31/03/2022 - Política e Sociedade

Desglobalização

Por Horacio Gustavo Ammaturo

Desglobalização

A partir dos anos oitenta, após décadas sem conflitos bélicos globais, e tendo-se consolidado dois eixos geopolíticos bem definidos, começou um processo de integração mundial em que as empresas promoveram a desnacionalização no exercício das suas actividades, ou seja, alargaram os locais de produção e comercialização para além das fronteiras das casas-mães ou locais de orígen.

Durante a década de 1990, estes movimentos multiplicaram-se e aceleraram formando corporações globais que integram processos de abastecimento, produção, distribuição e comercialização em múltiplos países, daí a sua denominação. organizações multinacionais.

Conceitos como a divisão internacional do trabalho, que levantam que existem nações com melhores condições empresariais para realizar determinadas tarefas se instalaram como aspectos essenciais para identificar onde localizar uma planta ou iniciar uma exploração. Em geral, as vantagens das empresas estão relacionadas com desvantagens laborais. Sobrou os exemplos de exploração humana em países do Sudeste Asiático, ou mesmo a China nesses tempos.

Os incentivos fiscais Também fizeram parte das variáveis a ter em conta para definir qual papel irá ocupar cada país num mundo cuja economia tem alcance global.

Obviamente que temas como o poder de compra e nível educacional da população, as Capacidade de infra-estruturas de cada lugar ou de segurança jurídica e o quadro regulamentar Para cada atividade também são importantes e influentes para determinar o perfil dos investimentos distribuídos entre os diferentes países.

Este processo que leva mais de 40 anos desde seus inícios, evoluiu em um modelo de especialização e agregação de valor distribuído globalmente, em que, em muitos casos, os bens são produzidos em diferentes jurisdições, ou seja, em nenhum caso, um produto totalmente terminado, mas partes que se integram e completam em outro lugar.

Já, durante os anos da pandemia do Covid-19 e agora, acentuado pelas medidas de bloqueio e confiscação entre a Rússia e a parte do resto do mundo que a questiona, revelam quão dependentes da globalização somos.

A produção de bens e serviços do mundo tem se concentrado, naturalmente, nos locais mais baratos e eficientes.

Pouco tempo atrás não damos muita atenção aos riscos de que a China produza todos os barbilhos do mundo ou que Taiwan fabrique todos os semicondutores. Mas quando chega uma pandemia ou um conflito geopolítico que interrompe uma cadeia de abastecimento, as eficiências obtidas por uma economia globalizada tornam-se fraquezas, dependências e riscos.

A Ucrânia e a Rússia combinam cerca de 30% das exportações mundiais de trigo. O governo ucraniano proibiu a exportação de trigo e de outros alimentos básicos para satisfazer as necessidades da população em produtos alimentares críticos.

Mas não é apenas o trigo. Os fertilizantes, o fosfato e o potássio também são exportações chaves da Rússia, que deixou de exportar desde que invadiu a Ucrânia.

O fertilizante passou de US$ 200/tonelada para US$ 1.500/toneladas.

O mundo tem um ciclo de produção de alimentos de 90 dias. Se deixarmos de produzir alimentos, ficaríamos cerca de 90 dias de alimentos antes de os comermos. Portanto, temos cerca de 90 dias antes de o efeito completo destas mudanças nos mercados começarem a manifestar-se.

Talvez tenhamos deixado que a nossa interdependência global cresça demasiado.

Do ponto de vista da informação e das novas tecnologias acontecem coisas semelhantes.

Para controlar o fluxo de informação, Putin caiu “una cortina de ferro digitalem torno da Internet na Rússia.

Meta é agora “uma organização extremista”, e todos os seus produtos estão bloqueados (Facebook, Instagram, Whatsapp).

Mas também, muitas empresas ocidentais estão se retirando voluntariamente da Rússia (Apple, Microsoft, TikTok, Netflix, etc.)

A Ucrânia pediu à ICANN para remover os sites ".ru" Internet. Embora a Internet seja uma tecnologia descentralizada, ainda devemos concordar com os padrões que usamos para comunicar dados, e a ICANN é a organização que fornece essa coordenação.

O sistema de roteamento de DNS, a coluna vertebral da Internet, é frágil e está potencialmente sujeita à manipulação do governo americano. Está literalmente, controlado por catorze pessoas que possuem sete jogos de chaves.

Isto coloca em discussão temas fundamentais como o são lneutralidade da Internet, por exemplo. Quando os atores relevantes são alguns dos maiores estados-nação do mundo, a legitimidade da Internet em si mesma está sendo questionada.

No entanto, o questionamento sobre os meios em que a globalização tem sido apoiada não é exclusivamente na rede de comunicações, o dólar tem um papel central nesta história, pois o dólar é a principal ferramenta que os EUA têm de poder e controle, utilizada pela maioria das empresas globais para homogeneizar as contas entre os países em que têm operações. O mundo acaba de ver como os EUA congelam o Banco Central da Rússia, algo que questiona as garantias de que o dólar é um bom lugar para armazenar as poupanças, incentivando ainda mais os países a encontrar formas de armazenar riqueza fora do sistema do dólar.

É provável que a próxima década ponha em evidência que temos sobrevalorizado a globalização, de facto, é provável que isso sirva de culto de cultura para que se possa sentir.produza uma mudança de paradigma, saindo de modelos de cooperação liberais para outros proteccionismos conservadores.

A história recente evidencia os fracassos das nações como administradoras de oportunidades entre elas, o mesmo que as empresas que aproveitaram a globalização para melhorar suas condições produtivas aproveitando as assimetrias entre as nações.

Será que as pessoas terão chegado a hora de nos coordenarmos entre nós, sem intermediários, políticos, empresários, instituições como os bancos centrais ou as moedas soberanas?

Além dos aspectos produtivos e económicos, a globalização ocorreu em momentos em que não existiam meios de processamento de pagamentos globais independentes, mas que pertencem ou fazem parte a estruturas de poder centralizadas.

Os ativos digitais baseados em Blockchain surgiram para completar este processo, pois as moedas globais podem distribuir riquezas globais e equiparar as circunstâncias dos países.

Não existe um bitcoin argentino, ou um Bitcoin americano ou um russo, é sempre o mesmo.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 1

Comentários