08/09/2023 - Política e Sociedade

Por que a Argentina não deveria entrar nos BRICS?

Por Delfina Maglier

Imagen de portada
Imagen de portada

Durante a última cimeira de Chefes de Estado dos BRICS em Johanesburgo, a Argentina foi admitida como Estado Membro do grupo dos BRICS, a partir de 1 de janeiro de 2024. Penso que isto não é a abordagem adequada para a nossa política externa, nem é o sinal que queremos dar ao mundo.

Em primeiro lugar, não é o momento certo Pelo contexto político em que a Argentina enfrenta hoje. Esta decisão de suma importância geopolítica leva-se a três meses de terminar o mandato presidencial e num panorama em que o oficialismo saiu terceiro nas eleições primárias de meados de agosto.

Além disso, também não é o momento em termos do contexto internacional. Estamos a entrar num bloco em que a Rússia é membro fundador, no meio da invasão à Ucrânia e na qual Putin é considerado pela maior parte do mundo um "inimigo". Que sinal estamos dando ao resto do mundo? Num cenário de rivalidade comercial com a China, esta abordagem poderia impactar a nossa relação com os EUA e as negociações com o FMI.

Isto soma-se ao facto de que o rendimento do bloco implica fazê-lo com Iran, um país acusado dos piores atentados terroristas em nosso país, considerado praticamente um "inimigo" do Estado argentino após a confirmação da implicação de ex-funcionarios iranies nas investigações em torno dos atentados.

Associar-nos num bloco onde a maioria dos Estados-Membros que integram o organismo não partilha a mesma visão em torno da democracia e dos direitos humanos, entre outros valores que nós queremos promover, não só é um risco em si mesmo, mas também é claro que a retórica do grupo pretende desafiar a ordem global e apresentando-se como um espaço que implica uma alternativa ao Ocidente.

Isto não significa que devemos distanciar-nos destes países, mas penso que no comércio externo como um imperativo para o nosso desenvolvimento. É claro que o nosso interesse nacional deve ser regido pelo comércio e promover investimentos, e para isso devemos estar abertos a todos estes países que têm uma grande percentagem do PIB global (36%). No entanto, a adesão ao BRICS não representa qualquer vantagem pautal, nem foi observado um aumento significativo do investimento directo estrangeiro entre os membros do bloco.

Além disso, para obter empréstimos não é necessário mais do que entrar no NDB (New Development Bank), que é o banco do bloco. Para entrar no banco, não é necessário ser membro do bloco como é o caso tanto Bangladesh como do Uruguai iniciaram processos de internação sem serem membros plenos do bloco. E mesmo assim como A Argentina entrou para a Ásian Infrastructure Development Bank em 2021.Por isso, não falo simplesmente dar um passo ao lado do bloco e rejeitar o convite. Entendo que não podemos dar o dujo de desprezar este convite, sobretudo porque tem sido defendida publicamente pelo Brasil, país com o qual temos que privilegiar nossas relações bilaterais. Mas dado o argumento, acho que nosso foco deve ser apontar para o ingresso do banco dos BRICS Para obter vantagens comerciais e aceder a empréstimos, sem necessariamente ficar encanhados num bloco que pretende desafiar o Ocidente ao qual decidimos pertencer.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
delfina maglier

Delfina Maglier

Licenciatura em Estudos Internacionais, Universidade Torcuato Di Tella. Assessor de Política Internacional. Com um forte interesse em assuntos públicos e políticos, e uma formação em política internacional, do Conselho Argentino de Relações Internacionais (CARI) e do Governo da Cidade de Buenos Aires. É bolseira Fulbright no programa "Seminário Internacional para Jovens Líderes" e estudou na School of International Service (SIS) da American University, Washington DC.

Twitter Linkedin

Visualizações: 1

Comentários