08/04/2024 - Tecnologia e Inovação

Economia do conhecimento: seu papel, relevância e oportunidades para a Argentina

Por Natalia Sánchez

Economia do conhecimento: seu papel, relevância e oportunidades para a Argentina

Nova Globalização e Cadeias de Valor Globais

A partir da década de 1990, começou a verificar-se algo a que Richard Baldwin (2017) chamou "a nova globalização", caracterizada pela facilidade de transmissão de know-how através do desenvolvimento das TIC, e pela crescente importância do conhecimento no posicionamento nas Cadeias Globais de Valor (CGV). Neste sentido, a facilidade de "deslocação de ideias" dá origem à desnacionalização das vantagens comparativas que regeram a divisão internacional do trabalho desde os primórdios do comércio internacional.

Esta situação altera o panorama competitivo de todas as nações, mas constitui uma oportunidade única para os países em desenvolvimento, pois, embora as desigualdades se mantenham, já não é necessária uma estrutura industrial nem a aquisição e/ou o fabrico de bens de equipamento ao estilo antigo.

O valor acrescentado que faz com que as CVG ganhem escala é a utilização intensiva do conhecimento através da geração de patentes e de tecnologia (ou seja, investigação e desenvolvimento - I&D), e das vendas e pós-venda (marketing, branding, etc.) (1). Por outro lado, a produção é apresentada como a fase com menor geração de valor, ao contrário do modelo industrial tradicional em que este era o processo chave.

As CGVs permitem o desenvolvimento de um novo padrão de industrialização sem a necessidade de bases industriais profundas e, neste sentido, esta é uma oportunidade para os países em desenvolvimento.

Um pouco de história da CED na Argentina

A Argentina teve diferentes políticas de integração comercial internacional ao longo da sua história: historicamente, foi um país agrícola e pecuário, com uma industrialização média conseguida através de um modelo de substituição de importações, industrialização desmantelada com a liberalização comercial indiscriminada dos anos 90, parcialmente reconstruída nas administrações de Néstor e Cristina Kirchner, com um protecionismo nem sempre fértil, em alguns casos agarrado a ideias de outras épocas.

No entanto, durante a administração que começou em 2003 e terminou em 2007, começou a tomar forma uma política de apoio às novas tecnologias, impulsionada pelo incipiente sector empresarial relacionado com o software e os serviços informáticos (SSI) e o sistema científico e tecnológico.

Assim, foram alcançados dois marcos fundadores da Economia do Conhecimento (EDC): o reconhecimento da atividade de produção de software como uma indústria, através da Lei n.º 25.856 de 2004 (que a tornou elegível para todos os benefícios para a indústria), e posteriormente a Lei n.º 25.922 sobre a Promoção da Indústria de Software, que estabeleceu benefícios especiais para os criadores de software e serviços associados. Essa lei vigorou por dez anos e foi posteriormente prorrogada pela Lei nº 26.692, de 2011, que vigorou até o final de 2019, e foi substituída pela Lei nº 27.506, de Promoção da Economia do Conhecimento, promulgada em 2019. Estas leis e os seus respectivos regimes sobreviveram a administrações de diferentes cores políticas e consolidaram-se, assim, como uma política de Estado que une todo o espetro político.

Ao longo dos anos, a EDC tornou-se um importante sector de exportação e um gerador de empregos de qualidade, com muito potencial ainda por explorar. Engloba todas as actividades intensivas em conhecimento, e em particular, de acordo com a lei que o promove: SSI, produção e pós-produção audiovisual, biotecnologia, bioeconomia, biologia, bioquímica, microbiologia, bioinformática, biologia molecular, serviços geológicos e de prospeção, nanotecnologia e nanociência, indústria aeroespacial e de satélites, indústria nuclear, indústria 4.0, entre outros (2).

Podemos constatar que a importância dos serviços no comércio internacional tem aumentado significativamente nos últimos anos: em 1980 representavam 16,2% do comércio global de bens e serviços, enquanto em 2022 esta percentagem subirá para 22%. No mesmo ano, e falando em particular dos Serviços Baseados no Conhecimento (SBC), estes contribuíram com 7,3% do total das vendas externas da Argentina, posicionando-se como o quarto maior complexo exportador do país. É importante notar que a categoria de SBC não engloba todas as actividades relacionadas com o intercâmbio económico de SBC, uma vez que também abrange a produção de bens que são comercializados sob a classificação de produto final (por exemplo, a comercialização de sementes transgénicas é reflectida no Sistema de Contas Nacionais como vendas de sementes, sem ter em conta o valor acrescentado gerado através da biotecnologia; tal como uma tinta impermeabilizante através de um processo nanotecnológico não pode ser quantificada como nanotecnologia). Portanto, o impacto real da CDE é ainda maior do que o que pode ser refletido através do sistema de contas nacionais (SCN).

Oportunidades e desafios para a Argentina

Neste contexto, o nosso país tem grandes vantagens a aproveitar: a disponibilidade de capital humano qualificado, valorizado não só pelas suas credenciais académicas, mas também pela sua criatividade, inovação e capacidade de adaptação a novos ambientes (embora esteja sempre atrasado em relação às necessidades do mercado), a capacidade instalada baseada no know-how concedido pela localização de multinacionais líderes a nível mundial, uma articulação virtuosa entre o sistema científico e tecnológico e a estrutura produtiva, políticas de Estado (como as mencionadas acima) que compreendem a relevância do posicionamento do país em instâncias-chave das CGVs.

Entre as desvantagens estão as fracas infra-estruturas de conetividade, tanto devido à baixa velocidade das ligações fixas como à baixa penetração da fibra ótica e à limitada disponibilidade geográfica nas zonas rurais. Em segundo lugar, embora a I&D seja geralmente incentivada pelo Estado através de subsídios a empresas privadas ou por empresas públicas dedicadas a este fim, a situação macroeconómica instável não constitui o incentivo adequado para o sector privado investir em investimentos de risco ou financiar o arranque de empresas tecnológicas. Em terceiro lugar, e relacionado com o acima exposto, o desfasamento da taxa de câmbio desencoraja a geração de oferta exportável, ou então acaba por gerar triangulação com filiais internacionais para evitar restrições locais, o que tem um impacto negativo na balança comercial. Por fim, mas não menos importante, o país não tem incentivos para o patenteamento, pois não adere ao Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT), assinado por 152 países. As facilidades para o registo de patentes através do PCT prendem-se com os custos, que são muito inferiores aos custos locais, e com a rapidez com que um desenvolvimento pode ser registado como original.

Em suma, o país tem oportunidades claras e capacidades instaladas que nos dão "vantagem" quando se trata de nos posicionarmos nas CGVs. Temos também a oportunidade de aproveitar o nosso padrão histórico de país agrícola e pecuário para gerar valor acrescentado especializado relacionado com o mesmo.

No entanto, para que tudo isto aconteça, são necessários esforços públicos e privados com um norte que não se pode perder de vista. Reitera-se que o Estado deve ter um papel preponderante na manutenção da política de promoção da CED e no incentivo à ciência, tecnologia e inovação, mas que isso não basta: sem uma estabilidade macroeconómica que proporcione segurança e capacidade de projeção, qualquer esforço será em vão.


(1) Mais conhecida como a curva do sorriso, conceito adotado por Stan Shih em 1992, a partir do qual a sua empresa (Acer Inc.) reorientou a sua estratégia empresarial.
(2) Para mais detalhes, ver o Art. 2º da Lei nº 27.506.

Bibliografia utilizada

Baldwin, Richard. 2017. "Changes in globalisation: how, how much and what do they mean for GVCs?" n.º. 355 (dezembro), 75-82. https://iosapp.boletintechint.com/Utils/DocumentPDF.ashx?Codigo=d402d7ed-6795-47d6-b06c-2945c6b3bf29&IdType=2.

Baldwin, R., Ito, T., & Sato, H. (2014, março). The smile curve: evolving sources of value added in manufacturing. https://www.uniba.it/it/ricerca/dipartimenti/dse/e.g.i/egi2014-papers/ito

Estenssoro, M. E. (2019, 13 de outubro). Patentear ou não patentear? A proteção das descobertas, um debate que se renova na Argentina. La Nación. https://www.lanacion.com.ar/economia/patentar-o-no-patentar-la-proteccion-de-los-descubrimientos-un-debate-que-se-renueva-en-la-argentina-nid2296583/

López, Andrés, Adrián Ramos. 2018. "El sector de software y servicios informáticos en la Argentina", Evolución, competitividad y políticas públicas. CECE.

Svarzman, Gustavo, Ricardo Rozemberg. 2022. "Uma aproximação à exportação direta e indireta de serviços baseados no conhecimento dos países da América Latina e do Caribe". Em Exportando conhecimento: a era dos serviços na América Latina, 258-282. BID INTAL.

Observatório da Economia do Conhecimento. 2022. "Relatório da Economia do Conhecimento". 23ª ed. https://www.argentina.gob.ar/sites/default/files/ioec23.pdf.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
Natalia Sánchez

Natalia Sánchez

O meu nome é Natalia Sánchez, sou licenciada em Ciências Políticas pela UBA e tenho um mestrado em Economia Aplicada (UCA), em fase de redação da minha tese. Trabalho na Secretaria de Economia do Conhecimento do Ministério da Economia Nacional e as minhas áreas de interesse estão relacionadas com este tema, bem como com as questões de género neste sector. Também presto serviços de consultoria a entidades académicas relacionadas com estas questões.

Linkedin

Visualizações: 0

Comentários