03/03/2022 - Tecnologia e Inovação

O futuro das finanças

Por horacio gustavo ammaturo

O futuro das finanças

"Não desafíen às DeFi"Foi assim que se expressou em 25 de março Elon Musk, o Rei Midas do Século XXI, em sua conta do Twitter.

DeFi é a abreviatura de Decentralized Finance ou “finanças descentralizadas”.

Apadida pelos anagramas e pelas relações entre letras e números, a mensagem nos convida a “não desafiar as Finanças Descentralizadas”.

O que são as finanças descentralizadas?As finanças descentralizadas são todas aquelas transações financeiras que são executadas sob a tecnologia Blockchain e que são realizadas por meio da Internet.

Desde as milhares de criptomoedas que existem, até os certificados, contratos inteligentes, protocolos e aplicações como carteiras eletrônicas, ou as poderosas plataformas transaccionais que permitem gerar ecossistemas de transferências fechados ou abertos, fazem parte das ferramentas e produtos que, em conjunto, propõem num curto prazo que os sistemas bancários e financeiros globais vão ser geridos e comunicados de uma maneira diferente do que fazem nos nossos dias.

O ambicioso objetivo perseguido é permitir a interação do usuário com a plataforma diretamente, deixando para trás os intermediários.A tecnologia Blockchain permite gerar ecossistemas auto-sustenidos sem a necessidade de um ente central que os regule. Tudo ao manter a segurança, a privacidade e a confiança do sistema.

Inclusão financeira (um mercado insatisfeito)

Milhares de milhões de pessoas no mundo não têm acesso aos serviços financeiros, geralmente são as pessoas que mais proveito poderiam tirar no caso de contar com eles. Embora o sistema financeiro mundial tenha um elevado grau de desenvolvimento e penetração da infra-estrutura transaccional não chegue a todos os lados e para todas as pessoas da mesma forma.

A descentralização resolve as falhas atuais da infraestrutura de maneira rápida, simples e a baixos custos, garantindo que os registros possam ser armazenados e partilhados entre diferentes nós (pontos de acesso) da rede.

Código aberto (um caminho de ida)

Atualmente existem protocolos e programas que permitem construir ecossistemas para o intercâmbio financeiro e gerar relações entre eles, gerando redes de produção, distribuição e consumo semi- abertas que minimizam os custos por comercialização e intermediação nos pagamentos.

É neste ponto onde reside a mudança de paradigma. Contamos nos nossos dias com a possibilidade de armar as nossas próprias redes de transferências, não bancárias, usando software de código aberto, esta característica permite a qualquer programador usar complexos desenvolvimentos que insumido anos de trabalho como ponto de partida para seus projetos particulares, otimizando ambos os recursos, tempo e dinheiro.

Identidade digital crédito

As ferramentas de finanças descentralizadas possibilitam às partes contarem os antecedentes registados sobre os comportamentos anteriores, gerando uma identidade digital de crédito baseada nos antecedentes e na reputação, produto das experiências comerciais e transaccionais passadas.A identidade digital será uma qualidade que transcende os governos.

Organizações especializadas em gerenciar e classificar as bases de dados, utilizando inteligência artificial, podem emitir notações de risco creditício de maneira global e autogestionável oferecendo aos ahorristas e investidores evitar custos intermediários, unindo ambas as pontas da relação.

Os certificados em Blockchain serão ferramentas fundamentais para garantir a integridade e autenticidade dos documentos.

Produtos e Custos

DeFi impactará em diversas formas:

  1. acesso a serviços financeiros a pessoas que actualmente não têm possibilidades,
  2. A ligação a pequenos comércios de proximidade com os meios de pagamento acessíveis apenas para estabelecimentos formais,
  3. baixando os custos transaccionais,
  4. desenvolvendo relações directas entre produtores de economias regionais e consumidores,
  5. Reduzindo os custos por intermediação financeira,
  6. permitindo que haja plataformas multi monetárias que permitam arbitrar operações de comércio externo simples e segura.
Estes são apenas alguns dos impactos que a descentralização trará a correspondência no curto prazo.

Então, quem poderia desafiar as DeFi?

Os integrantes dos sistemas financeiros, bancários e transaccionais atuais poderão resistir à mudança, talvez sejam eles a quem Elon Musk destino seu aviso.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 0

Comentários