08/05/2023 - Entretenimento e Bem-estar

A 50 anos de “Aladdin Sane”

Por milagros orcellet

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

Ano 1973, passa o mês de abril. Elvis Presley protagoniza "Aloha from Hawaiiz", Queen assina seu primeiro contrato discográfico e a NASA estadunidense lança a nave espacial Pioneer 11. Enquanto Pioneer 11 se aventurava para além dos limites conhecidos do sistema solar, Ziggy Stardust estava aqui na terra e acimaria um “land insane”: os Estados Unidos.

Aladdin Sane é o sexto álbum de estúdio de David Bowie. A maioria das canções foram compostas durante seu “Ziggy Stardust Tour”, já com a pressão que implicava o sucesso que tinham tido de seus trabalhos anteriores. O disco apresenta uma mistura ecléctica de estilos musicais, desde o glam rock até o jazz, o rock progressivo e incorporações de música eletrônica; incluindo canções icônicas como "The Jean Genie", "Panic in Detroit" e a canção que dá nome ao álbum, "Aladdin Sane".

O desenvolvimento de uma personagem pré-existente

Sendo "Aladdin Sane" mais do que um personagem em si mesmo, é uma evolução tanto estética como conceitual de Ziggy Stardust. Gerar impacto e identidade quando seu disco anterior é "The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars" não deve ser fácil. As expectativas eram altas e difíceis de alcançar.

No entanto, já tendo sido consagrado, era uma figura com a qual todos queriam trabalhar. Todos queriam trazer seu pincelado à tela. Assim, a estética vanguardista deste álbum é resultado da intervenção de várias pessoas, e começou a se desenvolver bastante tempo antes que o disco veja a luz.

Em 1973, o cabelo era ainda o principal campo de batalha entre jovens e adultos. Embora o corte fosse bastante similar ao de Rod Stewart, se apropriaria do completamente tingê-lo de um vermelho antinatural que seria pelo menos "lamativo":

"Eu achei a cor mais dinâmica, então quis tê-lo o mais rapidamente possível. Lembro-me que era o vermelho de Schwarzkopf. Eu tive que acostumar às sessões de secador e a essa horrorosa primeira mão de laca", contou Bowie em uma releitura de sua obra em 1993.

A ideia tinha obtido do estilismo de uma das modelos do designer Kansai Yamamoto. "Era uma peruca de homem, tradicional no kabuki". Sem saber, era o princípio de uma relação com Kansai que duraria décadas e definiria em grande parte a estética "Aladdin Sane".

"A primeira vez que vi Bowie em pessoa foi em Nova York. Durante a turnê de Aladdin Sane, em 1973. Aterricé no JFK e fui em limusina direto ao Radio City Hall. Quando me sentei, em primeira fila, o concerto estava prestes a começar. Nunca tinha visto nada igual. Bowie baixou do teto subido a uma bola de espelhos de discoteca. Levava o mítico macaco de listras. Dois participantes, vestidos de preto, se aproximaram dele e tiraram do traje. Abaixo apareceu outro dos meus desenhos. As pessoas ficaram em pé. Estavam tocando os primeiros acordes do Space Oddity quando me começaram a cair as lágrimas de emoção"
[caption id="attachment_9382" align="aligncenter" width="620"]Kansai Yamamoto y David Bowie. Yamamoto criou trajes extravagantes e teatrais que refletiam a estética da época glam rock.[/caption]

Kansai Yamamoto y David Bowie.Kansai Yamamoto foi uma figura importante no movimento da moda japonesa dos anos 70. Sua popularidade chegou quando se apresentou na Semana da Moda de Londres de 1971, sendo o primeiro modista japonês em exibir ali suas criações chamou a atenção de Bowie. Desde o início, os desenhos do artista japonês ultrapassavam o gênero, conceito que Aladdin Sane também compratia. O estilo andrógino e extravagante de Bowie neste álbum e em sua turnê de apoio foi moldado com a ajuda de Yamamoto, que design sete diferentes outfits exclusivos para a turnê.

A Capa

A capa do álbum "Aladdin Sane" de David Bowie é uma das mais icônicas na história da música. A imagem apresenta Bowie com um raio vermelho e azul pintado sobre seu olho direito. Com seu cabelo laranja rojizo tem sido objeto de numerosas interpretações e referências ao longo dos anos.

A imagem foi criada pelo fotógrafo britânico Brian Duffy, que tinha trabalhado anteriormente com Bowie em sua sessão de fotos de 1972, que se tornou a capa de "Ziggy Stardust". Bowie pediu a Duffy para criar algo semelhante para "Aladdin Sane", mas com um toque diferente.

Duffy decidiu que queria fazer algo mais gráfico e artístico do que simplesmente tirar uma fotografia de Bowie.

A sessão de fotos ocorreu no estudo de Duffy em Londres, e a capa foi criada usando uma técnica de dupla exposição. Duffy fotografou Bowie em várias poses diferentes, e depois superpôs as imagens para criar a imagem final. O processo de criação da capa tomou várias horas.

Segundo o filho de Brian Duffy, Chris (que tinha acompanhado seu pai naquele dia ao estúdio) a ideia do raio sobre o olho de Bowie veio do logo de uma panela arrocera na cozinha do lugar.

"No estudo tínhamos uma espécie de mesa de maquiagem móvel com espelhos e rodas. Lembro-me de David sentado em frente a isso com Pierre Laroche, e obviamente haviam falado sobre usar esse raio... Bem, Pierre começou a aplicar o que se via como um rayito na face de David e quando Duffy o viu, disse: "Não, não, que diabos fazem, assim". Literalmente o desenhou na cara e disse a Pierre: ‘Agora, rellénalo’... Na verdade, foi Duffy quem fez a forma inicial, não estou dizendo que ele mesmo o maquillou. Depois, Pierre tomou cerca de uma hora para o terminar corretamente. O destelo vermelho se via tão brilhante porque na verdade era batom".

O Som

Algo fragmentado, a narrativa e mistura de diferentes gêneros o tornam ecléctico e difícil de seguir à primeira escuta. O som do disco era bastante mais pesado e energético do que o seu antecessor, desenvolvendo um conceito com o qual já venia trabalhando, mas com um objetivo muito mais vanguardista. "Watch That Man" (Canção que abre o álbum), "Cracked Actor", "Panic in Detroit" e "The Jean Genie" refletem o espírito dos 70. Na ultimas duas participa Mick Ronson (Mott the Hoople e The Spiders from Mars) como guitarrista principal, que foi também o arrumador da maioria das canções do álbum.

Outro colaborador chave no álbum foi Mike Garson (Nine Inch Nails, Billy Corgan e The Smashing Pumpkins), pianista e tecladista cujo estilo de piano se tornou parte integrante do som de Bowie na década de 1970. Sua contribuição mais destacada no álbum é seu único piano na canção "Aladdin Sane".

Por último, não qualquer um pode dar o luxo de versionar uma canção dos Rolling Stone, e ainda mais, colocar Mick Jagger a fazer coros, mas Bowie os teve em "Let's Spend the Night Together".

Apesar de ter sido lançado há mais de meio século, o álbum continua vigente e modelo de influência. Por seu 50o aniversário, uma reedição espacial foi lançada com um conjunto de faixas adicionais que incluem versões inéditas e misturas alternativas de algumas das canções mais icônicas do álbum. Com seu estilo vanguardista e ecléctico de diferentes gêneros e estilos, "Aladdin Sane" continua sendo um marco na carreira de Bowie e um clássico atemporal.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
milagros orcellet

milagros orcellet

Olá! Meu nome é Milagros Orcellet, estudante de Arquitetura, Design e Urbanismo. Escrevi sobre moda, música e design, minhas áreas de maior interesse e conhecimento. Eu gosto de me considerar baixista amador. Podem encontrar meus artigos na seção de "Entretenimento e bem-estar".

Visualizações: 13

Comentários