06/06/2024 - Política e Sociedade

Diálogo e consenso: uma utopia necessária.

Por Catalina Smith Estrada

Diálogo e consenso: uma utopia necessária.

A política em algum ponto é como o futebol, um Boca - River. A diferença é o reconhecimento de que, do outro lado, há alguém valioso. Montiel jogava no River, mas na hora de jogar pela (Seleção) Argentina, era de todos. Os torcedores do Boca também gritaram o seu pênalti. Paredes e Julián Álvarez jogaram em equipe. O objetivo era o mesmo. No futebol, nós, argentinos, entendemos que você é de um ou de outro, mas quando chega o momento de jogar pelo país, o objetivo é o mesmo. Na política, ainda não gritamos o gol. 

No fundo, todos queremos a mesma coisa. Acabar com a inflação, com a pobreza, o desemprego, a corrupção, e uma lista eterna que enfrentamos há anos. Não é um trabalho fácil, mas também não é impossível. Precisamos aprender um pouco com o futebol. 

Passamos por todas as opções, não conseguiram resolver. Agora estamos tentando uma nova. Todas têm algo em comum, em maior ou menor grau: a falta de diálogo. A política é um jogo de opostos, é certo. Há coisas que não se negociam. Não falo de abandonar os valores. Eles nos definem. Se, ao se sentarem à mesma mesa, nossos políticos, em vez de se concentrarem em suas diferenças, se concentrarem nas coincidências, chegariam a um ponto comum. A solução seria mais simples, mais rápida. Haveria diferenças, mas também haveria solução. Hoje não há.

Se não há diálogo, não há reconhecimento de ideias que diferem das nossas. Muito menos disposição para admitir os próprios erros. Esse é o nosso principal problema, que fica ofuscado por todas as suas consequências. Se não há diálogo, não há trabalho conjunto, e se não há trabalho conjunto há choque. E se há choque, não há soluções.

Acho que chegamos ao ponto em que deveríamos nos perguntar: se todos queremos a mesma coisa, não seria mais simples chegar a uma solução juntos?

Chantal Mouffe, cientista política belga, adota uma visão do político como pluralidade, criticando a ideia de se chegar a um consenso. Explica que o objetivo da democracia não implica chegar a um acordo comum, mas sim proporcionar a possibilidade de grupos de opiniões irreconciliáveis colocarem-se em debate, ou seja, ativar a confrontação democrática através de identidades coletivas.

Embora aceite que o conflito pode ser antagônico, propõe o que denomina uma luta “agonista”: dois opostos que reconhecem mutuamente sua legitimidade através de instituições que promovem uma esfera pública de luta entre os diferentes projetos político-hegemônicos. Poderíamos aplicar esse tipo de luta em um sistema político tão fortemente dividido como o argentino?

Isso parece uma utopia em sociedades como a nossa, onde todas as esferas, mesmo as que não nasceram sendo intrinsecamente políticas, são politizadas. Ninguém está isento de responsabilidade, o conflito é produto da soma dos erros e acertos dos diferentes governos e daqueles que escolhemos, pontos que devemos reconhecer para poder aprender com eles.

Em seu livro Capitalismo ou pobrismo, Miguel Ángel Pichetto diz: “O diálogo é a única forma de entendimento entre duas pessoas que pensam diferente. O diálogo é o grande instrumento da política”.

Nossa política entrou em um jogo eterno de crianças de jardim, uma espécie de: “eu gosto, mas como ele fez, não gosto mais”. O antagonismo do kirchnerismo e do antikirchnerismo, do peronismo e do antiperonismo, da esquerda e da direita, nublaram a visão da maioria, que hoje não consegue reconhecer um sucesso naquele outro que quer eliminar. As pessoas não querem diálogo, muito menos consenso. Mas quais são as consequências dessa falta?

Concordo com Mouffe em algo: o outro não deve ser eliminado. O consenso é complexo, mas não impossível. É inevitável a oposição a certos personagens, mas não ao conjunto. 

É inaceitável o dano à dignidade do outro, a desqualificação de suas ideias; precisamos deixar de lado os discursos de ódio, as raivas e os traços irônicos para conseguir um diálogo, que não necessariamente resultará em consenso, mas sim em um debate harmônico e justo. As discrepâncias não vão desaparecer, mas sim gerar uma convivência mais pacífica, que facilitará a tomada de melhores decisões para um melhor país.



Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
Catalina Smith Estrada

Catalina Smith Estrada

LinkedinInstagram

Visualizações: 34

Comentários