13/04/2022 - Tecnologia e Inovação

Bitcoins e Criptos: Um sistema que nasceu desregulado

Por gustavo neffa

Bitcoins e Criptos: Um sistema que nasceu desregulado

O Bitcoin nasceu como um intercâmbio P2P (Peer-to-Peer), ou entre usuários, ou seja, sem intermediários. É a primeira moeda digital descentralizada do mundo e muitas outras seguiram o caminho, inclusive melhorando-o. As criptos podem ser enviadas e recebidas através da Internet. São moedas, como o euro ou o dólar, e visam o intercâmbio de bens e serviços, o que pôs nervoso nos últimos anos aos reguladores, que têm a seu cargo as finanças de um país, mas com a particularidade que não têm interferência directa numa transacção estritamente P2P.

Até agora, os intermediários financeiros como os bancos, os cartões de crédito ou o PayPal, entre outros, foram imprescindíveis, sobretudo na hora de lidar e transferir dinheiro. Seu papel é certificar que somos quem somos. Mas tudo isso está mudando: blockchain transforma a internet do valor (que inclui títulos, certificações, registros) e passa para formato digital e descentralizado, sem necessidade de intermediários. É baseada na autoconfiança e sua lógica é que se todos possuem ou operam com a mesma informação, então essa informação é confiável.

O fato de ser global e descentralizada em milhares de nós de uma rede onde você pode escrever sem ter um nó central que os organize, faz da tecnologia uma comunidade, um ecossistema ao estilo do sistema Apple ou do Google com múltiplas aplicações entrelaçadas entre si. Todos os ecossistemas disruptivos sobre os quais os usuários baseiam suas preferências e resolvem seus problemas.

Os usuários querem que os governos não estejam incluídos porque não fazem parte deste jogo, que nasceu para que não haja intermediários e fazer as transações mais rápidas e baratas. Uma tecnologia que permite a transferência de dados digitais com uma codificação muito complexa, mas de uma maneira completamente segura.

É um novo sistema que está mudando a forma de entender os negócios, a economia e a sociedade, algo que os reguladores não gostam porque sentem que perdem o poder e o controle sobre os indivíduos, a economia e o dinheiro, pois são concorrência direta do dinheiro “tradicional”.

Através do bitcoin podem ser feitos acordos e transações de forma segura sem revelar informações confidenciais entre as duas partes e sem a necessidade de intermediários: o mundo perfeito, mas toda uma tentação para o dinheiro negro que é muito combatido pelos reguladores, que obrigam os bancos e as exchanges a serem solidários e responsáveis pelos investimentos.

Por isso, o mundo avançou muito em matéria de regulação: as exchanges em que se realizam as aberturas de conta têm que agora identificar seus usuários como se fosse uma conta de investimento tradicional, ligando-a a uma conta bancária se quiser o usuário. Além disso, muitas empresas de mineração formais são obrigadas a pagar impostos.

Há mais de 100 países que estão desenvolvendo criptomoedas regulamentadas (como a China, ainda em fase de teste) ou que o farão num futuro próximo. Os mesmos bancos centrais não querem ficar para trás e prevêem lançar seus “CBDC” (Central Bank Digital Coins), ou seja, suas próprias criptomoedas. Outros países anunciaram diretamente a legalização e adoção do bitcoin como moeda oficial, como é o caso pioneiro de El Salvador.

Na Argentina, a inflação e a constante fraqueza do peso aceleram o uso das criptomoedas, uma rápida adoção que chama a atenção de nossos reguladores e entes governamentais e de controle, querendo incorporar novos marcos legais e tributários. Os fiscos são voraces por natureza e a intenção é aumentar impostos em vez de baixar gastos (não importa quando leiam isso), tratando aqui também de tirar proveito através de impostos às criptomoedas.

Em síntese, os reguladores olham para esta tecnologia de perto querendo abraçar este novo paradigma e/ou destruí-lo porque é concorrência direta dependendo do caso.

Podem colocar um cepo ao seu crescimento, inventar novos impostos para arrecadar e ter sob controle os mineiros e as empresas que são exchanges ou prestam serviços de wallets, ou carteiras virtuais onde hospedar as criptomendas.

Mas, embora possam fechar o cerco, o que nunca poderá fazer é impedir uma transação entre dois usuários entre si através das novas tecnologias, que é a maior porcentagem hoje.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
gustavo neffa

gustavo neffa

Sou Gustavo Neffa. Diretor de Economia e Finanças no FinGurú. Parceiro e diretor da Research for Traders, liderando uma equipe de analistas de mercados. Eu desempenhoi os últimos 24 anos no setor financeiro tanto em entidades domésticas como de capitais estrangeiros, tendo ocupado o posto de Analista de Research Senior em Macrosecurities do Banco Macro e no BBVA Banco Francês, além de analistas econômicos junto ao economista-chefe do BBVA Banco Francês. Também sou professor em matéria de Finanças Corporativas, Administração de Carteras de Investimento, Valuação de Activos Financeiros, Valuação de Projetos de Investimento e Finanças Internacionais em diversos MBAs e cursos de pós-graduação em Buenos Aires e no interior do país e professor do MBA da UNLP e da UNNE de avaliação de ativos financeiros, e da pós-graduação em Mercado de Capitales da UBA em convênio com ByMA. Codiretor do Programa de Finanças Avançado da UNLP.

Twitter

Visualizações: 44

Comentários