08/04/2024 - Política e Sociedade

O OUSADO PROGRAMA ECONÓMICO DA CHINA APÓS 2024

Por Jose Daniel Salinardi

O OUSADO PROGRAMA ECONÓMICO DA CHINA APÓS 2024

Congresso Nacional do Partido Comunista da China

O OUSADO PROGRAMA ECONÓMICO DA CHINA A PARTIR DE 2024

Na terça-feira, 5 de março, investidores, banqueiros, analistas e meios de comunicação social económicos e políticos acompanharam atentamente a reunião anual do Congresso Nacional do Povo da China, onde o parlamento do país define as prioridades económicas a partir de 2024. Foi anunciado um objetivo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de "cerca de 5%" (com um Índice de Preços no Consumidor de cerca de 3%), bem como uma taxa de desemprego de 5,5%, uma vez que o país pretende criar mais de 12 milhões de novos empregos urbanos. Embora o ambicioso objetivo de crescimento tenha sido mantido ao mesmo nível em 2023, desta vez há obstáculos adicionais a considerar, incluindo preocupações com a procura interna e a deflação, uma crise imobiliária, desafios demográficos e uma queda do mercado bolsista.

"Não é fácil atingirmos estes objectivos", afirmou o Primeiro-Ministro Li Qiang aos cerca de 3 000 delegados presentes no Grande Salão do Povo em Pequim. "Precisamos de apoio político e de esforços conjuntos de todas as frentes".

Como é que a segunda maior economia do mundo planeia atingir este objetivo, especialmente com comparações de números de base mais elevados? Embora a tradicional conferência de imprensa do Primeiro-Ministro tenha sido cancelada este ano, foram feitas referências a políticas que apoiam a taxa de natalidade, estabilizam os projectos de habitação e aproveitam as "novas forças produtivas" para a capacidade industrial. Mais importante ainda, a China levantará todas as restrições ao investimento estrangeiro no sector da indústria transformadora e "reunirá a sua força científica estratégica e os seus recursos de inovação não governamentais para conseguir avanços nas tecnologias de base em domínios fundamentais". Contrariamente a algumas expectativas, não foram reveladas quaisquer medidas de estímulo durante a reunião, mas um relatório de trabalho do Governo revelou planos para emitir 1 bilião de yuan (139 mil milhões de dólares) em obrigações especiais a longo prazo para grandes projectos extra-orçamentais.

O relatório mencionou alguns sectores específicos para a inovação, incluindo os "carros de nova energia" e os "novos materiais", e apontou planos de desenvolvimento para a computação quântica, os grandes volumes de dados e a inteligência artificial. Faz parte de um esforço de autossuficiência em que o governo central gastou 3,3 biliões de yuans (417 mil milhões de dólares) em investigação no ano passado, ou seja, cerca de 2,6% do PIB total. Os EUA têm vindo a jogar um jogo semelhante com a Lei CHIPS e Ciência e a Lei de Redução da Inflação, que injectaram centenas de milhares de milhões de dólares em indústrias-chave em nome da segurança nacional e da vantagem competitiva, para além de restringirem a entrada de chips de alta tecnologia na China e imporem sérios controlos à exportação.

Mas há um sector ao qual o presidente da República Popular da China atribuiu uma tarefa fundamental que mistura negócios e tradição. Os banqueiros chineses têm novas ordens: desenvolver uma "cultura financeira com características chinesas".

Esta campanha ideológica coloca a tónica numa autodisciplina férrea e numa regulamentação externa rigorosa para que as instituições financeiras sirvam a causa do "desenvolvimento de alta qualidade".

Uma frase curta que descreve o esforço de Xi Jinping, o líder supremo, para transformar a China numa superpotência industrial de alta tecnologia e baixo teor de carbono. No caminho para atingir este objetivo, Xi deixou claro que os responsáveis pelo planeamento central eas empresas públicas desempenharão um papel de liderança.

Os investidores estrangeiros podem ficar preocupados com o facto de todo o país estar a dar umaguinada para a esquerda, como se os seus homólogos chineses fossem à sua próxima reunião vestidos com fatos de Mao.

Mas o líder da China está a olhar ainda mais para trás para inspirar o desenvolvimento do seu país hoje.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
Jose Daniel Salinardi

Jose Daniel Salinardi

Jose Daniel Salinardi es Contador Publico Egresado de la Facultad De Ciencias Económicas de la Universidad de Buenos Aires.

Twitter Linkedin Youtube Instagram

Visualizações: 0

Comentários