02/02/2023 - Economia e Finanças

Por que Peru?

Por jorge santa cruz

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

A crise no Peru tem um componente local – a feroz luta pelo poder entre as facções de direita e de esquerda – e outro, global: o interesse das duas superpotências econômicas, Estados Unidos e China, pela riqueza mineral do país andino.

Segundo a Guia para Investimento Mineração no Peru (2022-2023), coeditada pelo Ministério das Relações Exteriores do Peru e pela empresa EY Peru, a nação peruana ocupa o segundo lugar mundial entre os produtores de cobre e zinco, e o terceiro entre os produtores de prata e estanho. A nível da América Latina, o Peru é o primeiro produtor de zinco, estanho, chumbo e selênio.

A publicação acima citada traz outros dados significativos: apenas 1.07 % do território peruano é explorado pela indústria mineira (a qual é dominada por empresas estrangeiras) e só foi explorado 0.28 % mais.

As principais empresas mineiras estrangeiras assentadas no Peru são as seguintes:

  • Freeport-McMoran (Cerro Verde)
  • MMG Limited (Las Bambas)
  • BHP Billiton (Antamina)
  • Southern Cooper
  • Glencore (Antapaccay

Os interesses dos Estados Unidos

[caption id="attachment_ 7509" align="alignleft" width="240"] General Laura Richardson, chefe de Comando Sul dos Estados Unidos. Foto: Embaixada e Consulado dos Estados Unidos no Equador[/caption]

Em 19 de janeiro, a chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, a general de quatro estrelas Laura Richardson, declarou no Conselho do Atlântico que a América Latina é importante para seu país por sua riqueza mineral:

“Com todos os seus ricos recursos e elementos de terras raras, você tem o triângulo do lítio, que hoje é necessário para a tecnologia. 60% do lítio do mundo está no triângulo do lítio: Argentina, Bolívia e Chile”.

A chefe do Comando Sul dos Estados Unidos incluiu em seu inventário as reservas de petróleo descobertas frente à Guiana, bem como o petróleo, o cobre e o ouro da Venezuela. Também, à floresta amazônica que tem – segundo suas palavras – 31 % da água doce do mundo.

A ligação peruana

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, é o principal promotor visível da transição energética baseada na produção de energias limpas, como a solar e a eólica.

As tecnologias de transição energética precisam de metais como lítio, cobre e prata. Peru é o segundo produtor mundial de cobre e o terceiro, de prata. Lembre-se, além disso, que 98 % do seu território ainda não foi explorado pela indústria mineira.

No anterior, sume você, amável leitor, que o deposto presidente peruano Pedro Castillo tinha como propósito consultar os cidadãos de seu país se concordassem em dar à Bolívia uma saída ao mar.

Formulemos uma inferência lógica: se o governo da Bolívia – atualmente a cargo do esquerdista Luis Arce – pudesse fazer negócio com o lítio através do Oceano Pacífico, o faria com a China, não com os Estados Unidos.

O governo de Arce enviou um sinal claro a Washington em 20 de janeiro – um dia após a participação da chefia do Comando Sul dos Estados Unidos, Laura Richardson, no Conselho do Atlântico – ao autorizar que a empresa chinesa CATL BRUNP & CMOC (CNC) extraiga lítio nas regiões andinas de Oruro e Potosí.

A China, por outro lado, já tem uma presença importante na Argentina e no Chile através de empresas especializadas no processamento do lítio como Ganfeng Lithium, Tianqi Lithium e Zijin Mining.

Por que Peru?

Porque as riquezas minerais do país sul-americano interessam tanto a Washington como a Pequim.

O Peru é vítima da desestabilização não só pelas ambições das facções internas, mas porque interesses externos querem controlar sua riqueza mineral. Os peruanos põem mortos, feridos e famílias divididas, enquanto magnatas de outras latitudes se esfregam as mãos. É uma história que se repete.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
jorge santa cruz

jorge santa cruz

Olá, meu nome é Jorge Santa Cruz, sou jornalista mexicano independente, professor universitário e consultor de comunicação. Iniciei minha carreira jornalística em 1981 e minha trajetória docente em 1991.
Tenho testemunhado como o meu país passou do domínio do partido único ao empoderamento de partidos de direita e de esquerda; também, como transitou da economia controlada pelo governo à economia de mercado. Atualmente, o governo mexicano pretende voltar ao modelo econômico socialista.
Como jornalista, vi de que forma enfraqueceu o estado de direito no México, em benefício da criminalidade organizada.
A nível internacional, partilhei informações e análises sobre - por exemplo - da tragédia de Chernobyl, a queda do muro de Berlim, a dissolução da União Soviética, o empoderamento neoliberal, as duas guerras no Iraque, as duas guerras recentes no Afeganistão e o surgimento da multipolaridade.
Tenho a vocação de aprofundar os significados das notícias para que aqueles que têm a bem ler possam, num dado momento, ampliar seus pontos de referência.

TwitterLinkedin

Visualizações: 21

Comentários