12/01/2024 - Política e Sociedade

De plurinominal a uninominal, o que significa?

Por Valentín Olavarría

De plurinominal a uninominal, o que significa?

Escrito por Julián Mendivil e Valentim OlavarríaAs reformas estruturais que o projeto de lei de ônibus representa não só contêm uma visão econômica, mas também política da situação argentina. Um dos casos é a implementação das circunscrições uninominais para as eleições a deputados nacionais.

O que são as circunscrições uninominais?

Uma circunscrição é uma divisão de um território para fins eleitorais, ou seja, um território delimitado onde se vão escolher representantes. Por ende, uma circunscrição uninominal é uma divisão territorial onde se escolhe um só representante. O número de circunscrições é geralmente associado à quantidade de população, onde se busca que mais ou menos, todas as circunscrições tenham um número semelhante de eleitores no seu interior.Agora, a fórmula para escolher esse único representante são múltiplas, mas nós nos focamos na que encontramos na nova Lei Ómnibus, a fórmula chamada “first-past-the-post” ou simples maioria, onde o candidato mais votado fica com a banca.Sua contracara é a circunscrição plurinominal, onde nessa divisão se elegerão dois ou mais representantes; é o sistema atual que rege na Argentina, onde o território se divide em 24 circunscrições que são as províncias e C.A.B.A., e cada uma escolhe um número determinado de deputados, dependendo especialmente do tamanho de sua população.

A história do sistema no país

Como bem disse Cervantes, a história é “émula do tempo, depósito das ações, testemunha do passado, exemplo e aviso do presente, advertência do por vir”. Portanto, antes de nos intrometermos nas possíveis vantagens e desvantagens ou pelo que da reforma, há que se perguntar: isso aconteceu alguma vez no nosso país?A resposta é que sim, as eleições a deputados nacionais pelo sistema uninominal foram desenvolvidas em três circunstâncias: 1904, 1951 e 1954. Em todos os casos, essas mudanças foram aprovadas e revogadas após poucos anos. Para explicar cada uma, fazemos uso das publicações da hoje deputada nacional Sabrina Ajmechet e o professor Luciano de Privitellio.O primeiro caso, referido às eleições de 1904, foi durante o governo de Julio Argentino Roca (1898-1904).A lei eleitoral daquela eleição, lei N° 4121, foi aprovada em 29 de dezembro de 1902. A reforma, como parece ser com o projeto de Lei Ómnibus, foi parte de um conjunto de projetos como o Código de Trabalho e o Serviço Militar Obligatório. No entanto, a proposta não chegou à sua aprovação. O Código de Trabalho não foi discutido, o Serviço Militar foi sustentado por quase 100 anos e o eleitoral durou alguns anos.A reforma eleitoral teve um importante passo pelo Congresso da Nação, com discussões a favor e contra.A argumentação a favor da sua criação baseou-se na crise de representatividade política dessa época como também do pescoço de garrafa do sistema político. A sociedade argentina do início do século XX era muito diferente da de décadas atrás. Nesse momento, a nação era muito mais moderna, e a cidadania mais heterogênea e progressista (a sua vez, produto das correntes immigratórias). Consequentemente, uma das primeiras aspirações da lei era unir novamente a política e a sociedade, virando um sistema mais de acordo com as mudanças da época.Uma das mais poderosas vozes a favor foi a de Joaquín V. González, que observava este problema e tentava aprofundar sua argumentação. Ele detalhava que a circunscrição uninominal desenvolvia um sistema mais transparente de legitimação, onde os representantes eram conhecidos diretamente pelo povo, como fruto da dinâmica social. Por sua vez, fez importante foco na circunscrição, apresentando-a como uma comunidade existente e viva, a qual escolhia os seus deputados.De acordo com González, este grupo sócio-territorial devia reproduzir uma mesma actividade económica e, consequentemente, a pluralidade da Câmara Baixa iria dar-se de acordo com a pluralidade económica do país. No entanto, há que fazer notar uma frase de Juan Bautista Alberdi (es seu texto “Bases”) sobre isso, que contradiz os interesses desta comunidade: “A Câmara dos Deputados representa a Nação em globo (...) Cada deputado representa a Nação, não o povo que o escolhe”.Apesar de sua incessante busca e aprovação, as consequências da escolha sob este sistema não foram ideais. Por meio da redução da escala de representação (de províncias a circunscrições), o controle sobre o voto por parte das práticas clientelares foi extremamente simples.E como tudo chega ao fim, as circunscrições uninominais de Roca tiveram um triste desfecho. Em 1905, durante o governo de Manuel Quintana, e com base na eleição por este regime de circunscrição, o Congresso decidiu sua revogação e a volta ao sistema de lista completa.

O caso de 1950

A reforma eleitoral de 1950 teve uma apresentação e base extremamente divergente à do início do século. O presidente naquela época era João Domingo Perón, que um ano antes tinha impulsionado uma reforma constitucional (a Constituição de 1949).Ora, sobre a substituição eleitoral por circunscrições uninominais, a iniciativa foi apresentada em 5 de Julho de forma sorpressiva e tratada sobre tabelas para ser aprovada em 6 de Julho. Uma das poucas críticas no Congresso foi a do deputado nacional Illia: “tomamos agora conhecimento deste projeto, mas também não o conhecem os deputados da maioria, salvo alguns” (situação talvez similar à atual, quando o presidente do bloco de deputados da Liberdade Avançada, Oscar Zago, afirmou que não havia terminado de ler a lei Ó ônibus).Os argumentos do governo a favor das circunscrições uninominais apresentavam, de forma latente, fortes interesses partidários. Embora obviamente se esgrimam comentários como os de Joaquín V. González, acerca da proximidade elector-candidato, podem-se observar outras intenções. O sistema da Lei Sáenz Peña garantiu à oposição uma importante porcentagem de assentos. De se incorporar o sistema uninominal, um partido (neste caso, o peronismo) poderia conseguir quase unanimidade na Câmara Baixa.Isso se complementa com a visão do peronismo dessa época, no qual a representação do povo estava associada à figura do presidente Perón e que, com esta lei, se podia construir um Congresso de acordo com esta perspectiva política.Uma das consequências visíveis da aprovação foram os resultados das eleições (1951 e 1954). Ali, por situações que explicaremos mais adiante, o Poder Executivo diagramou as circunscrições criando o efeito “gerrymandering”, ajustando os distritos para que um partido (o peronista) fique com quase todas as bancas de deputados.O final da reforma de 1950 teve consequências semelhantes à roquista. Cinco anos depois foi totalmente revogada pela chamada Revolução Libertadora.

Reformas Propostas no Projeto de Lei Ómnibus

O presidente da Nação, Javier Milei, enviou no projeto de Lei Ómnibus ou no chamado "Projecto de Lei de Bases e Pontos de Partida para a Liberdade dos Argentinos" um capítulo específico (o número um) que pretende a modificação do sistema eleitoral argentino. De tudo isso, na seção um, com artigos de 443 a 449, encontra-se o referido às circunscrições uninominais.Em seguida, algumas especificações do referido nas secções anteriores.Por um lado, cada distrito (províncias e C.A.B.A.) deve ser dividido num “número de circunscrições igual ao número de deputados que se escolhem”. Por outras palavras, por exemplo, se o C.A.B.A. escolher 25 deputados, terá de seccionar o seu território 25 vezes.Além disso, a cidadania escolherá apenas uma lista integrada por um “candidato titular e um suplente”, os quais devem cumprir com o requisito de gênero (um deve ser masculino e outro feminino). Além disso, “a eleição será realizada a simples pluralidade de sufrágios”. Ou seja, o candidato que mais votos alcance (quer seja tendo uma vantagem de um voto ou mais) será eleito deputado nacional. Em outros países, este método chama-se “first past the post”.Por último e não menos importante, o desenho das circunscrições. Esta é uma questão crucial porque uma das possíveis desvantagens do sistema uninominal faz alusão à manipulação dos distritos pelo presidente.No projeto de lei, a proposta é que o Poder Executivo Nacional publique 360 dias corridos antes da eleição a forma das circunscrições. Depois disso, deve ser comunicado à Câmara Nacional Eleitoral (CNE) e aos outros partidos políticos, que poderão levantar objecções. O desenho não pode ser modificado, mas até depois de um censo nacional (ou seja, a cada 10 anos).Sobre a próxima eleição (em 2025), o projeto é obrigatório dois assuntos. O uso do censo nacional de 2022 como base e também a necessidade de cada circunscrição não apresentar diferenças de 3% no número de habitantes. As circunscrições a escolher nesse ano serão sorteadas previamente pela Câmara dos Deputados da Nação, seguindo a renovação parcial do Congresso.Para finalizar o ponto, é importante mencionar alguns comentários na sua fundamentação. De acordo com o Poder Executivo, a atual reforma eleitoral baseia-se em que “A representação bem entendida é a pedra fundacional da Democracia Liberal e para isso é essencial que os interesses de representantes e representados estejam alinhados. O sistema de circunscrições uninominais pretende resolver essa dissociação entre o interesse do político e o interesse do cidadão”. Assim, parece vislumbrar-se a uma argumentação como a de Joaquín V. González de 1905, a respeito da proximidade do eleitorado-representante.

As circunscrições uninominais em outros países e suas desvantagens

Os países que atualmente usam este sistema chamado first-past-the-post, em inglês ou escrutínio maioritário uninominal, em espanhol; são países com um passado colonial britânico (anglosajones), por ser o sistema (todavia) usado no Reino Unido. Alguns países dentro da Commonwealth como a Austrália ou a Nova Zelândia, abandonaram-no e modificaram-no para dotar-lo de maior representatividade. São 48 os países que escolhem a sua legislatura através do sistema uninominal, mas neste artigo nos concentramos apenas em três: o Reino Unido, o Canadá e os Estados Unidos.Atualmente, a Câmara dos Comuns no Reino Unido é representada por cinco partidos políticos, além da figura dos independentes, que não representam nenhum partido.Os 650 membros da Câmara são eleitos através de 650 circunscrições através do sistema first-past-the-post, onde o mais votado fica com a banca em representação de todo o distrito; além disso, existe a figura das “by-elections”, eleições específicas fora do termo das eleições gerais, onde um distrito que ficou sem representante por renúncia, morte, ou por causa alguma, pode votar ao seu sucessor.Nas eleições passadas de 2019, o Partido Conservador conseguiu alcançar a maioria e ficou com 365 MPs com 43,6% dos votos; se aplicaremos uma distribuição proporcional, como a que se usa na Argentina, os tories teriam ficado em 283 MPs, ou seja, que aqui vemos que sob este sistema o vencedor consegue uma vitória com sobrerrepresentação, sendo por exemplo prejudicados os Liberal Democrats, que com cerca de 11% dos votos a nível nacional, só ficaram com 11 MPs, que de existir a proporcionalidade esse número seria superior aos 70 parlamentares. Isso beneficia os dois grandes partidos, pois, se os terceiros partidos ou outros minoritários consiguissem mais bancas a seu favor, os fariam atores-chave na formação do governo ou na criação de maiorias legislativas, como a que necessitou David Cameron em 2010, derivando na aliança dos tories com os LibDems.No caso americano, a situação é muito mais simples: nos Estados Unidos impera um bipartidismo muito forte e arraigado, onde qualquer outro partido fora da dicotomia Democratas-Republicanos tem nula ou escassa representação tanto a nível local, como estadual e, sobretudo, federal.Os representantes do Congresso dos EUA são eleitos por distritos uninominais que respeitam as fronteiras dos Estados, ou seja, que um Estado é dividido em certa quantidade de distritos, segundo a população com a qual contam, e não pode existir um distrito que seja parte de dois ou mais Estados. Seria o exemplo mais próximo da realidade argentina, salvo pelo sistema de partidos. No entanto, a grande diferença com o caso nacional e com o anterior caso britânico é que a Câmara dos Representantes se renova na sua totalidade a cada dois anos, ou seja, o representante deve renovar o seu cargo a cada dois anos. Isso incentiva o representante em funções a não “dormirse”, pois poderíamos dizer que vive em constante clima eleitoral (campanha permanente), com a mente colocada em cumprir com seu eleitorado para poder ser reeleito.O grande problema enfrentado pelos Estados Unidos sob este sistema é a longevidade no cargo de alguns representantes, por exemplo, 37 representantes foram eleitos (e seguem em sua banca) durante o século XX, ressalta o caso de Hal Rogers, representante de 86 anos, que foi eleito pela primeira vez em 1981, há 42 anos.Finalmente, o caso mais controverso: Canadá. A Câmara dos Comuns canadense é composta por 338 assentos, e como país federal, segue a mesma lógica que os Estados Unidos quanto ao desenho que devem ter os distritos, subdividem-se as províncias dependendo da quantidade de população que tenham.E, especificamente, os últimos resultados com os quais contamos, que são as eleições de 2021, o Partido Liberal de Justin Trudeau voltou a ser vencedor, mas apenas em assentos, já que, quanto a voto popular, ficou abaixo do Partido Conservador que colaborou 33,7% em comparação com 32,6% dos liberals.No entanto, os conservadores ficaram muito abaixo na quantidade de assentos sobre os de Trudeau, apesar de serem vencedores: 119 MPs contra os 160 liberals. Uma enorme distorção, que não só beneficiou o Partido Liberal, mas, por exemplo, o Bloc Quebecois, que seguindo a mesma lógica que o SNP na Escócia, por ser muito fortes em uma única região têm sobre-representação; ou a do Green Party, que apesar de ter menor percentagem de votos que o conservador PPC, conseguiu dois bancos, enquanto o PPC, com quase 5% dos votos, ficou sem representação.

Vantagens do sistema

Até agora analisamos os grandes problemas que se apresentam neste sistema: representatividade distorcida, derivando na sobrerrepresentação ou subrepresentação de diferentes partidos políticos; longevidade de alguns parlamentares; mas poderíamos mencionar outros grandes problemas como o desenho arbitrário dos distritos, que dependendo como se divida o território, pode beneficiar uns ou outros; entre outros.No entanto, este sistema tem dois grandes pontos a favor: a conexão com a representação local e sua consequente accountability: o representante que faça campanha e seja eleito pelo distrito, estará mais ligado ao seu distrito, pois só deve ocupar-se dos seus representados e não de toda uma província como é o atual caso, além de que com a eliminação da chamada lista lençóis, o eleitor conhece de primeira mão aqueles que são os candidatos no seu distrito, e estes devem ser informados e capazes de se conectar com seus potenciais eleitores. Sua presença ou não na câmara pode depender de poucos votos de diferença.Por outro lado, a accountability refere que, ao conseguir essa conexão local com os eleitores, estes conhecem quem é o seu representante direto na Câmara dos Deputados, podendo removê-lo nas próximas eleições ou aumentar petições diretamente ao seu escritório, como acontece nos Estados Unidos, entre outras coisas; o lugar do deputado não dependerá do chefe do partido que lhe dê um lugar na lista, mas sim, diretamente dos seus eleitores.Alternativas ao sistema proposto pelo oficialismo:
  • O chamado sistema de representação proporcional mista, usado na Alemanha ou na Bolívia, onde uma parte da Câmara é eleita por distritos uninominais e outra parte é eleita por votos a listas, que se repartem proporcionalmente. Este sistema garante a representação local da uninominalidade, mas garante representação àqueles que não ganhem suficientes bancas, mas sim uma percentagem considerável de voto popular.
  • Outra alternativa seria a usada na Irlanda, com o sistema de voto único transferível. Sob este sistema, o eleitor posiciona os candidatos desde o preferido até o menos preferido. Se o candidato que eu quero não chegar à vitória, poderia ajudar a ganhar a minha segunda opção preferida.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
valentin olavarria

Valentín Olavarría

Olá, chamo-me Valentín Olavarría. Sou licenciado em Ciências Políticas (UCA). Fundador do blogue La Argentina Joven. va.olavarria@gmail.com

Twitter Linkedin

Visualizações: 3

Comentários