06/10/2022 - Política e Sociedade

Menstruação: Uma problemática que está longe de ser resolvida

Por Serena Alurralde

Menstruação: Uma problemática que está longe de ser resolvida

É importante tomar consciência das dificuldades enfrentadas pela população menstruante apenas pelo simples fato de menstruar. Esta problemática torna-se mais profunda nos setores de mais baixos recursos e nas pessoas que se encontram em situação de rua ou vulnerabilidade.A menstruação é um dos fatores que aumentam a desigualdade entre as meninas, adolescentes, mulheres e homens.

O fosso de desigualdade

Apenas para mencionar um indicador, os produtos de gestão menstrual e higiene feminino têm custos aos quais muitas vezes se torna impossível acessar, gerando uma importante brecha econômica. De acordo com uma pesquisa realizada para a Argentina em 2021, a marca Always (P&G), esta problemática aumentou durante a pandemia e 27% das pesquisadas afirmou que foi mais difícil acessar esses produtos. Em 2022, o custo anual de menstruar usando toallitas femininas é de $ 7.373 e usando tampões $ 7.745 (segundo o relatório do Ecofeminita).O problema começa no dia um: durante o seu período, muitas meninas e/ou adolescentes se ausentam à escola, e até mesmo abandonam. Com as consequências negativas que isso gera, na Argentina, 1 de cada 5 meninas em idade escolar, não assistem a aulas. O resto dos países da América Latina também não consegue gerir a menstruação pelo que 43% das mulheres preferem não frequentar a escola nesses dias. Isto deve-se não só à escassez de insumos, mas também à precariedade ou falta de instalações necessárias nas escolas, água limpa e corrente para lavar as mãos, e banhos com privacidade, entre outras múltiplas razões.Neste contexto, gera-se uma desigualdade na educação: se as mulheres tivessem as mesmas oportunidades de receber uma educação completa e livre de ausentismos, é mais provável que no futuro estejam mais capacitadas para tomar decisões nas suas casas, que não sofram violência e que gozem de um maior bem-estar psicológico e físico.

A menstruação continua sendo um tabu

Apesar de ser um tema ancestral, paradoxalmente, a menstruação continua sendo um tabu e, chegando ao século XXII não há informação precisa e pragmática. Apesar de ser um estado normal para todas as pessoas que têm útero, muitas se sentem envergonhadas ao não saber como reagir quando têm sua primeira menstruação. Pior ainda, o único mencionar gera uma vergonha que leva a recorrer a códigos ou sinônimos, e até a utilização de frases com nomes de homens: “vinos Andrés”.Não temos uma educação menstrual adequada desde cedo e a isso somamos que os homens também não sabem como se comportarem. Por acaso falamos alguma vez com os nossos pais sobre o nosso período? A combinação não ajuda.Diante da nossa primeira menstruação, quantas vezes ouvimos dizer; “felicitações, você se converteu em mulher”. As meninas que menstrúan não são mulheres, ainda são meninas. Por exemplo, em alguns lugares, de acordo com uma publicação do ano 2019 da UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas), entendem a menstruação como um sinal de que as meninas estão em condições para o casamento, o início da sua vida sexual e até uma maternidade precoce: todas queremos ser mães?Estas situações promovem a violência sexual, o tráfico de mulheres e o casamento infantil. "Meu pai me disse que me iam casar", Ele referiu ao UNFPA uma menina queniano de 13 anos ao descrever o início da puberdade. Quando chegou o período, relatou, "Eu me senti envergonhada de ser menina, e parecia um castigo".Como se isso fosse pouco, a invisibilização e a falta de meios para entender corretamente esse processo tem graves consequências desde a presença de infecções, gravidezes indesejadas, problemas de saúde até infertilidade.Com o objetivo de gerar mais consciência às pessoas sobre esses e outros desafios, a plataforma global de Hygiene Day desde 2014, reúne setores privados, mídia, organizações sem fins lucrativos, setores do governo, entre outros atores para promover a boa saúde e a higiene menstrual.Como outro exemplo positivo, para enfrentar a problemática da pobreza menstrual na Argentina, Always entregou mais de 1 milhão de toalhetes ao longo de 347 escolas para que mais de 10.000 meninas continuem com sua vida cotidiana. Esta classe de iniciativas ajuda, mas não alcança. É necessária a concepção de políticas públicas a longo prazo e a articulação de todos os atores públicos e privados para que, em conjunto, tomem ação frente à problemática que enfrentamos.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
serena alurralde

Serena Alurralde

Olá! Sou Serena, lic. em Relações Internacionais da Universidade Torcuato Di Tella. Obteve o diplomado de Igualdade e Empoderamento da Mulher na Universidade de Salamanca. Eu adoro poesia e música. Escrevi e recito em eventos de leitura ao vivo.

Visualizações: 3

Comentários