11/07/2022 - Política e Sociedade

Nós, o povo argentino

Por Lucía Yaryura Tobías

Nós, o povo argentino

“Nós, o povo”, assim começa o preâmbulo da Constituição dos Estados Unidos. Estas três palavras podem passar despercebidas, mas são a base de todo o documento, pois estabelece a quem pertence. A Constituição é do povo; é o povo que tem o poder e decide como vai se organizar os Estados Unidos.No seu último discurso desde o escritório oval, Ronald Reagan referiu tudo o que essas três palavras significam ao sustentar que: “Nós o povo” dizemos ao governo o que fazer, não ao contrário. “Nós somos o motorista e decidimos para onde ir, por que caminho, e a que velocidade. Nossa Constituição é um documento onde “nós o povo” dizemos ao governo o que pode fazer. “Nós o povo” somos livres.Nossa Constituição Nacional não começa assim. Embora tenhamos utilizado como referência o precedente americano, o preâmbulo da Constituição Argentina começa com “Nos, os representantes do povo argentino”. A ideia central é a mesma: o povo é quem tem o poder; no entanto, aqueles que decidem como se vai organizar o nosso país e consagram os direitos básicos que tem esse povo, são nossos representantes.As palavras não foram escritas aleatoriamente, foram escolhidas. O preâmbulo da nossa Constituição tem um sentido e uma razão de ser e, optar por estabelecer que são os representantes que a redigim, também.Há muitos anos, muitos dos nossos representantes pensam que são eles que nos “dan” os nossos direitos – que hoje parecem benefícios – e que são eles que podem estabelecer como funciona, se desenvolve e se organiza o nosso país sem considerar o que quer e precisa o povo argentino. É importante, então, lembrar que somos nós, o povo argentino, os manchetes desse poder e que decidimos delegar-lo em nossos representantes para que gobiernem em vista do bem comum.Nós, o povo argentino, somos quem pertence o poder. Nós, o povo argentino, somos aqueles que representam e, portanto, quem deve pensar na hora de governar. Nós, o povo argentino, os escolhemos para ocupar os cargos que ocupam. Nós, o povo argentino, somos.A nota também pode ser lida na página mudançayfuera.com.ar

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
lucia yaryura tobias

Lucía Yaryura Tobías

Olá, sou Lúcia Yaryura Tobías e estudo direito na Universidade de Buenos Aires. Sou apaixonada por aprender, conhecer novas culturas e discutir sobre eventos atuais. Escrevio para dar a conhecer minhas opiniões e vivências e para enriquecer-me com as devoluções dos outros.
No meu tempo livre jogo futebol, leio, e passo tempo em família.
Trabalho na Defensoria Geral da Nação, participei em competências de direito internacional, sou assistente aluna do CPO. O que escrevo reflete quem sou, então convido-os a ler minhas notas.

Visualizações: 0

Comentários