14/03/2023 - Política e Sociedade

A incerteza eleitoral e o concurso de candidatos. CFK, Macri, Massa, Larreta, Bullrich, Milei e Kikuchi. A luta pelo trono.

Por enrique tourvel

A incerteza eleitoral e o concurso de candidatos. CFK, Macri, Massa, Larreta, Bullrich, Milei e Kikuchi. A luta pelo trono.

Oportunidade eleitoral histórica na Argentina

Em 2011, a plataforma HBO lançou uma das séries mais premiadas da história da televisão. No âmbito de um reino de fantasia, com fortes nuances de ficção científica, numerosos pretendientes realizaram uma luta incansável contra inimigos internos e externos para se fazer do trono de ferro e o consequente domínio de King's Landing.

É difícil lembrar uma eleição presidencial na história do nosso país em que tantos nomes relevantes se vislumbrem como pré-candidatos para representar os partidos majoritários. CFK, Macri, Massa, Scioli, Bullrich, Rodríguez Larreta, Morales, De Pedro, o mismíssimo Alberto Fernández são apenas alguns dos nomes que ressoam para participar nas internas da Frente de Todos e de Juntos pela Mudança, devendo mencionar também a participação de Javier Milei que - segundo as pesquisas mais recentes - se encontra entre os 3 políticos com melhor imagem positiva do país.

Embora a atual Argentina esteja longe de ser um território de fantasia (embora tenha havido acontecimentos de ficção científica), a realidade é que estamos diante de uma oportunidade eleitoral histórica. Depois de dez anos de recessão, inflação, atraso de tipo cambial e queda das ações das empresas argentinas no exterior (com breves períodos de bonança), hoje tudo indica que o bull market predito pelo excêntrico advogado financeiro Carlos Maslaton é uma realidade. Ou seja, novamente, a classe política tem a possibilidade de destruir uma oportunidade única de estabelecer a economia e deixar de viver em ciclos recessivos constantes, como eles gostaram fazer em 2011 e 2016/2017. Além disso, de alguma forma, o quadro político que ganhe estas eleições sabe que tem aberto o caminho para governar 8 anos com um governo de 6/10 pontos. E nesse contexto se dá a luta feroz por assumir o trono de ferro no período 2023/2027.

Pelo lado da Frente de Todos, os sinais são confusas. Foram vaticinados discursos para ser pré-candidatos tanto Alberto Fernández (em palavras de Aníbal Fernández) como Wado de Pedro, Juan Grabois e Daniel Scioli. Embora, de alguma forma, todos sabemos que o verdadeiro potencial para assumir esta eleição no peronismo está nas mãos de Sergio Tomás Massa, o super-ministro mantém o resguardo e o silêncio sobre uma possível candidatura enquanto - segundo dizem portas dentro - está esperando o apoio de CFK e o presidente. Cristina Fernández, inmersa em suas lutas judiciais pessoais, no momento também não deu indícios do papel que ocupará na lista da Frente de Todos, deslizando mais de uma vez que não será candidata, embora, como nos surpreendeu em 2019 com a fórmula proposta, pode também fazê-lo este ano.

Em Juntos pela Mudança, a situação é radicalmente diferente, vários dos integrantes já se têm postulado para pré- candidatos, fazendo especial menção a Morales, Rodríguez Larreta, Vidal e Patricia Bullrich. Os prontuários de super candidato levam-se o prefeito Larreta, no entanto, se Bullrich não decidir baixar sua candidatura terá uma disputa complicada nas internas. O dono, o ex-presidente Macri, tira fotos com quem o pede, enquanto desfruta de seu cargo no topo do futebol internacional, seria ingênuo pensar que não tem seu olhar colocado no que passa no plano doméstico. É que Macri, tanto quanto CFK, são de alguma maneira aqueles que decidem os desígnios de seus partidos, qualquer candidato do FdT ou de JxC sabe que precisa do apoio de seus respectivos líderes para ser respeitado como cabeça de governo (nadie quer ser Alberto Fernández).

Finalmente, chegando desde além do muro La Liberdade Avançada, com Javier Milei à cabeça. Apesar de várias operações midiáticas que se vêm suscitando -verídicos ou não - em relação à forma particular de armado de listas de Javier, sua irmã Karina e o operador Kikuchi, o libertário deputado marca entre 18 e 24 pontos nas pesquisas mais recentes. Na minha opinião, para além de não ter possibilidades eleitorais de uma vitória, o triunfo de LLA seria politicamente inviável. Sem estrutura nacional e sem a quantidade de legisladores necessária, as mudanças estruturais e políticos prometidos por Milei são utópicos e irrealizáveis, pelo menos das formas constitucionalmente admitidas.

Em suma, em 24 de junho devem ser apresentadas as listas para as eleições primárias, abertas, Simultáneas e Obligatórias, e ao momento tudo é uma grande incógnita. Estamos diante das eleições mais plurales e, provavelmente, menos polarizadas desde 2003, onde Carlos Saul Menem triunfou ante Néstor Carlos Kirchner e omitiu se apresentar a uma segunda volta.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
enrique tourvel

enrique tourvel

Olá sou Henrique Tourvel, advogado com orientação em direito público. Atualmente eu me desempenho no Poder Judiciário da Nação- Fuero Comercial. Docente de Elementos Gerais de Direito Comercial e de Sociedades na Universidade de Buenos Aires.
Especializado em Direito Societário.

Visualizações: 8

Comentários