17/01/2024 - Entretenimento e Bem-estar

Coquette Aesthetic: Por que vemos laços em todas as redes?

Por Ann Gabriela Rivas

Imagen de portada
Imagen de portada

La gene z no início desta década popularizou o termo “aesthetic”. Esta palavra tem suas raízes na filosofia grega. A “estética” nesta área estuda a beleza formal e os sentimentos que desperta no ser humano, investigando o belo de um ponto de vista teórico.

Atualmente, vemos o “aesthetic” como nichos de conteúdo que se deslocam para diferentes áreas da vida como a moda, decoração, gostos musicais, entre outros. Não é um estilo de moda em particular, mas este fenômeno certamente influenciou a indústria. Com o acesso à informação hoje, É comum ver um novo aesthetic quase todos os dias. Existem alguns muito específicos e outros mais universais.Um dos aesthetics mais virais do ano passado, e que prevê seguir em 2024, é o coquette aesthetic. Embora pareça algo que “vém do nada”, tem sido um aesthetic que tem escalado durante anos e que teve seu “big-break” recentemente. Hoje vou te explicar.

Coquette

Este aesthetic Caracteriza-se por utilizar elementos tradicionalmente “femeninos”. Laços, rosa, mini saias, cores bolos, padrões florescidos e o romântico. Aqui se idealiza aquilo relacionado à feminidade, tomando inspiração na era de Regência (1811-1820) e a Vitóriana (1837-1901) e o uso de tendências dos anos 2000s.

Seus grandes representantes constituem nomes como Lana del Rey (cantante), Lily Rose Depp (actriz), Sofia Coppola (cineasta), Vivianne Westwood (casa de moda). Guiam de marcas como Dior, Chanel, Ralph Lauren ou Tommy Hilfiger, e utilizam elementos do mundo ballet (como as meias).

Vogue, em 2022, assinala que este aesthetic “se converte em algo performativo, construído (...) qualquer pessoa, de qualquer idade, raça, sexualidade e gênero pode fazer parte desse fenômeno que se nega a sexualizar a inocência”. A apontar também uma parte de escapismo dentro da tendência, onde se abraçam esses elementos “num momento em que tudo o que fazemos deve ser produtivo”.

Anos em ascensão

Em uma sociedade onde o conteúdo é quase imediato, nos encontramos dentro de uma ida e vinda de tendências, especialmente durante os últimos 4 anos com a popularização de Tiktok. O coquette tem suas raízes no estilo associado ao Lolita (filme e romance) e ao Tumblr/Pale Soft Grunge dos 2010s.

No entanto, esta é uma tendência que começa a se tornar visível em 2021, dentro de uma sociedade redescubrando-se numa pandemia, onde quase não se podia sair, e retomamos nossa atenção a livros e filmes passados. As meninas, que são quem consome mais este aesthetic, viraram sua vista às rom-coms, romances de romance (como as de Jane Austen), séries como Gilmore Girls ou Bridgerton, e filmes como Mulhercitas Greta Gerwig, vendo este material como um refúgio e Um convite para se repensar como a mulher vê-se na sociedade, sua autonomia na narrativa de sua própria história.Para a Fashion Editor, Alexa Lores (2022), O coquette é um refúgio onde os atos cotidianos se tornam o que dá sentido às nossas vidas.

Laços em todas as redes.

Em 2022, Valentino (casa de moda) realizou uma coleção presagiando a cor rosa em 2023, os laços Viram-se em desfiles de alta costura há vários. O que acontece e o que se mostra no mais alto da indústria é um reflexo do que ocorre na sociedade. São tomadas situações e fenômenos transferindo-os para roupas que serão distribuídas por sua vez em diferentes tendências aceitas pelo público (um ciclo muito bem explicado no filme “O Diabo Viste à Moda”).

Ver mulheres e meninas usando laços é o reflexo de uma longa internalização do que consumimos. El 2023 caracterizou-se pela chegada de muitas tendências femininas associadas a eventos como “Barbie" de Greta Gerwig. Esses laços representam anos das mulheres fazendo paces com aquilo que as representa e tem sido ridicularizado. É o produto de começar a criar um espaço dentro de nossa própria perspectiva.

Obviamente, este aesthetic tem seus problemas (como gerar sentimento de exclusão, de acordo com a criadora de conteúdo Dion The Taurus), no entanto, lAs gerações atuais estão mais conscientes desses aspectos e têm a abertura para resolvê-los. Em 2024, continuaremos vendo o desenvolvimento do coquette na sociedade assim como a resposta da mesma a ele.

Relacionado:

https://storage.googleapis.com/finguru_static/diuz1e_589e01ffef/diuz1e_589e01ffef.html/

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
ann gabriela

Ann Gabriela Rivas

Olá! Meu nome é Corany, embora mais me conheçam como “Ann”. Sou estudante de Comunicação Social ao mesmo tempo que trabalho como Community Manager e Copywriter. Sou apaixonada pelo cinema, moda e fazer vlogs, atualmente junto às minhas três paixões em redes sociais onde faço análise desses temas (@byanngabriela em ig). Convido-te a ler os meus artigos em “entretenimento e bem-estar” onde cobrirei estas artes.

Linkedin

Visualizações: 11

Comentários