08/04/2024 - Política e Sociedade

Respeito pela propriedade privada

Por horacio gustavo ammaturo

Respeito pela propriedade privada

Catanzaro é uma cidade em Itália, capital da região da Calábria.


É conhecida como a cidade entre dois mares, uma vez que se situa num ponto da península itálica onde o mar Tirreno se encontra com o mar Jónico.


Com uma população de pouco mais de 90.000 habitantes, as principais actividades económicas da Calábria são o turismo e a indústria têxtil, famosa pelos seus veludos.


Muitas famílias calabresas emigraram desta região para o nosso país durante as duas guerras mundiais, muitas das quais se estabeleceram no bairro de La Boca.


Chicho é um imigrante calabrês que vive no bairro de Avellaneda.


No ano passado, sofreu dois assaltos em sua casa.

Num deles, foi feito refém durante mais de duas horas. Nessa ocasião, roubaram-lhe, entre muitas outras coisas, a aliança de casamento e um relógio antigo, presente do seu pai.


Talvez perante um trauma tão extremo, a efemeridade da vida em tempos de insegurança levou-o a organizar uma viagem para visitar o local onde nasceu, o local de onde ele e os seus pais tinham partido cerca de 73 anos antes.


Guardou a morada da casa onde viviam e as histórias que os avós, os pais e os tios lhe contavam vezes sem conta. Lembrou-se de anedotas sobre os vizinhos e as características urbanas daquela que foi outrora a sua aldeia.


Finalmente, acompanhado pela mulher, chegou à porta daquela casa abandonada, mas preservada. Perguntou a um vizinho se vivia lá alguém e recebeu como resposta que os donos tinham saído há muitos anos e, segundo o que a sua avó lhe tinha contado, tinham ido para a Argentina.


Sem querer arranjar problemas, Chicho dirigiu-se à esquadra dos Carabinieri (polícia italiana) mais próxima para se apresentar e perguntar se haveria algum problema se entrasse na casa.


Pediram-lhe um dia para verificar se o nome de domínio registado correspondia ao seu apelido.


Na tarde seguinte, recebeu uma chamada a dizer " bem-vindo a casa".

Demorou dois dias a ganhar coragem para voltar a entrar no sítio onde nasceu em 1940.


Um serralheiro ajudou-o a abrir a pesada porta.

Num piscar de olhos, recuou 80 anos no tempo.


Os móveis, os tecidos gastos, as louças e os talheres, os lençóis e as cobertas de veludo cor de vinho, tudo está intacto, perdido e parado no tempo.


Nada nem ninguém tinha entrado.


O tempo que passou respeitou o passado, deixando-o intacto.


Esta história, que é verdadeira, é um exemplo do que representa o conceito de propriedade privada.


Nada poderia ser mais claro.


Nem criminosos, nem oportunistas, nem o Estado, sob qualquer forma, interferiram na vontade e nas circunstâncias desta família.


A segurança jurídica envolve todas as partes.


Em primeiro lugar, o respeito entre pares, pois os vizinhos, conscientes do abandono, respeitaram a decisão dos seus proprietários.

Em segundo lugar, a coerência da administração pública, longe de aplicar impostos absurdos e de leiloar bens para demonstrar o seu poder de expropriação, acompanhou rapidamente o herdeiro para que este pudesse tomar posse dos seus bens.

Terceiro, uma legislação e uma justiça previsível, que há mais de 80 anos coloca o direito à propriedade privada acima da politicagem barata.


É provavelmente por causa de questões como esta que os países estão como estão.


Na Argentina, especular sobre soluções mágicas serve apenas para, durante algum tempo, varrer a poeira para debaixo do tapete, sem lidar com as verdadeiras questões que nos afastaram enquanto sociedade.


Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 18

Comentários