27/07/2022 - Política e Sociedade

Walt Disney Inclusive?

Por Lucia Boccio

Walt Disney Inclusive?

wp:paragraph


O lançamento do novo filme da Disney "LightYear" gerou uma nova polêmica por uma razão incomum, pelo menos para aqueles que acreditamos viver no século XXI. O alboroto deve-se a uma cena onde duas pessoas do mesmo sexo se beijam nos lábios. O tempo de execução da cena é de apenas 6 segundos de duração. Isso é tudo. Nas redes sociais que se fizeram eco das proibições do filme em 14 países do mundo. A Arábia Saudita, o Egipto, o Kuwait, o Qatar, a Malásia, a Indonésia e a Jordânia são alguns dos territórios onde o filme foi proibido no cinema. Desde o Médio Oriente, eles afirmam que este filme “viola as normas de conteúdo dos meios de comunicação”. Muitos detractores criticaram a fita com comentários homofóbicos, pessoas que se uniram ao boicote contra "Lightyear" defendem que crianças e meninas não têm idade suficiente para ver esse tipo de cenas.

Enquanto os filmes da Disney Pixar se tornam cada vez mais inclusivas, apesar das críticas, os parques mais famosos do mundo também trazem seu grão de areia nesta construção de uma sociedade mais justa e equitativa. Asistí a Disney Hollywood Studios (um dos 4 parques situados em Orlando) com uma menina de 5 anos e enquanto seguimos as indicações para entrar em um auditório, inocentemente me perguntou o que tinha um dos membros do pessoal. É complexo explicar a uma pequena idade por que uma pessoa faltam as pernas, mas é fundamental que as crianças percebam que todo mundo pode viver e trabalhar livremente para além de possíveis limitações. Nos Estados Unidos, o Centers for Disease Control and Prevention (maiormente conhecido como o CDC) estima que 13,7% da população norte-americana com deficiência (61 milhões de pessoas) se refere a uma questão motora, ou seja, cerca de 8,4 milhões de pessoas têm dificuldades motoras crônicas. Enquanto a situação Argentina é diferente, pelo menos isso mostram as estatísticas realizadas pelo INDEC. O Instituto Nacional de Estatísticas e Censos realizou em 2018 um levantamento que aportou os números a seguir: 2,57% da população total argentina tem algum tipo de deficiência motor, portanto, cerca de 1,2 milhões de pessoas. Tomar dimensão quantitativa dos índices de incapacidade nos permite tomar medidas de acordo, tanto aos privados em empresas e vida social, como políticas públicas a nível institucional. A inclusão de pessoal com dificuldades motrices, incluindo rampas, larguras corredores para a formação de filas e auditórios adaptados em todos os jogos, é uma forma de naturalizar as deficiências motrices e assim poder gerar uma sociedade mais abrangente.

Mas talvez a minha maior surpresa chegou quando, em uma das atrações de Indiana Jones, uma mulher com uma malformação em uma de suas mãos apareceu no centro da cena para realizar a interpretação em língua de sinais do discurso do motorista. Aqui também analicei a importância da oportunidade que se dá a uma pessoa com certa deficiência e também o exemplo de resiliência que dá aos outros, sobretudo às crianças. As estatísticas argentinas demonstram que 1,1% da população total tem alguma deficiência auditiva, ou seja, aproximadamente meio milhão de pessoas. Por outro lado, o CDC estima que 3,6 milhões de americanos têm hipoacusia (deficiência auditiva parcial) ou anacusia (perda total da audição). Não é menor esclarecer que nem nos Estados Unidos nem na Argentina, a língua de senhas não é reconhecida oficialmente, apesar de ser a língua mais utilizada pelos pacientes sem oralizar. Temos como obrigação naturalizar que todos somos diferentes, temos capacidades diferentes e que ninguém deveria ser excluído. Estes são os valores que devemos estar não só a dar às próximas gerações, mas sim a desencorajar-nos com o exemplo.

Entrada à noite, o fechamento audiovisual tradicional teve uma pequena mudança que chamou a minha atenção, o show de fogos artificiais já não tinha essas explosões características, mas eram muitas luzes coloridas que lhe faziam concorrência à noite estrelada. A pirotecnia afeta especialmente as crianças com condição do espectro autista, pois têm hipersensibilidade aos sons em geral. 1 em cada 44 pessoas nos Estados Unidos têm autismo segundo o CDC, enquanto na Argentina não se registram dados oficiais. De qualquer forma, os dados extra-oficiales estimam que 1 em cada 59 pessoas têm TEA. É por isso que existem muitas campanhas (a nível local a mais conhecida é “Mais luzes menos ruído”) onde se levanta que não se festeje com pirotecnia sonora, mas com pirotecnia lumínica. Se uma criança ou adulto com condição do espectro autista se sentir aborrecida pode não olhar o espetáculo luminoso, mas se é sonoro se torna invasivo e quase impossível de fugir. Esses avanços tecnológicos nos fornecem ferramentas para poder executar um show que todo mundo possa desfrutar.

Embora para muitos não sejam disposições significativas ou de grande alcance, é importante ressaltar as empresas que de alguma forma se comprometem com causas de inclusão e especialmente aquelas que estão presentes na vida dos pequenos e em momentos-chave para a sua formação. É por isso que, no aniversário dos 50 anos da Walt Disney World Resort, celebramos as medidas de inclusão que incorporaram em seus parques para que qualquer pessoa possa desfrutar deste lugar mágico.

/wp:paragraph

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
lucia boccio

Lucia Boccio

Sou Lucia, licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Torcuato Di Tella e me especializei em comunicação e jornalismo. A escrita foi sempre para mim o caminho para plasmar minhas opiniões, assim como um meio de reflexão. Fan da literatura, arte e música. De coração milionário.

Visualizações: 3

Comentários