11/07/2023 - Política e Sociedade

Compatibilidade Natural

Por horacio gustavo ammaturo

Compatibilidade Natural

Na terça-feira, 4 de julho de 2023 pode ter sido um dos dias mais quente na Terra em cerca de 125.000 anos. Segundo o Centro Nacional de Previsão Ambiental, que depende da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, alcançou-se o recorde: 17,18°.Simultaneamente, esta notícia compartilha os principais manchetes dos jornais com a informação referente à preocupante falta de água potável que afeta o nosso vizinho país, o Uruguai, que depois de três anos de seca perdeu reservas chegando em muitos lugares à racionalização no uso do recurso, que nestes dias perdeu as qualidades para o consumo humano.Bem conhecida é a discussão levantada sobre a veracidade quanto aos fenômenos naturais e a urgência em tomar ações para mitigar e postergar os efeitos das mudanças climáticas produto das ações que os homens exercemos no planeta que impactam negativamente na natureza.

O presente artigo abordará o tema de uma perspectiva diferente

Uma que coloca ambos os critérios num mesmo lugar, como se fossem as duas faces de uma mesma moeda, os que pregam ações em defesa das alterações climáticas e os que descrevam que o fenômeno existe e que tudo se trata de um esquema perverso e especulativo que se aproveita de crentes para gerar espaços de poder e negócios.Trilhões de dólares são jogados anualmente em nome do impacto ambiental, do aquecimento global e do cuidado do planeta.Principalmente, os fundos destinados no âmbito do denominado “mercado climático” são distribuídos entre:1) Projectos de transição ou transformação. Dentro deste grupo encontramos múltiplas propostas que vão desde mudanças nos processos industriais, substituição de materiais nas construções ou diminuição no consumo de combustíveis fósseis ou bens não renováveis. A maior parte do investimento em projectos de impacto positivo para o planeta destina-se a estas questões e, paradoxalmente, os principais beneficiários destes programas são aqueles que mais poluem.A lógica é financiar ou subsidiar os poluidores para que eles possam deixar de fazê-lo. É a vantagem económica que impulsiona a mudança.2) Projectos de remediação ambiental. Estas propostas abrangem desde a limpeza de águas ou terras contaminadas até os projetos florestais em que se plantam árvores para que no futuro sirvam para fixar carbono em lugares onde já se esforçou, depois de aproveitar a madeira de espécies, geralmente, de menor velocidade no crescimento e maior valor natural.Nesses casos, os móveis também passam pelo económico, pois as remediações são muitas vezes resultado de ações judiciais, administrativas ou por pressões mediáticas, enquanto a reflorestação é um negócio a futuro para depois oferecer madeiras e derivados.3) Programas de conservação. Esse tipo de investimento é a que menor participação tem na partilha apesar de ser a que melhor posicionada está quanto a resultados de impacto positivo, pois são imediatos, de fato são produtivas de por si. Representadas por todas as florestas nativas, manglares, rios, mares e oceanos que permitem manter equilíbrios quanto à fixação de carbono, biodiversidade e regulamentos hídricas.No entanto, no momento, os modelos financeiros continuam discutindo Como colocar preço a algo que tem muito valor. Por isso, enquanto a tala, a desflorestação e o uso abusivo dos recursos naturais continuam a ser mais rentáveis num mundo que se guia pelos resultados económicos e financeiros, por vezes, à custa dos naturais e sociais.Aqueles que visam fundos nestes projectos são proporcionantes que realmente acreditam no impacto dos recursos naturais no seu estado original, sem a intervenção humana, muitas vezes investindo em forma anônima e outras através de organizações que perseguem, além disso, reconhecimento reputacional.Salvo esta última alternativa, todas as anteriores, as que consideram que as alterações climáticas são um conto e as que se aproveitam do medo de alguns para obter fundos e reconhecimento, partem da ideia da supremacia do homem acima do resto de todas as espécies naturais.O ser superior que tudo o que faz é bem, ou seja, a atividade humana não tem impacto na natureza, que as alterações climáticas são produto dos ciclos térmicos da terra, como se pode verificar ao longo da sua história, e que os recursos naturais devem estar subordinados aos destinos que o homem define, pois aprendeu a controlá-los, sejam animais ou vegetais. O homem pode influenciar a criação, crescimento e extinção, pois é um ser superior.Por outro lado, aqueles que consideram que podem influenciar positivamente através das suas acções de transformação e transição, isto é, usando menos combustíveis fósseis, ou substituindo as mensagens em papel pelos e-mails, por exemplo, representam um protagonismo na matéria, algo assim como se queremos.Em ambos os extremos, essa parte da sociedade, por ação ou por omissão se acredita superior ao natural, seja tanto quanto para explorá-lo ou como para protegê-lo.Considerar isto como um elemento cuja existência é para servir ou como algo que não pode ser defendido e devemos proteger.Em vez disso, nesta oportunidade, gostaria de incorporar uma visão diferente. Uma em que seja através da responsabilidade que traz a correspondência da “suposta superioridade” que acreditamos ter e é a do respeito.Se realmente entendemos que somos coabitantes do planeta, junto com os minerais, vegetais e animais, tratá-los com respeito nos independiza da discussão filosófica ou moral sobre quem domina ou se aproveita de quem.Para tal, todo recurso natural deve ter determinado o seu valor relativo dentro do sistema.O mundo desenvolvido encontrou no dinheiro uma das formas de expressar e comparar o valor relativo dos bens e serviços oferecidos.É por isso que urge encontrar um mecanismo representativo para que as terras virgens que contêm milhões de toneladas de carbono, que regulam a atividade hídrica no nosso planeta, que conservam a biodiversidade para que a vida do homem e suas atividades econômicas e sociais possam se desenvolver em equilíbrio, constituam um ativo com valor econômico, que possa ser medido para remunerar quem o conserva e aplicar acusações a quem os utilizam.É claro que o planeta é um ativo valioso, falso é que seja patrimônio da humanidade, pelo contrário, é de todos os seres vivos que o habitam. Por isso, se realmente “revestimos algum espaço de superioridade”, devemos ser suficientemente humildes para nos dar conta de A responsabilidade por tratar com respeito ao capital natural.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 12

Comentários