30/12/2021 - Tecnologia e Inovação

Ecologia: Em busca dos interesses comuns

Por Horacio Gustavo Ammaturo

Ecologia: Em busca dos interesses comuns

Poluição e actividade económica

Embora a responsabilidade social empresarial não seja definida nem por leis, decretos ou regulamentações formais, envolve todas as práticas, “autorreguladas” pelas empresas e corporações com o objetivo de contribuir com o cuidado do meio ambiente e da sociedade, em geral, dos locais onde exercem suas atividades.

Já em 1994, John Elkington definiu o conceito de “Triple resultado” como consequência da consideração das actividades das empresas, associando ao tradicional resultado económico e financeiro, os efeitos sociais e ambientais que produziram no período de avaliação.

Entre os múltiplos conceitos que se incluem nas práticas responsáveis, faremos foco sobre os que referem ao impacto da atividade empresarial e social com o meio ambiente e a consciência sobre os efeitos que a propagação dos gases com efeito de estufa têm sobre a terra.

Há décadas, a grande maioria dos estados do mundo manifestou preocupação com a poluição e o aquecimento global.

Iniciativas como a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre o aquecimento global de 1.992, ou o famoso Protocolo de Quioto de 1997, pretenderam ser a semente para colocar na agenda a problemática, embora após quase trinta anos poucos resultados tenham sido obtidos.

O compromisso assumido em Quioto, no Japão, por alguns estados e empresas em reduzir os impactos climáticos e biológicos no ambiente produto dos processos produtivos, industriais e comerciais só são exigíveis aos signatários do acordo e muitos dos grandes responsáveis não fizeram parte expressa dessas tentativas.

Bonos de carbono: Uma Argentina à frente da proposta

Buscando uma proposta conveniente do ponto de vista económico para que as empresas que iniciem o caminho da redução do impacto produzido pelas suas atividades, uma economista nascida na Argentina, Graciela Chichilnisky, que atualmente é professora na Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, apresentou em 1993 a proposta de utilização das obrigações de carbono. Este trabalho, juntamente com a sua teoria formal de Desenvolvimento Sustentável de 1996 e a participação como representante dos EUA no Grupo Intergovernamental de Peritos sobre Alterações Climáticas, conferiram-lhe a concessão do Prémio Nobel da Paz em 2007.

Basicamente, o sistema de obrigações de carbono permite às empresas contribuir para a melhoria da qualidade ambiental e, assim, regular o impacto que as suas actividades têm através da emissão de certificados de CO2, considerando o direito de emitir CO2 como um bem trocado e com um preço estabelecido no mercado.

Um bônus de carbono representa o direito de emitir uma tonelada de dióxido de carbono, beneficiando as empresas que não emitem ou diminuem a emissão e fazendo pagar às que emitem mais do que o permitido.

O trabalho realizado por representantes que buscavam a forma de conscientização de governantes, empresários e habitantes do nosso planeta sobre os efeitos das práticas que degradam nossas terras, águas e ar começaram a germinar em forma de organizações protetoras de biodiversidade, espécies vegetais e animais, e nos nossos dias na voz de jovens millennials que percebem de forma inata a responsabilidade que temos todos sobre o que passa e passará ao nosso ambiente, como Greta Thunberg, a adolescente sueca, fonte de inspiração de um movimento internacional para combater as mudanças climáticas.

“Ecologia e bitcoin”

Muitos dos investidores em activos digitais, na sua grande maioria jovens, manifestaram as suas diferenças em relação à falta de consideração com o conceito “economia verde” do Bitcoin, a tal ponto de enunciar que este tipo de “dinheiro virtual deixa uma pegada de carbono real”.

O algoritmo Bitcoin exige quantidades crescentes de capacidade de processamento em computadores para validar as transações. Na verdade, nos nossos dias, se fosse um país, a sua pegada de carbono estimada anualizada seria comparável à da Nova Zelândia em cerca de 37 milhões de toneladas de dióxido de carbono. Seus detractores argumentam que uma transação do Bitcoin gera o equivalente de CO2 que 706,765 passes de um cartão de crédito Visa.

A evolução tecnológica não é alheia à problemática ambiental

Nem todas as criptomoedas precisam de algoritmos que demandam quantidades de energia para seu processamento. Na verdade, a tecnologia em que circulam os ativos digitais, Blockchain, será fundamental para melhorar a interação das finanças com o ecossistema ambiental.

Esta tecnologia permite criar, administrar e auditar certificados digitais de carbono. A tecnologia Blockchain fornece os componentes básicos para o que é conhecido como organizações autônomas descentralizadas, permitindo que os compromissos climáticos dos estados, empresas e pessoas se vinculem às iniciativas climáticas transnacionais e ações climáticas individuais.

Os instrumentos de fixação de preços de carbono baseados no mercado, como os esquemas de comércio de emissões, enfrentam frequentemente desafios em torno da recolha de dados, processamento e análise da transparência que tornam a realização de transacções em diferentes sistemas bastante complexa. A adoção do Blockchain, Big Data, Internet das coisas e outras tecnologias disruptivas promete abordar as necessidades dos mercados climáticos de nova geração para desenvolver, gerenciar e harmonizar as informações das ações de mitigação de gases com efeito de estufa em múltiplos setores industriais e jurisdições governamentais.

Certificados de oxigênio em Blockchain: Mais uma vez Argentina.

Atualmente, existem vários projetos de ativos digitais baseados em formas de compensar a emissão de CO2.

A Fundação Ibero-Americana de Telemedicina está próxima a lançar sob a forma de ativo ecológico certificados de carbono digitais sob a tecnologia da Blockchain.

No entendimento de que, para que existam indústrias cujos processos geram resíduos tóxicos ou sejam utilizados produtos químicos poluentes para os processos produtivos, ambos os passivos ecológicos, deve existir um activo ambiental que o compense, a primeira resposta a resolver é a compensação pela conservação dos pulmões naturais existentes.

Florestas, florestas e pradeiras naturais, muitas delas inacessíveis e com a aparência de pouco valor económico fazem de contraparte a emissão de gases com efeito de estufa de atividades como a pecuária, curtidas, centrais térmicas de geração elétrica ou até qualquer meio de transporte não elétrico.

O actual modelo económico pune quem possui consciência ambiental e recompensa o inconsciente, pois enquanto o primeiro conserva ativos sem valor comercial, os segundos são gratuitos o benefício da compensação.

Ao melhor estilo do Fray Luca Pacioli, reconhecido por ter formalizado o sistema de partida dupla, base da contabilidade de nossos tempos, os certificados ambientais em Blockchain são uma manifestação digital, transferível, auditável e registravel da capacidade de compensar a emissão de gases de efeito estufa.

Combinando tecnologia satélite para identificar as espécies vegetais que estão presente em um predio, as bases de dados sobre as capacidades de geração de oxigênio e compensação de CO2 de cada uma, e Blockchain, os proprietários deste tipo de terras poderão trocar a propriedade de domínio por certificados representativos da contribuição que cada hectare faz.

Esses certificados serão adquiridos pelos geradores de passivos ambientais para que os seus balanços sejam incorporados como investimento e compensação de acordo com a sua responsabilidade social empresaria. Desta forma, o ativo e a dívida estão dentro do mesmo estado de resultados.

Um dos aspectos mais interessantes a considerar é que grande parte destas terras são fiscais e encontram-se nas mãos dos estados nacionais, consequentemente o papel indelegável de auditar e conservar fisicamente os predios poderia recair no estado e, obviamente, receber receitas.

A evolução social, em primeiro lugar, plasmada na consciência ambiental das atuais e futuras gerações, a necessidade fática de resolver os efeitos nocivos para a vida do homem e outras especiarias pela emissão de gases com efeito de estufa, a transparência que fornecem os produtos realizados utilizando Blockchain como ferramenta e a conveniência de premiar aqueles que conservam terrenos virgens que ajudam a compensar nossas contaminações fazem desses tempos momentos especiais na história para gerar um ponto de viragem no qual cumprir os compromissos ambientais seja também um bom negócio.

Como os bitcoins, a capacidade de compensar CO2 é um elemento finito, mas a diferença é que sem a criptomoeda a humanidade sobreviveu milhares de anos, em troca sem oxigênio seria impossível.

Onde você faria seu dinheiro?

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 1

Comentários