemplo, uma inflação de 8% em dólares não seria desejável, mas não menos de 4%. E em parte porque, embora uma certa ordem fiscal das economias seja recomendável (isto já se pode ver com o achicamento progressivo do défice nos EUA do último tempo), também não será tão significativo “o ajuste” e os stocks de dívida irão diminuir, mais do que tudo, com a licuação dos passivos. Por esta razão, os governos, partindo dessa premissa, dificilmente vão por uma taxa real de interesse “muito positiva”, porque entendem que a forma de financiar os passivos terá de ser, em maior ou menor medida, com imposto inflacionário.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
pablo schiaffino

Pablo Schiaffino

Olá! Sou Paulo, Doutor em Economia e professor de tempo completo em Di Tella. Realize assessorias técnicas para o Banco Central da República Argentina, a Secretaria de Comércio do Ministério da Produção e a Província de Mendoza (projeto financiado através do BID). Entre 2018 e 2020, fui assessor da Câmara dos Deputados da Nação Argentina.

Visualizações: 2

Comentários