12/02/2024 - Política e Sociedade

Tucker Carlson e o monólogo de Vladimir Putin

Por Jose Daniel Salinardi

Imagen de portada
Imagen de portada

Uma produção jornalística destacada, mas sem os resultados informativos esperados. Foi apenas uma entrevista? Ou Putin quis enviar uma mensagem?

Desde a sua polêmica saída da Fox News, o popular apresentador gerou três eventos jornalísticos de convocatória em massa, onde os participantes contam por dezenas de milhões, que ainda podem ser vistos através da sua conta de X (ex Twitter) e da sua web ̈The Tucker Carlson Network ”.

O primeiro foi uma entrevista ao ex-presidente Donald Trump, que foi gravada para se emitir no mesmo dia (23 de agosto de 2023) e à mesma hora do primeiro debate entre os candidatos presidenciais do partido republicano. Foi um sucesso desde o seu anúncio, já que, embora Trump tivesse podido estar presente no debate, decidiu não participar e ironicamente declarou que "o olharia pela televisão para ver se entre os participantes havia algum que qualificara para acompanhá-lo como vice-presidente". Trump em estado puro. A audiência em X superou a da Fox News, encarregada de transmitir o evento político republicano, e Carlson começava a saborear a sua "venção" contra seu antigo empregador.

Em setembro de 2023, Javier Milei, então candidato a presidente da Argentina pelo partido La Liberdade Avançada, que por suas propostas e personalidade se tornou uma figura política de transcendencia internacional. E continua a ser. Milei é hoje o presidente do seu país e a entrevista é considerada como “a mais vista da história”, superando inclusive Donald Trump, por quem o presidente argentino declarou sua admiração em repetidas oportunidades. O ex-presidente dos Estados Unidos também fez público seu apoio a Javier Milei, com uma saudação afectuosa publicada nas redes sociais ao se conhecer seu triunfo em segunda volta sobre o candidato oficialista do kirchnerismo, Sérgio Massa, nas eleições presidenciais realizadas na Argentina em novembro de 2023.

Há poucos dias, na quinta-feira, 8 de fevereiro mais precisamente, e depois de meses de um trabalho silencioso de organização, Carlson volta a surpreender com uma entrevista chocante. Nada mais e nada menos que o presidente da Rússia, Vladimir Putin. A figura enigmática do mandatário russo, as múltiplas acusações e suspeitas que o têm como protagonista, a guerra com a Ucrânia e a relação com os Estados Unidos, entre outras questões, fizeram com que a audiência fosse contada por milhões novamente. Mas embora as conquistas anteriores de Carlson com Trump e Milei sejam inquestionáveis, esta vez não parece acontecer o mesmo.

Mais do que uma entrevista, foi um monólogo de Putin, onde Carlson de vez em quando podia intercalar alguma frase ou pergunta, que imediatamente eram cortadas pelo russo, que manejo o encontro com mestrado jornalístico. Muitos leitores podem não concordar conosco nesta apreciação, mas há duas proeminentes publicações internacionais que marcaram suas dúvidas sobre a ̈entrevista ̈ de Carlson.

The Economist, por exemplo: "Tucker Carlson não pôde demorar muito a entender que sua entrevista com Vladimir Putin poderia não sair conforme planejado. ̈

“A sua primeira pergunta foi sobre a ameaça que representam para a Rússia a OTAN e os Estados Unidos. A resposta do presidente foi uma longa disquisição sobre o reinado medieval de Yaroslav, o Sabio e as depredações da horda mongol. ̈

"Putin deu a impressão de ser um desses chiflados que se obceam com um fragmento arcano da história, exceto que sua obsessão (a reivindicação histórica da Rússia sobre a Ucrânia) é apoiada por um arsenal nuclear. ̈

Nós acrescentamos que a primeira resposta à que se refere The Economist durou aproximadamente 20 minutos sobre uma entrevista de duas horas.

O Financial Times foi um pouco além do questionamento em uma de suas colunas: "Tucker Carlson: é um idiota útil de Putin?" "Vladimir Putin e seus aliados tocaram temas-chave amados pela direita trumpista americana, como a oposição ao aborto e a hostilidade à "propaganda" LGBTQ. ̈

̈O presidente russo e Tucker Carlson compartilham alguns dos mesmos aliados, escreve Gideon Rachman, columnista chefe de Assuntos Internacionais do destacado diário britânico.

Quando começaram a se conhecer as versões sobre a possibilidade de esta entrevista ser realizada, muitos analistas e meios de comunicação acreditaram ver atrás da própria organização a figura de Donald Trump. Agora o ratificam. Se aceitarmos que as respostas de Putin foram sinceras (Hummm...), as suas declarações sobre como William ̈Bill ̈Clinton fechou a Rússia o ingresso à OTAN, a sua recusa diante da pergunta sobre a possibilidade de uma invasão à Polónia, a já mencionada oposição ao aborto e suas ideias contrárias ao movimento LGBTQ, o aproximam bastante dos postulados da direita americana. Mas a verdadeira chave parece estar em uma pergunta que Putin faz a Carlson: “Por que os soldados americanos têm que lutar na Ucrânia? Não têm nada melhor que fazer?

Uma questão fundamental num momento em que o Congresso dos EUA debate a continuidade ou não da ajuda económica e militar à Ucrânia, que encontra a sua oposição mais firme no partido republicano.

Na alta política, nada se diz por si. Putin inventou esta pergunta e aproximou-se ainda mais daqueles que rejeitam a participação dos EUA no conflito na Europa. Quantas coincidências não poderiam ser o ponto de partida para o diálogo caso houvesse uma mudança de sinal político no governo dos Estados Unidos a partir de novembro? Putin está enviando uma mensagem críptico através de Tucker Carlson? Sendo assim, a classificação do Financial Times sobre a figura do jornalista apenas apontaria um titular de impacto, uma vez que o reconhecimento do seu colunista sobre a existência de aliados comuns entre Carlson e Putin só pode conduzir a Donald Trump. E Tucker teria feito um excelente trabalho.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
Jose Daniel Salinardi

Jose Daniel Salinardi

Jose Daniel Salinardi es Contador Publico Egresado de la Facultad De Ciencias Económicas de la Universidad de Buenos Aires.

Twitter Linkedin Youtube Instagram

Visualizações: 3

Comentários