11/03/2022 - Política e Sociedade

Ucrânia olha para melancolia a pandemia

Por augusto macias

Ucrânia olha para melancolia a pandemia

O mundo do século XXI aumentou a sua velocidade exponencialmente durante apenas duas décadas. Novos e mais rápidos transportes conseguiram que as distâncias se acortem e a Internet permitiu a comunicação instantânea e a multiplicação do tráfego de imagens e mensagens.

A vertiginosidade do mundo atual produz uma inércia da qual o homem atual parece não poder sair e deveria passar de um estádio para outro ao ritmo de um chasquido de dedos. Nesta situação estão agora os ucranianos, para quem a pandemia ficou forçadamente atrás.

Eles estão vivendo em uma situação completamente oposta à transitaram desde princípios de 2020. Nessa altura, eram obrigados a permanecer nas suas casas, enquanto que agora muitos devem escapar deles, das suas cidades e até do seu país. Segundo os números que o ACNUR disse, os refugiados já são mais de um milhão, cujo 50% foi para a Polónia. O resto mudou-se principalmente para a Hungria, Moldávia e Rússia1. Com o Covid, os ucranianos tinham um lugar digno onde se esconder.

Anabell Sotelo, atriz ucraniana de pais latino-americanos, está agora vivendo no subterrâneo do teatro onde trabalha, em Kiev, junto a outras trinta pessoas, aproximadamente, já que constantemente chegam novas pessoas e outras fogem a outros países. "Em Kiev ainda funcionam algumas lojas, como farmácias e nós saímos dentro dos horários seguros para ajudar civis com medicamentos ou levar os idosos à estação de trem", contou Sotelo, que sobre sua situação emocional sustentou: "Temos muita resistência e estamos preparados para lutar. Por isso, não temos tempo para chorar ou ficar tristes. Graças à pandemia estamos preparados ao encierro. Desenvolvemos uma habilidade para suportar essa situação da melhor maneira".Outro paradoxo que deixa esta guerra, é que militares de um lado e do outro. A NATO/Ucrânia e a Rússia- estão a planear estratégias, organizando os seus combatentes, calculando onde lançar os seus mísseis e visualizando possíveis cenários em que este conflito irá resultar. Embora pareça estar pensando, ninguém em seu julgamento saudável poderia afirmar que ambas as partes estão usando a cabeça. Neste século, parece ilógico e imperdoável que os interesses de alianças militares e de burocracias políticas levem milhões a ter frequentes pesadelos pelo resto dos seus dias.

Há relatos sobrados do que implicaram a primeira e a segunda guerra mundial. Pensadores judeus como Theodor Adorno e Max Horkheimer, depois de escapar das garras de Hitler, refletiram sobre a ilusão de racionalismo dentro da era que vivemos: “O que sempre aconteceu ao pensamento triunfante: enquanto abandona voluntariamente seu elemento crítico e se torna mero instrumento ao serviço do existente, contribui sem querer transformar o positivo que tinha feito seu em algo negativo e destruidor. [...] As metamorfoses da crítica em afirmação afetam também o conteúdo teórico: sua verdade se volatiliza” (Horkheimer e Adorno, P. 52). 2Há tantos engenheiros, altos militares e políticos usando toda a sua destreza para destruir o outro - e acima fora do seu território -, enquanto deixam de lado os grandes problemas que perseguem a humanidade e as mudanças climáticas e a fome mundial.

Taras Yagofarov, por sua vez, é outro ucraniano, mas com relativamente maior tranquilidade que Anabell, já que está em uma cidade garota chamada Stryi, onde não houve bombardeios nem combates até agora. Ainda assim, sua vida mudou drasticamente, inclusive em aspectos que jamais pensou: "Eu sou bilíngue e na minha casa se fala russo. Nesta região, é fundamentalmente usado o ucraniano. Em geral, não havia problema com isso, até que começou esta guerra. Principalmente porque a Rússia enviou espiões e quando as pessoas aqui me escutam falar, desconfia de mim porque está alerta. O outro dia, enquanto falava com a minha esposa por celular, me pararam para me pedir os documentos"."Obrigado a Deus não perdemos ninguém próximo, mas sim meus amigos que vivem em outras zonas do país. A distância é de duas pessoas. Eu tenho medo de meus pais e minha avó que estão na capital e que podem ser vítimas de qualquer bombardeio."Ele acrescentou. Embora, apesar do medo, afirmou que não escaparia do seu país. "Nós vamos resistir até o final. Embora queiram nos eliminar com foguetes nucleares. Esse é o espírito da Ucrânia. Acreditamos que podemos vencer"Ele disse.

Mas não só os ucranianos, mas todo mundo está em vilo, porque há um botão de distância de uma guerra nuclear sem precedentes; nada demonstra nem garante que os líderes mundiais estão à altura das circunstâncias. O mismíssimo Chanceler russo, Sergei Lavrov, foi o primeiro que mencionou o elefante no quarto: "A Terceira Guerra Mundial seria nuclear e devastadora.Embora a guerra em si mesma seja imprevisível, o analista internacional Julio Burdman afirma que não vê no horizonte uma escalada nuclear, embora assegurou que “Putin e Zelenski estão brincando a ver quem está mais louco”. Quanto ao resultado do conflito bélico, considera que, a longo prazo, a Rússia tem as de ganhar. Parece inevitável que a Ucrânia se parta em duas partes minimamente e que ocorra a saída de Zelenski.

1Ukraine Refugee Situation2 Adorno, Theodor e Horkeimer, Max (1998) “Dialéctica da ilustração”, editorial Trotta

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
augusto macias

augusto macias

Olá, sou Augusto Macias, estudante de Ciências da Comunicação Social em UBA. Trabalho como produtor jornalístico em diferentes rádios e esporádicamente como notero. Interesso-me pela política tanto local como internacional. Além disso, gosto de viajar para descobrir novas paisagens e conhecer como as pessoas vivem em diferentes partes do mundo. Na verdade, fiz isso por um ano e meio, antes de voltar à Argentina para continuar com meus estudos.

Visualizações: 2

Comentários