08/04/2024 - Política e Sociedade

Atacar o problema, não a solução

Por

Atacar o problema, não a solução

Pobreza na Argentina: 57,4 por cento

O Observatorio de la Deuda Social Argentina, que faz parte da Universidade Católica Argentina, efectuou uma estimativa da pobreza, considerando as variações reais dos salários e as alterações nos rendimentos e nos programas de transferência de dinheiro. De acordo com esta análise, a taxa de pobreza situa-se nos 57,4 por cento, enquanto a indigência atinge os 15 por cento em janeiro de 2023. Estes números representam aumentos significativos em relação às estimativas do ano anterior de 44% e 9%, respetivamente.

No entanto, este número poderá ser superior à próxima medição do INDEC devido à utilização de diferentes critérios e indicadores, como tem acontecido nos últimos anos. As principais diferenças entre as medições do INDEC e do ODSA residem na maior amostragem do INDEC (25.000 agregados familiares, em comparação com 6.000 para o ODSA) e nos indicadores utilizados, sendo que o Observatório se caracteriza pelo seu espetro dimensional, que abrange o acesso à saúde, ao emprego, aos serviços básicos e a uma habitação condigna. Por sua vez, ambos baseiam os seus estudos no estabelecimento do valor monetário, no caso do INDEC, do cabaz alimentar básico (EPH) e, no caso do ODSA, de um cabaz combinado com o índice de preços dos alimentos no consumidor (EDSA).

No entanto, quando olhamos para o último elemento de análise para a construção dos dados da pobreza - o elemento monetário - vemos que há uma questão que não deve ser negligenciada: o congelamento dos preços. Os preços são compostos de informação e fornecem informação: são determinados pela oferta do produto existente e pela procura do mesmo. Se o inquérito estiver ancorado num índice de preços que sofre de intervenção estatal, políticas de subsídios, diferenças cambiais e inflação desfasada, mostrará um número de pobreza distorcido igual à distorção no sistema de preços. Na realidade, a diferença entre o preço real das coisas e o preço ao consumidor seria preenchida pelo Estado.

Distorções no sistema de preços

Começando pela diferença entre o dólar oficial e o dólar paralelo, o atual governo herdou uma diferença de 160% entre os dois preços. Esta situação impedia o funcionamento normal da economia e o diagnóstico foi aceite por uma grande parte do espetro ideológico: quem quer que assumisse o cargo tinha de acabar com o fosso, cujos danos tinham um impacto direto nas reservas e na liquidação das exportações. No entanto, a desvalorização levada a cabo pelo Ministro da Economia, Luis Caputo (de $366,45 para $800 por dólar) foi alvo de ataques de vários quadrantes, aos quais vale a pena perguntar se o erro é a desvalorização em si, ou as condições que levaram à subida do dólar paralelo, entre elas, a questão monetária.

Por si só, a desvalorização da moeda afeta o sistema de preços, pois o preço do dólar tem impacto direto nos insumos de todos os setores, do café às grandes máquinas. Esta é uma primeira grande distorção em termos de medição da pobreza.

Mas o problema não acaba aqui. Em 10 de dezembro de 2023, o atraso dos pré-pagamentos em relação à inflação geral era de 28,8%, e um atraso de quase 40% em relação aos preços dos equipamentos de saúde e dos medicamentos (Invecq com base no INDEC). Por outro lado, os preços da energia também estavam abaixo da inflação, devido ao intervencionismo estatal: apresentavam um atraso de 65% em relação à inflação no período 2019-2023. No sector dos transportes, a partir de janeiro de 2024, a tarifa mínima de autocarro ($77) estava 36% atrasada em termos reais, em comparação com o mesmo preço em janeiro de 2023 (CPI - INDEC). Na área da eletricidade, podemos observar um custo na tarifa por MWh de 30 USD, enquanto em 2022 custava 90 USD/MWh; a diferença foi coberta por subsídios e congelamento de tarifas, representando quase 1,5% do PIB (CEFIP - CAMMESA).

Emissão monetária

As consequências da emissão monetária sem suporte traduzem-se principalmente no aumento generalizado dos preços e na desvalorização da moeda. No nosso país, estamos a falar de um aumento progressivo da emissão sem suporte desde a revogação da Lei de Responsabilidade Fiscal (2004-2009). Em percentagens do PIB, o governo CFK I emitiu para financiar défices fiscais e quase fiscais em cerca de 2 pontos do PIB, o seu segundo mandato em 4 pontos, Mauricio Macri voltou a 2% e o governo Alberto Fernández levou-o, na pandemia e depois em 2023, a mais de 11% do PIB (OJF & Asociados com base no BCRA).

Portanto, estávamos diante de um modelo que trocava congelamento de preços e distorções por dívida fiscal, cujo diferencial entre os preços reais e os preços ao consumidor era sustentado pelo Estado, embora, na realidade, pela própria sociedade por meio da inflação e da depreciação de sua moeda.

Por outro lado, simulações do Observatorio de la Deuda Social (UCA) mostraram, no final de 2023, que se o apoio do Estado através de transferências (chamadas AUH, o cartão Alimentar, entre outras) aos sectores mais vulneráveis tivesse sido cancelado, a indigência, nessa altura, teria subido para 20% e a pobreza teria atingido 49% da população.

A nova política monetária

O cenário era propício à ascensão de Milei: um discurso de ortodoxia económico-fiscal, de redução da despesa pública e de encolhimento do Estado, combinado com ataques discursivos à liderança política.

Nos primeiros meses do seu mandato, não só foram liberalizados vários preços e diminuída a diferença do dólar, como também foram eliminados os subsídios, com anúncios de novas eliminações no futuro. Sectores como os transportes e a energia sofreram aumentos contidos. Simultaneamente, foi anunciado um projeto de lei que penaliza a emissão monetária para financiar o Tesouro, tendo sido alcançado um excedente no primeiro mês da administração.

É evidente que o governo tem as suas imperfeições, mas não será a estabilidade macroeconómica, a curto e sobretudo a longo prazo, a melhor forma de erradicar a pobreza na Argentina?

A situação atual da Argentina não responde à falsa dicotomia entre individualismo e coletivismo. O coletivismo argentino, na medida em que não teve coerência nas suas políticas fiscais, corroeu as bases sociais sem diferenciar entre o individual e o coletivo, subsumindo todos por igual na incapacidade de imaginar e realizar projectos individuais e colectivos. A situação atual da Argentina significa simplesmente voltar a ser um país com crescimento e uma economia racional, sem inflação nem empobrecimento constante. Não é necessário mencionar os nossos vizinhos regionais, mas sim recuar alguns anos no tempo no nosso próprio país: na Argentina de 2004-2011, a Lei de Responsabilidade Fiscal promovida pelo antigo Presidente Néstor Kirchner (mais tarde revogada pela CFK I), obrigava o Executivo a manter uma certa independência do Banco Central, e limites ao financiamento do défice. Estes foram os últimos anos de inflação baixa e, como refere Agustín Salvia (ODSA-UCA) no seu artigo de opinião sobre a última medição, a deterioração começaria alguns anos mais tarde (2013-2014), com o país a enfrentar agora "o fim do ciclo de um regime económico de inflação, endividamento, empobrecimento crónico e desigualdade social".


Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários

Sou estudante de Ciências Políticas na UCA e analista de qualidade no Governo da Cidade de Buenos Aires.

TwitterLinkedinInstagram

Visualizações: 24

Comentários