20/11/2020 - Economia e Finanças

Uma nova troca, uma nova possibilidade

Por Guido Lanzillotta

Uma nova troca, uma nova possibilidade

Por Guido Lanzillotta. Novembro de 2020.

A Argentina traz uma história econômica e política, que nos mostra por que a sociedade, em grande parte, é reacia ao mercado de capitais.

O acordo de dívida entre o governo e os credores, que recentemente se deu a conhecer, implica muito mais do que o novo valor que terão os novos títulos argentinos uma vez que começam a cotadas no mercado secundário. Em todo caso, mereceria um artigo pontual dita análise, e é fundamental poder interpretá-lo para um olhar integral.

O objectivo é concentrarmo-nos em quão importante é para um país e o seu desenvolvimento ter claro como, através do risco país e das ferramentas que o mercado de capitais nos oferece, os anos poderão ser transitados de forma eficiente.

A Argentina traz uma história econômica e política, que nos mostra por que a sociedade, em grande parte, é reacia ao mercado de capitais. Os seus ciclos contínuos de entradas e saídas a diferentes crises económicas, e a falta de unidade em políticas públicas constroem uma desconfiança conjuntural que repercute nos investidores de forma negativa. Isto é causal, em grande medida, impossibilitar um desenvolvimento de ferramentas eficientes através do mercado de capitais que possam ser úteis para as empresas, os investidores e o governo.

As prioridades da Argentina como país são bastantes. E as urgências que temos ainda mais. Nem falar se nos situamos num contexto de pandemia. Mas devemos ter (aqueles que acreditamos no papel positivo do mercado de capitais) a insistência de colocar ideias e soluções que possam contribuir no médio e longo prazo.

Embora ainda não haja negociações com o FMI, podemos antecipar a necessidade de clarificar o terreno fiscal para o futuro. Este é o fator estrutural que realmente permitirá baixar o risco país, ou pelo menos mantê-lo com uma tendência descendente.

Num mundo de liquidez excessiva e de baixas taxas, e pontualmente numa Argentina de alta emissão, não devemos perder de vista o círculo virtuoso que podemos gerar depois desta troca de dívida captando os fluxos externos e internos em instrumentos accionistas.

Saber que estarão em carteira do fundo de garantia sustentável e do BCRA uma quantidade de obrigações argentinos consideráveis, pode convidar-nos a acreditar que o estado pode ser parte disso e não apenas para mostrar poder de fogo e repercutir nas expectativas cambiais do Dólar MEP e CCL (uma solução no curto prazo), mas também para promover com mais ênfase a utilização de títulos públicos como ferramentas de trabalho.

A pergunta óbvia é quem gostaria de receber um título de dívida com tais antecedentes, atado a uma mudança nas regras de jogo permanentes. É aí que os benefícios fiscais, o endividamento acessível a projectos privados através destas obrigações e a sua utilização como meio de pagamento nas arcas estatais e privadas deveriam ser ideias que não tardem em prática.

Entender que a dívida com contrapartidas não é má, que o estado deve promover a dívida como mecanismo de investimento e auto-financiamento, e que, tanto os investidores institucionais como individuais, podem recorrer a ela (para tornar mais eficientes os seus impostos, o endividamento privado e as suas poupanças) tem de ser uma premissa que se cumprirá, gerará círculos virtuosos positivos a favor da Argentina.

Se as empresas privadas premiam seus funcionários com ações da mesma empresa: Por que não podemos pensar que o poder executivo, legislativo e judicial pode através de escalas fazê-lo com seus empregados? Por que não podemos convidar as empresas e os investidores, independentemente da sua dimensão, a ter escalas predefinidas pelo governo (que não prejudicam o orçamento anual do Estado ou dos privados) para optar por pagar impostos ou substituir obrigações argentinos, com a condição de serem detentores até ao final da vida desses títulos? Por que razão não podemos pensar em mecanismos mistos de financiamento para as PME onde os bancos entregam parte em dinheiro e parte em obrigações para que as mesmas os utilizem de garantia e se financiem de forma acessível através de cauções de bolsa respeitando as quotas necessárias? São apenas algumas perguntas que me faço e que convido a pensar em voz alta.

A demanda de obrigações argentinos e sua alternativa de utilização em diferentes áreas e como contrapartida de diferentes fins vemos que pode gerar um efeito derrame positivo nos seguintes aspectos financeiros: Maior estabilidade cambial, maior absorção de pesos que não necessariamente tenham como fim sua conversão para Dólar MEP ou CCL, maior acesso a financiamento de grandes e médias empresas, maior disciplina fiscal e por ende maior cobrança, maiores recursos de financiamento para o estado, evitar depender apenas de um mercado internacional para acessar o crédito, fortalecer o mercado interno e seus mecanismos de financiamento, por mencionar algumas.

Por sua vez, vemos que, como contrapartida, será gerado um efeito derrame a nível sociedade: haverá um pacto social implícito dos intervenientes sociais que tenham em maior ou menor medida estes títulos (objectivo comum), haverá maior cultura da despesa e da poupança e o foco de atenção em emergências políticas com uma alternativa mais de financiamento, saindo assim da discussão permanente de se nos endividar com emissão monetária ou com dívida externa.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
guido lanzillotta

Guido Lanzillotta

Eu recebi de Lic. Administração de Empresas na UCA. Em paralelo, curse uma diplomatura no mercado de capitais na UCEMA e programas executivos de finanças no Instituto Argentino de Mercado de Capitales (IAMC).
Atualmente, sou Diretor Executivo de Assur Capital, uma empresa com investimentos próprios no âmbito da bolsa, dedicada também a fornecer consultoria e serviços financeiros a pessoas físicas e jurídicas.
Anteriormente ocupei postos administrativos e gerenciais em áreas de back office, tesouraria e mesa de operações da empresa por mais de 10 anos.
Em 2020, encabeçai a lista para a Assembleia Geral Ordinária da Bolsa de Comércio de Buenos Aires como candidato a Primeiro Conselheiro Suplente, sendo atualmente Conselheiro Titular e Coordenador da Bolsa Jovem e sua representação no J6 (grupo de jovens membros das câmaras que integram o G6).

Visualizações: 0

Comentários