13/05/2024 - Economia e Finanças

Os cavaleiros do apocalipse económico

Por horacio gustavo ammaturo

Os cavaleiros do apocalipse económico

A Bíblia, no seu Novo Testamento, menciona quatro figuras cuja presença prefigura o fim dos tempos e o Juízo Final.

São conhecidos como os "Quatro Cavaleiros do Apocalipse", em alusão ao fim dos tempos.

Cada um deles montava cavalos de cores diferentes, representando diferentes etapas ou momentos do fim do ciclo na vida da humanidade.

O Cavaleiro Vermelho, que simboliza a guerra, com uma grande espada que lhe permite trazer a paz à terra e permite que as pessoas se matem umas às outras.

O Cavaleiro Negro, que transporta uma balança, aludindo à escassez de alimentos, simbolizando a fome.

O Cavaleiro Pálido, que representa a morte, com autoridade para matar com a espada e a fome.

O Cavaleiro Branco, portador de um arco, que alguns estudiosos interpretam como a personificação de Cristo, enquanto outros o vêem como o Anticristo.

A economia tem os seus cavaleiros, mensageiros do apocalipse do mercado ou das mudanças traumáticas de ciclo.

Recessão, Inflação, Estagflação, Hiperinflação e Depressão são as cinco fases dos ciclos económicos que, mais cedo ou mais tarde, culminam no Juízo Final para dar início a um novo ciclo de recuperação.

No entanto, podem combinar-se para dar continuidade uns aos outros.

O quadro acima mostra como cada uma delas influencia alguns aspectos da economia e dos mercados.

  • Recessão: A procura diminui e as existências acumulam-se, pelo que os preços tendem a baixar. Os rendimentos das pessoas diminuem em consequência da quebra de atividade, acentuando ainda mais a diminuição do consumo. São períodos de baixa poupança e de perda de emprego. Por vezes, há quebras nas cadeias de pagamento, que podem mesmo implicar o encerramento de algumas empresas, sobretudo PME.

  • Inflação: Em períodos inflacionistas, a procura de bens e serviços aumenta porque a expetativa de subida de preços incentiva os consumidores a protegerem o seu poder de compra, adquirindo antecipadamente aquilo de que podem necessitar. A oferta de produtos é, em geral, ligeiramente inferior à procura, uma vez que os fornecedores sabem que, com o tempo, as suas existências se tornarão mais valiosas. A poupança é baixa, pois adiar as compras significa comprar menos. O emprego é impulsionado, uma vez que, em geral, os custos do trabalho não acompanham o aumento dos preços, tornando mais conveniente a contratação de trabalhadores. O sistema financeiro pode tirar partido dos grandes diferenciais entre as taxas de empréstimo e as taxas de depósito, que são negativas, ou seja, inferiores à taxa de inflação.

  • Estagflação: Refere-se a uma situação económica em que os preços sobem mas a atividade económica estagna. A estagflação implica taxas de inflação elevadas e taxas de crescimento do PIB baixas ou negativas. É uma circunstância muito difícil de resolver, especialmente para os banqueiros centrais, pois existem poucos instrumentos para combater a inflação e o abrandamento ao mesmo tempo, uma vez que são geralmente opostos. A procura diminui, os bens acumulam-se nos armazéns, mas, ao contrário do que acontece nas recessões, os preços sobem. Esta situação pode ocorrer devido à conjugação de alguns dos seguintes factores

  • Aumento dos custos de produção devido à inflação.

  • A expetativa inflacionária dos fornecedores.

  • A política monetária e fiscal do governo para financiar as despesas públicas.

  • A diminuição da oferta de bens e serviços devido à queda da produção.

Obviamente, estas circunstâncias retraem o emprego e ressentem o sistema financeiro que pode sofrer as mesmas consequências que uma recessão.

  • Hiperinflação: A hiperinflação é um fenómeno económico caracterizado por um aumento descontrolado dos preços. Durante a hiperinflação, os preços dos bens e serviços aumentam tão rapidamente que a moeda perde o seu valor real. Este fenómeno pode levar a uma redução significativa da riqueza e a uma perda significativa do poder de compra dos cidadãos. Este fenómeno pode geralmente ser desencadeado pela criação desenfreada de moeda na sequência de uma política monetária expansionista muito agressiva ou por uma queda súbita da atividade. Ou seja, quando o rácio entre o PIB e a base monetária é modificado de forma permanente e violenta, quer pelo aumento da circulação, quer pela redução da produção. Historicamente, tende a ocorrer em tempos de guerra entre países, devido às elevadas despesas provocadas pelo conflito, em crises políticas e em momentos graves de depressão económica.

Durante as hiperinflações, quem oferece produtos prefere manter stocks porque ganha mais não vendendo do que vendendo. O denominador comum é a incerteza quanto à substituição de bens que podem não estar disponíveis ou ser muito mais caros. A falta de atividade gera desemprego e perdas importantes para os sectores financeiros que, em termos de moeda forte, vêem as suas posições locais desvalorizadas.

  • Depressão: Tal como nas recessões, a depressão económica representa a queda de todos os parâmetros que estamos a analisar, no entanto, neste caso é muito mais acentuada. O colapso do sistema financeiro é o indicador típico desta circunstância. A perda de valor dos activos financeiros, o aumento do custo do dinheiro, a insolvência e as falências de empresas incapazes de pagar as suas dívidas, a desconfiança nos bancos locais e a intervenção do governo através do resgate de bancos ou do estabelecimento de políticas de estímulo económico são algumas das manifestações desta fase temida.

Os consumidores esperam que os preços dos bens continuem a baixar, pelo que adiam o seu consumo, levando os fornecedores a baixar ainda mais os preços para poderem satisfazer os custos mínimos de sobrevivência.

Em todos os casos, há crises de arrefecimento ou de sobreaquecimento da economia. Nenhuma destas realidades é positiva para o desenvolvimento sustentável de um país.

As economias desenvolvidas são as que conseguiram ultrapassá-las com maior rapidez, prolongando as fases de crescimento, razão pela qual estes cinco cavaleiros são o terror dos que dirigem o destino das finanças de qualquer país.





Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 40

Comentários