10/05/2023 - Política e Sociedade

Cultura da Imagem

Por Guadalupe Camurati

Cultura da Imagem

Desde o início, a mídia desenvolveu uma cultura da imagem na qual se posicionou e idealizo o que uma mulher deveria representar. Os meios de comunicação em massa nos incutiram, através da publicidade como principal método de difusão, certos modelos e estereótipos de corpos, caras, trabalhos aos quais as mulheres devem aspirar a ser/ter/cumplir.

Os meios são componentes indispensáveis para o nosso dia a dia, sem eles não só estaríamos desinformados, mas também incomunicados. As tendências, modas, nos mantêm numa linha reta sistemática e os meios ajudam muito a que todos permaneçamos dentro deste sistema. Durante décadas o mesmo tem mostrado a figura feminina como magra, pele clara, feminina, devota ao homem, ama de casa, mãe, mulher-objeto. El papel feminino Tem sido Ancorado a esquemas tradicionais e inferiores e para transformá-la no próprio e "o devido" para uma mulher de época. Com o tempo, incluiu-se a mulher trabalhadora, a mulher liberada, mas mesmo assim, nunca se conseguiu realmente sair do estereótipo básico e mostrar à mulher real, e sobretudo a variedade de mulheres que existem: de toda classe social, raça, físico, personalidade.

O impacto da mídia nos estereótipos de gênero: Uma análise crítica

O grande problema da publicidade, da mídia, do mundo cinematográfico e da pornografia é que através dela se normalizan Algumas situações ou crenças e indiretamente um tenta cumprir para poder "pertenecer". Sua função de fundo é difundir as mensagens para que normalizemos comportamentos e modelos sociais estabelecidos. Mas, estabelecidos por quem? Pela sociedade patriarcal claro, pelo mesmo consumidor. A publicidade tem como objetivo captar a atenção rápida quem olha, se quem olha são os mesmos homens que mantêm a economia das suas casas e chegam felizmente para que sua mulher e mãe dos seus filhos lhe sirva o jantar, a pergunta seria Quem vai contradizer ou desafiar este modelo? Os homens Eles dirigem sua atenção rapidamente quando veem em suas próprias televisões, computadores e revistas, estereótipos femininos em exposição como objeto de desejo e prazer.

Com a evolução da voz feminina na sociedade, este tipo de publicidade foi opaca por hoje em dia não são tão comuns como então, mas mesmo assim a amostra de estereótipos continua a estar e a diversidade de mulheres não se consegue ver realmente. Como é que uma mulher realmente parece? Curvas, estrias, celulite, rolos, grãos, pêlos na pele, todos estes são elementos normais que compõem o corpo humano em ambos os sexos. Os censuraram desde o início para mostrar esse lado "perfeito", "saudable" e "estético" que todos devemos seguir e alcançar.

A grande porcentagem de mulheres não se sentem identificadas com modelos e estereótipos que aparecem em revistas, televisão, publicidades. Isso gera que não apenas uma mulher não se identifique com as próprias coisas que consome diariamente, mas geram inseguranças e mal-estar na própria autoestima e personalidade. Estas representações distorcidas da imagem corporal feminina podem levar as mulheres a sentirem-se insatisfeitos com o seu próprio corpo.

O impacto das imagens das redes sociais nas mulheres jovens: Um olhar mais atento à imagem corporal e às taxas de beleza

Até que ponto afetam estas imagens às jovens de hoje? As meninas que compõem as próximas gerações encontram-se expostas dia a dia (em mais de uma rede social) a este tipo de conteúdo, onde se expõem corpos extremamente hegemônicos, modelos, influenciadores, famosos, entre outros. Perfis constantes de uma vida e forma que queremos ter, ou que devemos querer ter. Esses estereótipos fazem sentir inferiores ao seu público e preenchem de inseguranças a muitas pessoas, dando-lhes a entender e normalizar que certas práticas como, por exemplo, a depilação definitiva do cabelo de todo o corpo é necessária para ser bela e limpa. É de fundamental importância escolher o que consumimos e incluir contas body positive, inclusive aquelas que mostrem o esporte de um lado saudável e motivador e não do lugar de “chegar a estar flaca”.

Eu recomendo-lhes ler o livro “Bellas para morrer” de Esther Pineda.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
guadalupe camurati

Guadalupe Camurati

Desenhador gráfico, podcast e criador de conteúdo. Em 2020, fiz a tese sobre o prazer feminino e, desde então, acho conteúdo sobre educação sexual em redes. Recentemente comecei um podcast chamado "O ponto G".

Linkedin

Visualizações: 1

Comentários