26/07/2023 - Entretenimento e Bem-estar

Fare uma passeggiata: sentido, lentidão e graça

Por Ethel Rosso

Fare uma passeggiata: sentido, lentidão e graça

Deambular sem rumo, sair a caminhar "por aí" e "porque sim", implica muito mais do que dar um simples passeio. Dizemos por partes, então, a matemática existencial da lentidão, a incerteza do não-sentido e a contemplação da arte mais estranha: a graça. Como analisar tantas coisas? Partindo de um belo conceito italiano: fare uma passeggiata.

Fare uma passeggiata

Conta a lenda que em Königsberg (hoje Kaliningrado) os cidadãos ajustavam a hora do seu relógio em função dos passeios do metódico Immanuel Kant (sim, o do "imperativo categórico" e não sei quanto), que saía a caminhar todos os dias à mesma hora, sempre pontual e sem exceções. Na verdade, tinham tanta confiança que, caso as suas agulhas marcasem que este senhor tinha saído mais tarde, atribuíam a causa a relógios atrasados. Mas viajemos agora para outro lado. Em Londres, um homem persegue, até a obsessão, um idoso decrépito entre a multidão, segundo o relato de Poe. Por que o faz? Bem, porque a sua caminhada não faz um sentido particular. E um destino mais. Em Arlés, de noite e à beira do rio Ródano, um casal de amantes se passea contemplando as luzes das estrelas e dos edifícios em uma pintura de Van Gogh.- Sim.Acaso são estes personagens os protagonistas? Ou é a ação de passear, mais bem, o meolho do assunto nesses casos?
Caminhar por caminhar e sem um destino aparente. Deambular? O que é importante? Bem, recentemente encontrei-me com um conceito que pode dar-nos uma pontapé para pensar:"Fare uma passeggiata", o ritual noturno dos italianos consistente em dar um passeio após o jantar, preferencialmente em companhia de alguém mais. "Passeggiata", passear, o ato de ir mais lento (e mais atento, mais curioso) que o que vai de um lugar para outro. E para quê? Bem, a este costume são atribuídos todos os tipos de benefícios, desde perder peso até dormir melhor. E no entanto, "fare uma passeggiata" não se esgota em seu positivo impacto na saúde de quem a leva a cabo, trata-se de um ritual que vai muito além (e menos mal). Continuemos, digo, vamos parar, à passeggiata, esta palavra que além de soar bem é mais interessante do que parece.

Sentido

Primeiro, o sentido. Quando eu investiguei sobre este hábito no Google, notei que as pessoas reduzam-no às suas consequências, o que se chama "o segredo italiano" para baixar o jantar, "o as sob a manga" para ser mais saudável. E o que acontece com o durante? Porque digo, para além da projecção futura, o presente tem que ter algum peso. Por que será que nos custa tanto desfrutar dos durantes? Por que não podemos viver sem sentir a necessidade de encontrar um sentido particular? Sim, claro que dar um passeio limpo a mente e reduz o estresse, mas seu sentido não é meramente esse. Na verdade, para o provar, vamos fazer uma mistura de línguas neste caso necessário. Em francês se conhece como flâneurs às pessoas que caminham por aí sem um rumo aparente, com nenhuma outra intenção mais que a de perder o tempo. Se tivermos em conta que geralmente as pessoas pela rua estão dirigindo-se a um destino particular, o flâneur é uma espécie de personagem camuflado entre a multidão que, embora se mistura, de alguma maneira observa de fora ao mesmo tempo. Vendria a ser como um "ser parte de" enquanto se está "além de"; de fato, em meio a minha curta mas entretenida pesquisa sobre esses passeios baseados em nada, encontrei-me com uma excelente maneira de descrever a flânerie: para Honoré de Balzac (um romancista francês) trata-se de "gastronmia para os olhos". Claro que poderíamos dizer que "observar" é um possível sentido e que, em todo caso, um simples passeio pode derivar em uma análise sociológica. No entanto, acho que com "gastronmia" Balzac está se referindo a outra coisa, sobretudo considerando que o "não ter rumo" pode até ir além da falta de locação geográfica, tratando-se então de uma falta de "rumbo" no sentido de, justamente e valga a redundância, a falta de sentido determinado-cerrado.

Lentitude

O segundo, a lentidão. Nos filmes românticos há sempre uma passeggiata noturna e, na maioria das vezes, parece que os personagens gostariam de esticar o momento para o desfrutar ainda mais. Há até um romance de Milan Kundera que associa a lentidão à memória em uma espécie de "matemática existencial" que afirma, em suas palavras, que"o grau de lentidão é diretamente proporcional à intensidade da memória; o grau de velocidade é diretamente proporcional à intensidade do esquecimento".Com efeito, e se de passear se trata, o flânerie, o que deambula, que realiza uma passeggiata (de repente se misturam todas as línguas), não está preocupado com a velocidade porque não tem um destino fixo nem um horário para cimar lá. Não tem nada e, paradoxalmente, tem todo o tempo do mundo, pelo menos durante o seu passeio (porque a noite pertence aos amantes, dizia Patti Smith). Lentitude. Tempo para a conversa e observação em meio a um trajeto, passeggiatas às vezes mais relembravelmente do que os destinos dos quais partíamos e aqueles para os que nos dirigiamos.

Graça

O terceiro, a graça. Dar "uma passeggiata por aí" implica não saber exatamente com o que se vai encontrar e, no entanto, sentir a necessidade de fazê-lo de todas as formas e porque sim. Claro, se respeitamos o hábito italiano de fazê-lo depois do jantar, provavelmente o passeio é decore com estrelas e luzes, e bem sabemos que as noites trazem certa quota de misticismo ao que acontece. Mas a decoração não é a graça e a graça tem que ser outra coisa. Na minha opinião, talvez se trate de abrir uma espécie de espaço ou "brecha" dentro do que parece já fechado: os destinos, as ruas, as velocidades em automático. Nada do fechado é pertinente em uma passeggiata, o que importa é mais bem o desenvolvimento, o que se desenvolve, o prolongamento de um momento. Os resultados da passeggiata (diminuição da ansiedade, aceleração do metabolismo, uma mente limpa) são meras consequências, mas não o fim: a graça, justamente, é que a passeggiata não é um meio para um fim, mas sim o fim em si mesmo. Isso e nada mais, isto porque sim. Não há que reduzir o mistério das coisas às suas consequências, ninguém se importa para onde estamos indo exatamente neste passeio e, apesar disso, que agradável seria fazer um quadra mais, dois quarteirões mais, para prolongar este momento lento e sem sentido.

E esta noite? O que vão fazer depois de jantar?

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
ethel rosso

Ethel Rosso

Olá, meu nome é Ethel, sou licenciada em Psicologia e sou apaixonada pela filosofia. Escrevi semanalmente no meu blog, tetejpg.blogspot.com, onde explorou as perguntas que me vão surgindo, no desejo de criar novas ideias.

Visualizações: 2

Comentários