13/01/2023 - Entretenimento e Bem-estar

Ser voluntária no Qatar

Por guadalupe camurati

Imagen de portada
Imagen de portada

O recrutamento

Em março de 2022 me anotei como voluntária da FIFA para ser parte desta aventura sabendo o que significava ir a um país com a cultura do Qatar. De cinco mil voluntários internacionais selecionados, fui uma delas.

Perante todos os preconceitos que o mundo inteiro punha sobre o país que ia ser anfitrião da Copa do Mundo (e meus próprios) pude confirmar tanto muitas coisas positivas como negativas.

Distâncias impossíveis

O primeiro desafio o apresentaram as distâncias. É de público conhecimento que este mundo quebrou os esquemas ao conseguir realizar o torneio no menor espaço possível. Até foi o primeiro a dar a possibilidade de ver dois partidos num dia... e se punhas muita vontade, mesmo três. Apesar desta facilidade ou tentativa de aproximação, não foi tão simples. Como voluntária, hospedei-me num estabelecimento construído especialmente para o mundo, chamado “Barwa Barahat Al Janoub” localizado a duas horas do centro de Doha. Não apenas a duas horas do centro, mas também a duas horas do meu trabalho e dos estádios. Isso fez com que seja muito desgastante e pouco motivador querer ir visitar o centro, trabalhar ou até fazer pequenos planos como ir jantar de noite. Vou admitir que as últimas duas semanas comecei a usar a Uber para me transferir, para poupar tempo e vontade, dando-lhe mais proveito à experiência. O famoso Barwa – também conhecido como “A Cárcel” “O Barwargento” – era o lugar onde, junto aos voluntários, se hospedavam os torcedores de todos os lados do mundo: em sua maioria, argentinos. Aos 86 dólares da noite, o quarto de duas camas fazia o seu preço para metade se você compartilhasse com alguém. Os voluntários internacionais estávamos todos hospedados gratuitamente.

Falta de organização

Embora o ingresso e egresso de espectadores não fosse um problema nos estádios, a frustração vinha ao querer obter ingressos. Durante todo o torneio a página oficial representou um desafio, especialmente para jogos tão solicitados quanto os da Argentina. A maioria terminava então comprando tickets de revenda umas horas antes de começar o jogo.

Quanto à organização do programa de voluntários, honestamente senti que foi tudo muito no ar e falto muito aí. Isso não tira que a minha experiência tenha sido incrível e que voltaria a fazer outra vez. Tanto o país como as pessoas da FIFA “vendiam” ao público a ideia de que o voluntário Era o coração do mundo, o motor indispensável para que tudo funcione. Sendo isso completamente verdade, com muitas áreas que dependeram estritamente de nós, não nos sentimos sempre desta maneira.

Algumas coisas positivas

Para começar pelo positivo, devo dizer que nos deu um uniforme super completo desenhado pela Adidas. Todos os dias, ao chegar a cumprir o seu “shift”, ou seja, o seu turno de trabalho, recebiam-no com algum que outro presente. Cada voluntário deu-se uma entrada para assistir como espectador a um partido (cabe esclarecer que este não podia ser escolhido, e não concordo com o país natal de cada um). Com alojamento longe, mas grátis, comida de buffet incluída em cada turno de trabalho e o pequeno-almoço repartido todas as manhãs, as despesas essenciais estavam bastante cobertas. Remover a passagem de avião, as primeiras duas semanas não gaste nem 100 dólares. Ao finalizar todos os turnos de trabalho necessários, o presente final era um Smart Watch e umas moedas douradas oficiais da FIFA.

Outros não tanto

Quanto ao negativo, como mencionava, as quatro horas de viagem gastas em ir e voltar de trabalhar desgastavam muito, somado às 8 horas aproximadamente que durava cada turno de trabalho. Dependendo de onde você vai tocar, você poderia estar todo o dia fazendo nada ou todo o dia mexendo-te. O melhor trabalho era ter um papel em um estádio, tendo que cumprir apenas sete turnos de trabalho em todo o Mundial e podendo ver os jogos grátis – mesmo a possibilidade de estar perto dos jogadores ou na mismíssima quadra. À medida que as instalações se deixavam de usar, os voluntários se deslocavam – terminando muitos deles trabalhando no Lusail (o famoso estádio onde argentina, suco a maioria de seus partidos e a mismíssima final do mundo). Outros trabalhos, em vez disso, implicavam estar todo o dia parado indicando às pessoas o lugar onde tinha que seguir caminhando, como acontecia no Fan Festival e alguns hotéis. No meu caso pontual, eu cobria o "Main Media Operations Center". Atuando como escritório para fotógrafos e jornalistas, a quem entregávamos acreditações e merchandising, ali ocorriam as conferências de imprensa de cada país. Neste espaço, os voluntários nos tocavam cumprir com o dobro de turnos de trabalho que as pessoas que trabalhavam em estágios, ou seja, 14 turnos, nos quais muitos deles era passar horas sentada em um desktop sem nada que fazer. Foi muito frustrante ter viajado tão longe, esperando ser parte de algo único e estar tantas horas fazendo nada.

Para minha surpresa, detalhes simples como a entrada no Museu Nacional do Qatar e outros lugares culturais não se tornou gratuita, mas tudo o contrário. Diante do elevado preço de admissão, muitos optamos por saltear-nos essas atividades. O transporte, em vez disso, se era gratuito. Isso significou que os volumes de gente utilizando isso geravam filas entre 30 e 60 minutos para acessar. Os voluntários não contávamos com prioridade, pelo que não restava mais do que nos armar de paciência após as oito horas de trabalho. Ainda mais surpreendente foi não receber ingressos gratuitos para os partidos de nossos próprios países.

Ser mulher no Qatar

Quanto a ser mulher no Qatar, ir a este país ia contra toda a minha moral realmente. Antes de partir, nos haviam preenchido a cabeça de tudo o que não íamos poder fazer lá, como vestir-nos “descobertas”, ou abraçar-nos, tomar álcool, entre outras coisas – no entanto, ao chegar nos encontramos com uma realidade completamente diferente, sem qualquer restrição. Isso não tira o desconforto que vivi em inúmeras ocasiões. A cultura árabe costuma ir em grupo, algo intimidante ao passar perto e sentir a penetrante visão alheia, fixa em cada uma de nós. Não podia evitar pensar nesta mesma situação, no meu país, como não acontece e se chegar a acontecer, tomaria ação rapidamente como acudir a um policial, meter-me num local ou correr porque já todos sabemos o que significa. Para se juntar ao desconforto, era um desafio caminhar pela rua sem que se aproximasse alguém a pedir seu número ou redes sociais. Em espaços concorridos, me tocou viver situações onde me tocaram partes do corpo sem consentimento. Tudo isso gerava um contraste com a “caballerosidade” que nos apresentava, tratando-nos ocasionalmente como rainhas. “Eu pedi isso, você tem” era a ideologia que aplicava para nós. Vale lembrar que a quantidade de mulheres no país é reduzida em relação à população masculina.

No pessoal fui com a impressão de um país que, ao ser tão rico economicamente, pôs o foco na demonstração do luxo e da inovadora arquitetura sobre a difusão dos seus costumes e identidade. Com uma mentalidade talvez demasiado estruturada, aplicou-se a estratégia de “regalar o material” para ganhar a sua aceitação, para gerar um intercâmbio mais pessoal, deixar entrever a essência do Qatarí – o que, para mim, é o que atrai e deixa a memória de um país.

O foco pontualmente nos voluntários internacionais poderia ter sido mais claro e considerado, pois fomos nós que voltamos aos nossos países contando a experiência. Até a etapa anterior à viagem, de preparação e seleção online, foi pouco clara. Estamos constantemente tentando adivinhar respostas a perguntas irresueltas, sendo a comunicação com a organização muito limitada durante o processo.

Desde ele fora, saiu tudo muito melhor do que até eles mesmos esperavam. E provavelmente se destaque por sobre outros países que foram ou serão anfitriões.

A minha conclusão

Apesar de todas as coisas que muitos de nós como voluntários não nos fecharam, foi uma excelente experiência. Embora não escolheria voltar ao Catar de visita, encontrando muitos choques com a cultura local, eu levo todo um grupo internacional de pessoas que conheci e fez única a viagem. Ser parte desta experiência tanto como voluntária e como incha é algo que nunca vou esquecer, onde não só vi meu próprio país ganhar, mas também Messi levantar a copa do mundo, rapazes.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
guadalupe camurati

guadalupe camurati

Desenhador gráfico, podcast e criador de conteúdo. Em 2020, fiz a tese sobre o prazer feminino e, desde então, acho conteúdo sobre educação sexual em redes. Recentemente comecei um podcast chamado "O ponto G".

Linkedin

Visualizações: 5

Comentários