14/05/2024 - Política e Sociedade

A urgência do debate sobre o 4.0 na Argentina

Por Mila Zurbriggen Schaller

A urgência do debate sobre o 4.0 na Argentina

Atualmente, na Argentina, debatem-se questões como a influência do Estado, a pressão fiscal, a balança comercial, a segurança, entre outras. Há anos que se discute a forma de resolver os nossos problemas económicos e de administração pública. No entanto, no meio destas disputas, o mundo continua a girar, a tecnologia continua a avançar e a nossa administração pública continua a ficar atrás da vanguarda tecnológica.

Será que é realmente importante discutir tecnologias convergentes num país que continua afundando nas mesmas disputas? Ou talvez muitos desses problemas que geram disputas possam ser resolvidos com a implementação de novas tecnologias na administração pública. Não podemos pensar um país para o presente se não conseguirmos discutir uma gestão pública adequada ao século XXI.

A atual liderança está longe de compreender os benefícios das novas tecnologias e as mudanças de paradigma social e político que elas geram na sociedade, porque a maioria não é nativa digital e continua a governar, legislar e compreender fenómenos como o blockchain, como se a nossa sociedade ainda funcionasse como na era analógica, este desajuste é tão grave que afecta a representatividade da liderança política.

Muitas questões importantes, tais como: quais as consequências que a automatização terá na sociedade e como podemos enfrentá-las, como modificar o nosso sistema educativo para aceder ao trabalho na era da inteligência artificial, como incluir os cidadãos na nova economia descentralizada ou a importância de uma política de ciberdefesa e cibersegurança para a proteção adequada dos dados dos cidadãos. A importância destes debates na sociedade atual é crucial, não só devido à urgência de uma era que não nos espera, mas também porque através deles podemos resolver a maioria dos problemas que até agora nos submergiram em debates intermináveis que não conduziram a qualquer solução. A tecnologia permite-nos ultrapassar os limites humanos, com a inteligência artificial podemos substituir as tarefas repetitivas dos seres humanos se soubermos orientar a questão. No mesmo sentido, podemos transferir dinheiro para qualquer parte do mundo, sem limites e sem controlo, através das criptomoedas. Ao mesmo tempo, estão a ser testados implantes cerebrais especiais para expandir as capacidades cognitivas do cérebro e para incorporar a realidade virtual e a gestão de redes sem a necessidade de um telemóvel, o que nos mergulha em debates éticos intermináveis que, embora estes tipos de dispositivos existam, a nossa liderança não está interessada em fornecê-los.

Tudo isto está a acontecer enquanto continuamos a mergulhar nos debates do século XX. Enquanto debatemos se devemos ter educação pública, impostos baixos ou se devemos investir em ciência e tecnologia, a revolução tecnológica passa por nós, afectando-nos na nossa vida quotidiana. O nosso projeto de mercado de trabalho e de Estado está preso ao século passado e é nosso dever promover uma verdadeira mudança.

As tecnologias convergentes (ou novas tecnologias) não precisam de ser nossas inimigas. Podemos fazer com que o Estado as incorpore no seu trabalho quotidiano para ser mais eficiente e menos vulnerável, melhorando a qualidade de vida dos cidadãos. Se fizermos um uso inteligente desta irrupção, podemos maximizar o seu potencial para o bem-estar da população, mas para isso temos de resolver debates passados e começar a incorporar o papel das tecnologias no debate público, tanto na política como no funcionamento do Estado e na legislação.

A chave está nesse uso inteligente, pois podemos usar essas novas ferramentas para resolver os problemas que ainda sofremos como argentinos, como a instabilidade monetária, a insegurança e a privacidade. Por exemplo, a implementação de uma melhor política de cibersegurança, entre outras, permitir-nos-ia proteger os dados do Estado de forma mais eficiente e sem nos expormos como aconteceu há semanas com a pirataria informática do registo RENAPER, onde milhares de dados de argentinos foram violados. Ao mesmo tempo, podemos incorporar a inteligência artificial nos processos burocráticos do Estado para dar respostas mais personalizadas às necessidades dos cidadãos, ao criarmos uma ferramenta imparcial que nos permita agilizar os processos do Estado. Para ser mais concreto: isto significaria poder conversar, por exemplo, com um bot que articula todos os códigos e regulamentos administrativos para dar respostas mais precisas ao criar uma empresa, verificar a transferência do domínio de um automóvel ou fazer uma reclamação administrativa. As tecnologias convergentes são apenas ferramentas à nossa disposição que devemos utilizar em nosso proveito.

A revolução tecnológica é hoje e, se não pararmos de aprofundar os conflitos cíclicos que carregamos do século XX, ficaremos expostos às desigualdades que surgem em todas as revoluções industriais, das quais a quarta não será exceção e deve ser abordada com urgência. A administração pública atual, bem como a maioria dos serviços que presta, encontra-se a funcionar no século passado. O futuro do nosso país passa por fazer uma utilização inteligente das ferramentas proporcionadas por esta Quarta Revolução Industrial e maximizar a sua utilização. Temos uma janela de oportunidade única que nós, enquanto sociedade, não podemos desperdiçar e temos de a aproveitar.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
Mila Zurbriggen Schaller

Mila Zurbriggen Schaller

Visualizações: 0

Comentários