30/10/2023 - Economia e Finanças

O paradoxo da inflação com pobreza

Por Horacio Gustavo Ammaturo

O paradoxo da inflação com pobreza

Observando a inocência das crianças, que acreditam que quantas mais notas têm mais coisas podem comprar, podemos entender a falsa lógica daqueles que promovem políticas inflacionárias. .Sem analisar o poder de compra do dinheiro, identificar a capacidade das notas para satisfazer necessidades e desejos é uma questão abstrata.Quem sabe o que é viver com inflação conhecemos o efêmero do valor do dinheiro por si só.É uma regra básica da economia e dos negócios que os que oferecem bens ou serviços tratem de obter o maior preço por eles.É natural que se procure ganhar mais, tanto através do aumento do ganho por unidade como do aumento do volume nas vendas, esses conceitos são conhecidos como utilidade e escala, que, em conjunto, definem a rentabilidade de um negócio.Por exemplo, se um empresário oferecer um produto a 100 pesos e vender todos os que produz, você pode tomar duas decisões para ganhar mais dinheiro:

  1. Produzir mais para aumentar a sua participação no mercado e baixar os seus custos por poupanças relacionadas com a escala ou,
  2. Subir o preço para ver até onde seus clientes o convalidam.
No primeiro caso, deve fazer investimentos, aumentar a planta, contratar mais pessoal, comprar mais matéria-prima, investir e expandir o seu capital de trabalho.Na outra alternativa, você só precisa tocar a lista de preços e esperar a resposta de seus clientes.É aqui onde as condições de ambiente são definitórias.Se houver dificuldades ou inseguranças na tomada de decisões de investimento, é seguro optar pela variante de maximizar a rentabilidade por preço em vez de escala.Então, levará seu produto de 100 a 200 e daí para 500 e talvez 1000. Até que algum dia o mercado diga basta.Neste modelo que ostentam um lugar de privilégio são os oferentes de bens e serviços de primeira necessidade e de consumo massivo, em grandes traços, alimentos, artigos de limpeza, perfumeria e farmácia. Essas coisas que “sempre” devemos comprar.Quando nos encontramos dentro de uma economia inflacionária, a principal ferramenta para fazer baixar os preços é deixar de consumir.Aqueles que reduzem o diagnóstico das causas da inflação ao fenômeno monetário atribuem apenas ao circulante a responsabilidade do aumento de preços, porém há outros fatores que determinam esses processos.Analicemos diferentes cenários:
  1. O banco central emite dinheiro para o acumular em suas contas. Esse aumento não se move a preços, pois os consumidores teriam os mesmos pesos no seu sistema para gastar.
  2. O dinheiro emitido é “astribuído discrecionalmente” a uma empresa. Neste caso, o poder de compra desta empresa ficaria em vantagem com as outras tornando-a “mais competitiva”, desta forma ficaria com a sua concorrência. No entanto, só poderiam aumentar os preços das coisas que esta empresa adquire
  3. No entanto, se o dinheiro for distribuído entre a maioria dos habitantes, fundamentalmente, entre aqueles que menos têm, o consumo orientar-se-á, principalmente nos produtos de primeira necessidade, em consequência, essas empresas serão aqueles que acumulam maior estoque de pesos.
A partir daqui, é claro que o fenômeno monetário começa a ter maior presença. Ao serem os pesos superabundantes, as empresas sabem que voltarão a ter, mesmo subindo os preços, por isso os desprezam. Isso leva a que, para mantê-los, demanden prêmios maiores (taxas de interesse) ou diretamente se desfazem para passar para outras alternativas menos oferecidas (em nossa economia, dólares).Então, estamos diante do paradoxo da inflação com pobreza.Sabemos que a expansão monetária que se produz para financiar políticas de assistência diretas como a AUH ou indiretas, como são as entradas intermináveis de funcionários públicos, servem para que a pobreza e a indigência sejam menores.Por outro lado, também sabemos que se a emissão monetária for principalmente destinada a sustentar o consumo de bens e serviços básicos será inflacionária.Talvez, usar o nosso corpo humano como exemplo seja útil.Imaginemos que o nosso aparelho circulatório se assemelha ao sistema monetário.As artérias e veias teriam seu paralelo nos meios e sistemas de processamento de pagamentos e sangue no dinheiro.Suponhamos que, por alguma razão, existe uma artéria pela qual sai do sistema um grande fluxo de sangue.Por mais transfusões que se façam sempre será insuficiente. Enquanto algumas partes do organismo recebe o sangue doado, o setor que se encontra após a artéria ulcerada carece de irrigação, ou seja, por mais que se faça o esforço de conseguir novos e mais dadores, há partes do sistema que ficam sem o vital fluido.O mesmo acontece com a economia após longos processos de emissão que derivam em cenários inflacionários.A ortodoxia fica sem ferramentas.Os pobres deveriam ser tão pobres quanto para deixar de consumir os produtos básicos, são essas partes do corpo humano que carecem de irrigação. Entretanto, os ricos acumulam tantos pesos que os desprezam, representados por essas fugas arteriais.No entanto, existe uma solução.A tecnologia da moeda digital permite segmentar o aparelho circulatório em circuitos independentes e descentralizados, ou seja, gerar ecossistemas transaccionais de pagamentos de modo a que a emissão monetária tenha um correlato em incrementos na oferta de bens e serviços e na geração de emprego.Parte das despesas e do investimento público pode ser utilizado na reserva de mercado para comércios de proximidade e produtores de economias regionais e pequenas e médias empresas.A rastreabilidade das moedas digitais e a possibilidade de seu direcionamento revolucionarão os modelos monetários, fiscais e fiscais.Para além do candidato a presidente emarbo-lhe a bandeira do peso digital, sistemas de processamento de pagamentos soberanos baseados em blockchain Serão necessários para qualquer um deles para sair desta crise que agotou as ferramentas para sair da pobreza sem tirá-la e que, apesar de ter uma economia que decrescesse continua a ser inflacionária.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 1

Comentários