19/04/2023 - Tecnologia e Inovação

Desenhando para todos: como o UX/UI inclusivo melhora a experiência de usuário

Por veronica pilar jordan

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

Neste artigo, compartilharei a minha experiência no desenvolvimento de produtos digitais e como a abordagem no design UX/UI de uma perspectiva de inclusão centra-se em criar produtos acessíveis para pessoas com diferentes tipos de deficiência, incluindo a visão, a audição ou a motora. É importante ter em conta que, de acordo com estatísticas da Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que mais de 1.000 milhões de pessoas, ou seja, 15% da população mundial, tem algum tipo de deficiência. É por isso que é fundamental que os designers de produtos digitais considerem a acessibilidade como uma prioridade para garantir que seus produtos sejam inclusivos e possam ser utilizados por todas as pessoas, independentemente das suas limitações físicas.

A inclusão no design UX/UI não é apenas importante para cumprir os regulamentos e normas de acessibilidade, mas garante que todos os usuários possam ter uma experiência satisfatória ao interagir com o produto. Deste modo, não só melhora a imagem da marca, também se amplia a base de potenciais clientes.

Entre os padrões e princípios que os designers UX/UI devem seguir para criar produtos acessíveis incluem-se a utilização de cores contrastantes para facilitar a leitura de texto, o uso de descrições de imagens e alternativas de texto para pessoas com deficiência visual, e a inclusão de legendas e transcrições para pessoas com deficiência auditiva. Também é importante ter em conta a facilidade de uso para pessoas com deficiência motora, através de interfaces intuitivas e opções de navegação acessíveis.

DISEÑANDO PARA PERSONAS COM DISCAPACIDADE VISUAL

  • Contraste de cor: considerar o uso de cores de alto contraste entre o fundo e o texto no design torna mais fácil para as pessoas com deficiência visual ler a informação no ecrã, além disso, permite que a informação seja mais fácil de entender.
  • Tamanho do texto: garantir que o texto não esteja muito pequeno, nem demasiado comprimido é importante para que o texto seja legível, além de aumentar o tamanho do texto no ecrã ajuda as pessoas com deficiência visual a ler a informação com menos dificuldade.
  • Descrição de imagens: fornecer descrições das imagens no ecrã é importante para as pessoas com deficiência visual que não conseguem ver a imagem em si. Estas descrições podem ser lidas pelos leitores de ecrã e permitem que a informação visual seja transmitida de forma mais eficaz.
  • Uso de etiquetas de formulário: para pessoas com deficiência visual, pode ser difícil navegar por formulários online sem rótulos claros para cada campo. A inclusão de marcas claras nos campos de formulários ajuda as pessoas a navegar e completar o formulário de forma mais rápida e fácil.
DISEÑANDO PARA PERSONAS COM DISCAPACIDADE AUDITIVA:
  • Legendas: incluir legendas no conteúdo audiovisual é uma excelente maneira de tornar o conteúdo acessível a pessoas com deficiência auditiva.
  • Transcripções: oferecer a opção de transcrição de áudio para conteúdo como podcasts, apresentações e vídeos online também é importante para pessoas com deficiência auditiva.
  • Desenho visual: é importante ter em conta o uso de gráficos, diagramas e outros elementos visuais para fornecer suporte e complementar o conteúdo auditivo.
  • Alertas visuais: para pessoas com deficiência auditiva, a classe de alertas sonoros pode não ser efetiva. Incluindo alertas visuais no design da interface de usuário, por exemplo, mudanças de cor ou um contador de notificações, ajudam essas pessoas a manter-se assim das notificações.

DISEÑANDO PARA PERSONAS COM DISCAPACIDADE MOTORA:

  • Desenho de teclado e navegação: é importante projetar uma interface de usuário que seja de fácil navegação com teclados e dispositivos de entrada alternativos, por exemplo, um mouse para cabeça ou um joystick. É importante, por sua vez, que o desenho do teclado tenha em conta o tamanho e a localização das teclas, para que sejam confortáveis de alcançar e usar.
  • Desenho de botões e controles: para além do mencionado no ponto anterior, é importante fornecer um feedback tátil e visual para indicar quando um botão ou controle foi selecionado.
  • Acessibilidade móvel: as aplicações móveis devem considerar em seu design o incorporar funções de acessibilidade intrínsecas ao dispositivo, como controle por voz, para facilitar o acesso às mesmas.

Essa é uma sumeira enumeração de alguns dos recursos que podemos fornecer aos nossos usuários, pois incluir o design UX/UI uma perspectiva inclusiva é um tema cada vez mais relevante e necessário em nossa sociedade. A responsabilidade de criar soluções digitais acessíveis para todos os usuários não é apenas uma responsabilidade ética e moral, mas também uma oportunidade para criar soluções mais inovadoras e eficientes.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
veronica pilar jordan

veronica pilar jordan

Olá, sou a Dra. Jordan Verónica, especializo-me em Direito IT e Design UX. Em 2016 me titulari em Direito na Universidade Nacional de La Matanza, posteriormente em 2018 realicé o Mestrado em Inteligência Estratégica da Universidade de La Plata, onde orientei minha tese à análise prospectiva do desenvolvimento da interação entre a inteligência artificial e o usuário, no desenvolvimento de produtos e serviços digitais na América Latina.
Esta experiência em conjunto pelo meu gosto desde pequena pela robótica e pelos sistemas de aprendizagem automáticos, fez-me voltar à minha vocação para o desenvolvimento de produtos e formar-me em 2019 na Universidade de San Andrés no Programa de Direito e Tecnologia das Comunicações (DITC).
Desde 2020, dei-me a desenvolver meus conhecimentos em torno da psique e me encontro cursando a carreira de Licenciatura em Psicologia na Universidade de Morón, onde também imparto aulas na Faculdade de Saúde dessa universidade de filosofia e bioética. Também me encontro certificada como Project Manager pelo Google, tenho como passatempo programar e espero poder me certificar no Instituto Tecnológico de Buenos Aires como Designer UX.
No domínio do trabalho, vou desempenhar tanto no domínio privado como público. Atualmente, sirvo na auditoria de execução de projetos no Ministério da Economia da Nação Argentina, a distintas empresas em relação a produtos e serviços reconhecidos pela Lei de Economia do Conhecimento; enquanto impulso à startup DigitalSpells, que se centra no planejamento integral no desenvolvimento de produtos digitais que buscam ajustar a implementação das tecnologias e sua escalabilidade, às necessidades do cliente e usuário.

Linkedin

Visualizações: 21

Comentários