09/04/2024 - Política e Sociedade

NOVA IORQUE: ESTUDANTES ARGENTINOS REUNIRAM-SE COM LÍDERES EMPRESARIAIS E DECISORES POLÍTICOS NA UNIVERSIDADE DE COLUMBIA

Por stefania bargardi

NOVA IORQUE: ESTUDANTES ARGENTINOS REUNIRAM-SE COM LÍDERES EMPRESARIAIS E DECISORES POLÍTICOS NA UNIVERSIDADE DE COLUMBIA

8 de abril de 2024, Nova Iorque

Estudantes e dirigentes argentinos na Universidade de Columbia, onde se realizou a conferência. Líderes políticos e empresariais reuniram-se em Nova Iorque no âmbito da nona edição do Masters Argentina, um congresso que reúne anualmente estudantes argentinos que prosseguem estudos de pós-graduação no estrangeiro.

Esta edição, que teve lugar na Universidade de Columbia, foi denominada "Do Potencial à Realidade" e centrou-se na criação de espaços de debate a partir de diferentes perspectivas sobre as oportunidades de crescimento na Argentina. O evento reuniu mais de 220 convidados de diferentes áreas. Participaram mais de 30 líderes argentinos de diferentes sectores, mais de 150 estudantes de pós-graduação argentinos e 40 licenciados residentes nos Estados Unidos.

A conferência contou com a presença de líderes políticos e antigos funcionários como Horacio Rodriguez Larreta, Juan Schiaretti, María Eugenia Vidal e Nicolás Dujovne. Participaram também dirigentes e referências do sector privado, como Horacio Marin, Sergio Kaufman e Daniel Rabinovich. Argentina no Contexto Global Salão principal do Conselho das Américas, onde na sexta-feira foram proferidas as palavras de boas-vindas do evento, seguidas pela participação de Sergio Kaufman e Emmanuel Ferrario.

A nona edição do Masters Argentina teve lugar durante o fim de semana em 3 locais diferentes na cidade de Nova Iorque. Começou na sexta-feira, 5 de abril, com uma receção no prestigiado Council of the Americas, onde os participantes foram recebidos com empanadas e vinho argentino. Seguiu-se a participação de Sergio Kaufman, líder da Accenture para a América Latina e Ásia, que foi entrevistado por Emmanuel Ferrario, Legislador da Cidade de Buenos Aires. Ferrario explorou as oportunidades que o contexto global, marcado por tensões geopolíticas e processos de regionalização, oferece à Argentina; analisou como podemos capitalizar as nossas vantagens comparativas: recursos e talento. Por sua vez, Kaufman afirmou: "A Argentina é uma fonte inesgotável de novas oportunidades; o que nos falta é aprender a aproveitá-las. Começa por aprender com o resto do mundo e replicar o que outros países fizeram bem". Para concluir o dia, partilhou uma reflexão dirigida aos estudantes: "Viajar é transformador; e a viagem que estão a fazer vai enriquecer-vos de muitas maneiras. Mas garanto-vos que em nenhum outro lugar do mundo terão um impacto potencial tão grande como na vossa própria terra.

A segunda atividade foi uma série de painéis que tiveram lugar na Universidade de Columbia, no sábado, dia 6. O bloco da manhã começou com uma discussão sobre os desafios do empreendedorismo na Argentina, onde estiveram presentes Marta Cruz da NXTP Ventures (uma das empresas de capital de risco mais consolidadas da América Latina, com mais de 200 investimentos) e Federico Marque da Gridx (um fundo pioneiro em termos de investimento em projectos que combinam ciência com negócios), bem como empresários da OncoPrecision e da Fligoo, empresas em que investiram. "São os empresários que nos escolhem. E nós também somos empresários, mas numa perspetiva de investimento", disse Cruz. Reformas para a Argentina do futuro O ex-ministro das Finanças Nicolás Dujovne e a consultora Marina dal Poggetto debateram o atual plano económico e a sua orientação. Dujovne fez uma avaliação otimista das medidas tomadas pelo governo, criticando as políticas da administração anterior, que descreveu como "populistas" e responsáveis por um "homicídio macroeconómico" desde 2006. Segundo ele, as actuais políticas de correção fiscal, desregulamentação do mercado de trabalho e ênfase na importância do sector privado na geração de valor são os passos certos para a recuperação e o crescimento. Apesar de reconhecer que estas medidas podem contrair a economia a curto prazo, considera-as necessárias para a correção e sustentabilidade a longo prazo, com a ressalva de que continuam a ser necessárias reduções fiscais e a eliminação do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares.

Em contrapartida, Dal Poggetto salientou que a ausência de apoio popular e de consenso político são condições necessárias para o êxito das reformas e que as decisões do atual governo vão no sentido contrário e são difíceis de inverter. Salientou que, sem estas condições, o futuro económico do país permanece incerto. Por seu lado, a antiga governadora de Buenos Aires, Maria Eugenia Vidal, sublinhou a urgência de resolver a crise social e educativa, evidenciada pelas baixas taxas de conclusão do ensino secundário. Reconheceu a importância de "quem manda é o macro", mas sublinhou que "não há progresso possível numa Argentina onde as crianças do terceiro ano não conseguem compreender o que lêem". Ao mesmo tempo, sublinhou que é necessário tomar medidas urgentes para melhorar os resultados sociais e educativos; e que o acordo neste sentido deve ser "um acordo social", porque "quando a sociedade assimila uma mudança, não há volta a dar, e nem a política nem ninguém a pode desfazer". Por último, sublinhou que é possível atuar nestes domínios sem descurar a estabilidade macroeconómica, apelando a que as políticas tenham em conta ambos os aspectos para um desenvolvimento integral.

Paula Cardenau, Directora Executiva da Arbusta, acrescentou a perspetiva de integração a partir do sector privado, explicando que "o modelo de negócio da Arbusta mudou radicalmente a forma como olhamos para o talento, considerando o futuro e o emprego como uma verdadeira liberdade para aqueles que não tinham outra oportunidade". Por último, Juan Maquieyera, Diretor Executivo do TECHO Argentina, salientou a importância de apostar na integração sócio-urbana nos bairros pobres. Explicou que "a verdadeira liberdade começa com um lugar seguro para viver, estudar e permitir que os seus filhos cresçam" e sublinhou que "todos temos a capacidade de contribuir para uma Argentina sem pobreza através de soluções inovadoras".

Juan Maquieyra (TECHO), Paula Cardenau (Arbusta), María Eugenia Vidal e Camila Corbalán (Beccar Varela), entrevistados por Agustina Rodríguez Biasone, estudante do MIT Sectores com presente e futuro Horacio Marin, CEO da YPF, apresentou à audiência o seu plano "YPF 4x4", com o qual aposta em quadruplicar o valor da empresa nos próximos 4 anos. "Não convencional é o futuro e é nessa direção que queremos levar a empresa. Os recursos são limitados e o nosso objetivo tem de ser investir da melhor forma possível para a empresa", afirmou Marin. Quanto à execução do seu plano, convidou o público a fazer parte da transformação. "A execução do plano é o mais importante e requer pessoas qualificadas. Vim aqui para vos dizer que quero que voltem à Argentina e apostem na YPF", disse no final de um discurso que emocionou todos os presentes. Horacio Marín (YPF) apresentando a estratégia da empresa.

O bloco da tarde centrou-se nas indústrias consideradas estratégicas para o futuro da Argentina. Algumas delas incluíram sectores que já têm uma importância proeminente no PIB argentino, como a agricultura, representada por Luis Colmegna de Lartirigoyen, que afirmou que "a Argentina em 2030 pode produzir 170 milhões de toneladas de cereais e abastecer 400 a 700 milhões de pessoas, mas para isso são necessárias infra-estruturas". Do lado da indústria de consumo de massa, Pablo Panizza, da AB InBev, empresa-mãe da Cervecería y Maltería Quilmes, destacou a importância do consumidor e do mercado argentino. "A Quilmes emprega 6.000 pessoas, mas quando se olha para a cadeia de valor alargada, tem um impacto em mais de 130.000 pessoas. Isto gera um impacto muito positivo nas economias regionais, desde o campo onde nasce o nosso principal ingrediente, a cevada, até ao consumidor", afirmou. Os outros dois sectores estratégicos presentes foram o petróleo e o gás e a exploração mineira, que foram representados por Pablo Vera Pinto, da Vista Energy, e José Aggio, da Lithium Argentina. Pablo Vera Pinto destacou a grande oportunidade que Vaca Muerta representa para o país: "Através de Vaca Muerta, a Argentina tem a possibilidade de fornecer ao mundo uma energia fiável, acessível e sustentável". O executivo também observou que, até 2030, Vaca Muerta poderia triplicar sua produção e, assim, gerar divisas de mais de 20 bilhões de dólares. Aggio comentou: "O desafio número um no sector do lítio é a infraestrutura. Há 25 projetos de lítio na Puna, mas não há estradas suficientes e não há energia.

A deputada nacional Daiana Fernández Molero (PRO) complementou a discussão do ponto de vista político e destacou a necessidade de os sectores dinâmicos e modernos terem representantes que defendam os seus interesses. O evento também contou com a presença de executivos do setor de fintech, no qual a Argentina é pioneira, incluindo representantes da Ualá, Mundi, Sidom e Clo. Nesta conversa, eles nos deram uma visão valiosa do setor, destacando como a inovação com tecnologia em indústrias tradicionais é fundamental para quebrar o status quo, e também como o talento argentino e a busca por investidores estratégicos, "Smart Money", são essenciais para continuar impulsionando seu crescimento. Os líderes de alto impacto Juan Schiaretti e Horacio Rodriguez Larreta entrevistados pela estudante de Columbia Magali Mayo.

A parte final do evento em Columbia contou com dois painéis de alta tensão. Primeiro, uma conversa sobre representação política na Argentina com Horacio Rodriguez Larreta e Juan Schiaretti. Ambos os oradores reflectiram sobre os primeiros 100 dias do governo de Javier Milei, sublinhando que o consenso pode ter falhado como estratégia eleitoral, mas está a revelar-se um fator limitativo na governação. Na mesma linha, Horacio Rodriguez Larreta indicou que "as únicas mudanças que valem a pena são as que se concretizam e perduram no tempo" e que para isso "as três coisas que são necessárias para transformar a Argentina são a visão - 'o plano' -, o acordo político e a gestão. Todos os três são igualmente importantes.

Por outro lado, Horacio acrescentou que "é uma hipocrisia falarmos de liberdade se não garantirmos a igualdade de oportunidades. Atualmente, uma criança que nasce na pobreza na Argentina (quase 50%) não tem liberdade de escolha na vida. Isto só se consegue com um Estado que funcione, como demonstrámos na Cidade de Buenos Aires". Por sua vez, Juan Schiaretti comentou que "o presidente que o povo elegeu deve ter a oportunidade de aplicar o seu plano de governo", destacando a necessidade de "combater o défice fiscal e a evasão fiscal". Não temos nada a ver com o kirchnerismo, que foi absolutamente responsável pelo declínio dos últimos 20 anos, que colonizou todo o peronismo, exceto o peronismo de Córdoba", afirmou o ex-governador sobre o seu próprio espaço político. Daniel Rabinovich (Mercado Libre) e Federico Eisner (Bain & Company)

O último painel foi um debate individual entre Daniel Rabinovich, COO do Mercadolibre, e Federico Eisner, sócio sénior da Bain & Company. A conversa girou em torno do caminho percorrido pelo maior unicórnio da Argentina para escalar a empresa de uma garagem em Buenos Aires para toda a América Latina. Daniel Rabinovich falou sobre a importância de uma liderança saudável, da construção de equipas competitivas e empenhadas e da coragem de tomar decisões difíceis no momento certo. "Corajoso não é aquele que toma decisões difíceis quando as coisas estão a correr mal... Nesse caso, todos nós agimos de forma mais ou menos semelhante, com um sentido de urgência. Corajoso é aquele que toma decisões difíceis mesmo quando não há pressão para fazê-lo, mas está convencido de que é a coisa certa a fazer", enfatizou o executivo do MercadoLivre.

À noite, o evento foi encerrado com um encontro no Consulado da Argentina em Nova York, onde o cônsul Pablo Martín Piñeiro fez o discurso de encerramento da nona edição do Masters Argentina. Os organizadores destacaram que a edição de 2024 foi uma edição recorde impulsionada pelo aumento da presença de estudantes argentinos entre as melhores universidades do exterior e disseram que esperam superá-la em 2025, por ocasião do décimo aniversário do evento, uma edição que promete ser imperdível.

Masters Argentina é uma organização apartidária, sem fins lucrativos, formada por estudantes que mantêm sua paixão e compromisso com seu país mesmo à distância. A equipa organizadora foi composta por Agustín Artero, Agustina Rodriguez Biasone, Bahía Gatti, Bea Toribio, Candela Loreti, Francisca Schmidt-Liermann, Facundo Valdemoros, Juan Hevia, Juan Pablo Sin, Julieta Cheb Terrab, Luciano Sanguino, Lucas de Caboteau, Magalí Mayo, Pablo Sumaria, Sara Casaretto e Victoria Ingham. Os organizadores comunicaram que, em termos de figuras públicas, o convite para participar no evento foi alargado a representantes de um amplo espetro de partidos políticos, incluindo: La Libertad Avanza, Partido Justicialista/Unión por la Patria, Propuesta Republicana e Unión Cívica Radical. Patrocinadores: Accenture, YPF, Lartirigoyen, Vista Energy, Lithium Argentina, Clo, Sidom, Supervielle, Havanna, Arcor, Luigi Bosca, Talenters e Young Professionals of the Americas. Sobre Masters Argentina Masters Argentina é uma associação que desde 2016 conecta estudantes argentinos de pós-graduação em todo o mundo. O objetivo é construir uma comunidade diversa que reflita em conjunto sobre os desafios que o nosso país enfrenta e encontre pontos de consenso para a ação. O que são as conferências? São encontros anuais que visam reunir durante um fim de semana estudantes argentinos de mestrado e pós-graduação que estudam no estrangeiro. São também convidados líderes políticos e económicos, empresários e outros membros proeminentes da sociedade. São proferidas palestras e gerados espaços de debate com vista ao crescimento da Argentina. As conferências são organizadas pelos próprios estudantes, que trabalham com meio ano de antecedência.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
stefania bargardi

stefania bargardi

Olá, eu sou a Stefanía, uma analista internacional dedicada à consultoria e à investigação. Sou formada em Relações Internacionais e Ciência Política pela UCA e pós-graduada em Negócios Internacionais pela UADE. Recebi uma bolsa de estudos do BID e da Embaixada dos EUA na Argentina para especializações em comércio internacional e EUA.
Também recebi uma bolsa de estudos do BID para um curso de pós-graduação em Direito do Comércio Internacional na Universidade de Genebra.
Convido-vos a conhecer o mundo da geopolítica internacional através dos meus artigos.

TwitterLinkedinInstagram

Visualizações: 28

Comentários