06/09/2022 - Política e Sociedade

As tentativas de magnicidio na história da Argentina

Por Julian Stordeur

Imagen de portada
Imagen de portada

Na quinta-feira passada às 21:00 horas, a vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner foi atacada na porta de sua casa. Na história, os magnicidios são um fenômeno bastante correntes.

Existem diversos casos que podem exemplificar isto, sendo o mais conhecido e o disparador da primeira guerra mundial, o assassinato ao duque Francisco Fernando na atual capital da Bósnia, Sarajevo. Outros casos famosos são por exemplo o assassinato de Kennedy na capital texana de Dallas, enquanto o presidente estava realizando um desfile.

Alguns menos conhecidos como a tentativa de assassinato de Napoleão III, quando seu atacante, Felice Orsini convenceu-se de que o imperador francês era principal obstáculo para a independência italiana e a causa das reações antiliberais na Europa e o atacou com bombas à saída da Opera de Paris.

No entanto, esse fenômeno que parece ser moeda corrente o mundo, na Argentina, por alguma razão ou por outra, não tem tão presentes. No artigo seguinte, analisaremos os episódios de tentativas de magnicidios em nosso país.

Domingo Faustino Sarmiento

O primeiro episódio de uma tentativa de magnicidio a um ex-presidente da República Argentina aconteceu em 1873, e foi a Domingo Faustino Sarmiento. Enquanto o presidente cruzava as ruas atuais Maipú e Corrientes em sua carruagem, três homens se abalaram sobre o carro presidencial e dispararam seus trabucos. O atentado não foi bem-sucedido, já que um dos sicários assumiu sua arma com demasiada pólvora, fazendo com que a mesma explote em sua mão e salvando a vida do presidente.

Os maleantes foram detidos e investigados, lançando que quem os havia contratado era López Jordão, que por sua vez havia contratado Seaburgo para se encarregar da organização. Em troca de realizar o ataque, Seaburgo tinha prometido aos perpetradores 10.000 pesos e que seriam liberados instantaneamente da jurisdição do poder judicial argentino; em preparação para isso, haviam construído um navio no porto que os levaria a Montevidéu.

Por que queria López Jordão assassinar Sarmiento? López Jordão tinha sido um verdadeiro pesadelo durante toda a presidência de Sarmiento, sendo o responsável por vários levantamentos que atentaram contra a paz na província de entre rios. Sarmento tinha acabado cada um deles e cada vez consolidava mais seu poder. Por isso, López Jordão, viu como a única alternativa para mudar o rumo da história e especialmente das eleições de 1874, um assassinato desse calibre.

Julio Argentino Roca

O próximo caso que encontramos é o de Julio Argentino Roca enquanto exercia o cargo de presidente. Quando o presidente saía do Congresso, depois de terminar a inauguração do vigésimo quarto período de sessões do Congresso Nacional, o esperava, como de costume, uma multidão na porta.

No entanto, desta vez, uma pessoa ressaltaria entre todos, e levantado uma pedra de considerável tamanho arremeteria contra a sien do presidente, que após alguns segundos de convalecência, se levantaria e caminharia com normalidade. O atacante foi então identificado como Ignacio Montes, um corretino de 36 anos. Monges disse que queria o presidente morto porque o culpava da crise política do país, que tinha durado mais de um ano.

Anarquismo

Durante a primeira quinzena do século XX, as tentativas de magnicidio tornaram-se mais comuns, isto é assim porque a imigração trouxe vários ideais novos da Europa, entre eles, o anarquismo, uma corrente de esquerda com tendências violentas, que utilizava o terror como uma forma de enviar uma mensagem política.

Nestes anos, dois presidentes presenciaram um ataque para sua pessoa. Estes foram Manuel Quintana e Victorino da Praça em 1914, ambos durante seu mandato. Os dois atentos a estes presidentes foram realizados com revólveres e ambos falharam. Enquanto o disparo que tinha como destino a Manuel Quintana não se disparo devido à intensa chuva desse momento, o disparo que tinha como objetivo a Victorino de Plaza, desviou-se e terminou em uma coluna aledaña.

HipólitoYrigoyen

O episódio seguinte foi a tentativa de assassinato de Hipólito Yrigoyen. Após um ano de ter assumido a presidência, enquanto se dirigia à Casa de Governo desde sua casa na rua Brasil, seu carro foi baleado 5 vezes. O autor do crime foi então abatido pelos costedios de Hipólito Yrigoyen. Só foi ferido o chefe da custódia de Yrigoyen.

Juan Domingo Perón

A próxima tentativa de magnicidio foi a Juan Domingo Masn, que recebeu dois ataques em menos de 3 anos. O primeiro deles durante um discurso em 1953, em um ato de organizado pela CGT, para apoiar o governo apesar de estar em uma grave crise econômica e inflacionária. Enquanto o general Perón pronunciava seu discurso, dois estrondos de bomba interromperam o presidente. Houve cinco mortos e mais de 90 feridos. Depois do estrondo, Perón incitaria o público a retaliar contra o atacante, levando a uma espiral de violência, que acabaria com a queima do Jockey Club.

Em 16 de julho de 1955, no marco do golpe que derrubaria o segundo governo de Juan Domingo Perón, vários aviões bombardearam Plaza de Mayo com o único fim de tentar assassinar o líder do partido justiçalista. Devido às tensões políticas com o Exército e a Igreja, Perón já havia sofrido várias tentativas de golpes. No entanto, nenhum com o planejamento e virulência deste golpe, que procurava criar um clima de terror que desencoraja qualquer tipo de resistência popular. Assim oficiais da armada, civis armados e líderes da oposição junto com o apoio de pilotos da força aérea arremetram contra Plaza de Mayo. Mais de 300 pessoas morreram naquele dia, mas o objetivo do ataque conseguiu escapar ileso. No entanto, seu governo acabaria sendo derrubado apenas 3 meses depois.

Raúl Alfonsín

O último atentado a um presidente argentino antes dos fatos da semana passada foi para Raúl Alfonsín. O ex-presidente da República encontrava-se num ato de campanha em São Nicolau depois de ter tido que ceder o poder de forma antecipada devido à crise econômica. O homem que tentou matá-lo chamava-se Ismael Darío Abdalá. O mesmo se acerco a 5 metros do palco onde se encontrava Alfonsín e com um revólver disparou para a figura política.

No entanto, apesar do estrondo, a arma falhou graças a que o tambor se atascou. O que deu tempo ao seu guarda-costas para proteger Alfonsín. O ex-presidente, uma vez que se calimou o ruído, agarro o microfone e prosseguiu com seu discurso. Abdalá foi detido, levado a julgamento, declarado inocente por razão de demência mental e depois admitido em um hospital psiquiátrico. Mais tarde, foi posto em liberdade.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
julian stordeur

Julian Stordeur

Olá me chamo Julián, e sou Historiador. Eu tenho especial interesse pela história global e dos grandes movimentos e dentro da minha pesquisa ponho o foco em temas como o nacionalismo e o colonialismo. Sou amador da história e da cultura asiática. Espero que gostem do meu conteúdo.

Visualizações: 0

Comentários