03/08/2023 - Tecnologia e Inovação

Pedido de desculpas aos animais de laboratório, as "mascotes da ciência".

Por pablo ortega

Pedido de desculpas aos animais de laboratório, as "mascotes da ciência".

Ratos, ratazanas, coelhos, porquinhos-da-índia, cães, gatos, peixes, insectos, vacas, ovelhas, chimpanzés, todos têm uma coisa em comum: os seus nomes nunca aparecem na primeira página dos artigos. No entanto, os seus contributos são muitas vezes responsáveis pelos resultados. Os modelos experimentais in vivo são uma das ferramentas mais úteis na ciência experimental, principalmente nos domínios relacionados com a saúde. E os animais na ciência existem há vários séculos, mesmo Aristóteles dissecou vários animais, há também provas de que médicos de Alexandria (século III a.C.) e o próprio Galeno (século II a.C.) realizaram experiências em animais vivos. Já a experimentação moderna, mais próxima do que conhecemos hoje, pode ser observada a partir do século XVI, com Andrea Vesalius, em Itália, onde se observavam sobretudo cães e porcos com o objetivo de analisar o seu funcionamento e descrever a homologia existente com os humanos. [1] Com tanta história, eles merecem um pedido de desculpas.

Tudo isto para dizer que a ciência utiliza os animais desde o seu início, e a verdade é que as conquistas que se fizeram a partir deles são inestimáveis. E é verdade que não fui totalmente sincero no início, pois há animais famosos, já que em todo o mundo a corça Dolly, a cadela Laika e os cães de Pavlov (embora seja o nome do cientista, os cães são conhecidos) se reconhecem como pioneiros nos avanços da ciência. Mas aqui chegamos para falar dos inúmeros animais sem nome que merecem reconhecimento pelo que fizeram, porque as suas vidas significaram muito mais do que alguma vez poderiam imaginar e porque não há cientista que se preze que trabalhe com animais que não tenha um respeito e uma gratidão eterna pelos seus animais.

Os modelos animais têm múltiplas funções e, como referi no início deste artigo, existem em muitas formas, espécies e tamanhos. Desde ratos e ratazanas, a gado e insectos, qualquer procedimento experimental que utilize animais tem de encontrar o modelo mais adequado para o seu objetivo final, não é um processo fácil e não se pode dizer que se utiliza simplesmente ratos para tudo. É de importância vital conhecer a experiência e conhecer o modelo para maximizar a eficácia do projeto e, embora nem sempre seja possível escolher o modelo perfeito, nada disto é aleatório.

Cada animal de laboratório tem um objetivo específico, e hoje, graças às maravilhas da engenharia genética, foi possível conceber modelos específicos para problemas específicos. Um grande exemplo é o rato que pode muito bem ser responsável por reduzir o problema da poliomielite ao que é hoje. A poliomielite é uma doença causada pelo poliovírus, um enterovírus que está presente na humanidade há milhares de anos, existindo mesmo algumas imagens em templos romanos que mostram pessoas provavelmente infectadas com o vírus, bem como múmias com sintomas característicos da doença.

O vírus tem 3 serotipos, dos quais o tipo 1 foi a principal causa das epidemias. A infeção é altamente transmissível e as versões assintomáticas e menores, como a poliomielite abortiva, são mais comuns do que as infecções paralíticas e não paralíticas, mas as pessoas que se lembram da grande epidemia de poliomielite e dos tão falados "pulmões de aço" sabem como esta doença pode ser terrível. [2] E, causalmente, o ser humano é o único hospedeiro natural deste vírus, ou pelo menos era assim até ao desenvolvimento de um animal geneticamente modificado que também pode ser infetado. Os ratos são normalmente resistentes a este vírus, mas graças aos esforços do Dr. Racaniello e colaboradores, foram desenvolvidos ratos transgénicos que exprimem o Pvr (o recetor deste vírus), e estes ratos apresentam infeção após inoculação com estirpes virulentas de poliomielite.

Então, por que razão modificaram um pobre animal para o fazer adoecer de algo que nem sequer o afectava? Bem, graças a esta descoberta e à contribuição destes ratinhos, as questões sobre a patogénese da poliomielite, tais como a sua resistência a certos tipos de células, a sua propagação e, mais importante, a base do fenótipo de atenuação das vacinas de poliovírus atenuado, podem ser estudadas em pormenor[3]. [Estes ratinhos constituíram a base para transformar a poliomielite de uma doença generalizada na sociedade numa doença órfã em vários continentes.

E este é apenas um exemplo das centenas de animais que foram modificados para o estudo de fenómenos específicos, modelos de diabetes, obsessão, Alzheimer, Parkinson, vários cancros e modelos comportamentais que nos ajudam a compreender o mundo que nos rodeia. E fala-se muito da crueldade ou dos maus tratos que estes animais sofrem, e embora seja verdade que também há modelos de dor crónica, ou de lesões em que se estuda o que estas coisas fazem ao corpo, nada disto é feito com maldade, não há muitos cientistas malvados a fazer mal aos animais por prazer.

Estes são processos necessários que nos dão muita informação extremamente valiosa para podermos resolver estes problemas a um nível mais alargado. Não vou desculpar o que acontece aos animais de laboratório dizendo "é para isso que eles servem". Mas pelo menos eu, e as pessoas com quem tenho contactado, reconhecemos genuinamente o valor das contribuições que estes seres dão à ciência e à humanidade. E garanto-vos que se nos sentimos mal quando pisamos a cauda do nosso animal de estimação e não conseguimos explicar que foi sem querer, é muito pior quando não conseguimos explicar a um ratinho como o seu contributo e sofrimento vão revolucionar o mundo.

Concluindo, trabalho com animais desde o início da minha carreira e, desde o primeiro dia, somos ensinados não só a respeitá-los, mas também a fazer tudo o que for possível para reduzir o seu stress e desconforto, além de nos ser mostrado o conceito dos 3 Rs, que significam: Reduzir, Substituir e Refinar. Ou seja, reduzir ao máximo o número de animais numa experiência, substituir o modelo animal por modelos in vitro ou in silico sempre que possível e aperfeiçoar as técnicas experimentais para as tornar mais eficientes e menos penosas para estes "companheiros" de laboratório. Para além do facto de existirem múltiplas normas e leis sobre o manuseamento adequado dos animais, no México existe a NOM-062-ZOO-1999 [4] que se refere não só ao seu manuseamento em experiências, mas também às condições de vida, espaço disponível, alimentação e cuidados que estes animais devem ter.

Os animais de laboratório, modelos in vivo, ou os "animais de estimação da ciência" são verdadeiramente o pilar de muitos dos marcos da ciência moderna, e os seus contributos e cooperação são eternamente apreciados por toda a comunidade científica. Este escrito é apenas um pedido de desculpas, para sensibilizar o público em geral para a sua importância, e para lembrar a todos os que trabalham com animais que devem agradecer ao seu companheiro de quatro patas da próxima vez que o virem .

[Estátua comemorativa de ratinhos de laboratório na Rússia[/caption]

Referências:

  1. Tomé C. Experimentación animal (I) - Cuaderno de Cultura Científica [Internet]. Caderno de Cultura Científica. 2015 [citado 2023 julho 27]. Disponível em: https://culturacientifica.com/2015/07/14/experimentacion-animal-i/
  2. Tesini BL. Poliomielite [Internet]. Manual MSD Edição Profissional. [cited 2023 July 27]. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/professional/infectious-diseases/enteroviruses/poliomyelitis
  3. Encontrar pessoas. Vincent R. racaniello, PhD [Internet]. Colégio Vagelos de Médicos e Cirurgiões. 2017 [cited 2023 July 27]. Disponível em: https://www.vagelos.columbia.edu/profile/vincent-r-racaniello-phd
  4. Governo do México. NOM-062-ZOO-1999. [Internet]. Gob.mx. 2001 [citado 27 de julho de 2023]. Disponível em: https://www.gob.mx/cms/uploads/attachment/file/203498/NOM-062-ZOO-1999_220801.pdf

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
pablo ortega

pablo ortega

Olá, sou Pablo Ortega Ferron, estudante do curso de Biotecnologia na Universidade Anáhuac, atualmente desenvolvendo meu projeto de graduação focado em observar os diferentes efeitos que o diabetes mellitus tipo 2 tem sobre a memória e o aprendizado. Tenho um interesse especial na pesquisa clínica, principalmente focado em biotecnologia médica e temas de genética.

TwitterLinkedinInstagram

Visualizações: 10

Comentários