16/11/2023 - Tecnologia e Inovação

O peso da inovação e da responsabilidade que isto implica

Por pablo ortega

Imagen de portada
Imagen de portada
Imagen de portada

A tecnologia e a inovação são uma das poucas constantes que têm estado com a humanidade desde sempre. Isto deve-se principalmente à natureza inerente da humanidade de ser curiosa. Há apenas uma forma de satisfazer a curiosidade, e é através da descoberta, e embora seja a curiosidade que matou o gato, o dito popular está incompleto, o dito completo é: "A curiosidade matou o gato, mas a satisfação trouxe de volta". A descoberta nunca é ruim nem malvado, simplesmente "es", o propósito dado por seu descubridor, isso poderia ir em qualquer direção, é por isso que como cientistas, a moral e a ética nunca devem ficar para trás, "em nome da ciência", realmente não é uma justificativa suficientemente boa para a maioria das coisas, principalmente no presente.

Mas como mencionei anteriormente, a curiosidade é uma das principais características inatas que os humanos sempre tiveram, e aqueles que se têm proposto satisfazer essa curiosidade foram chamados de muitas maneiras ao longo do tempo, feiticeiros, alquimistas, mágicos, raros e, finalmente, cientistas, que não têm as mesmas propriedades místicas que os magos, mas têm muito mais sentido, porque se os magos são cientistas, então a magia é ciência, e às vezes, se sente dessa maneira. As pessoas sempre buscaram as razões por trás dos fenômenos, ou por trás da vida mesma, e a ciência é simplesmente isso, o estudo das razões por trás de tudo, seja o clima, os animais, as plantas ou a vida mesma, a ciência tem um ramo que o estuda. Então, os cientistas são os encarregados de explicar tudo, mais ou menos. Todos podem concordar que "todo" é muitas coisas, de fato, é todas as coisas, pelo que a ciência tem ganhado certa divisão e ramos para administrar esta tarefa gigantesca. Então, agora os cientistas podem estar mais focados e menos esmagados, especializando-se em certos aspectos da vida e aprofundando cada vez mais neles, e com mais especialização, podem ser feitas mais inovações e descobertas, mas a linha entre o que vale a pena e o que não é realmente necessário também pode começar a difuminar-se.

Afinal, quanto mais especializada é a inovação, menos pessoas pode afetar, né? Bem, não de tudo, a bomba atômica foi uma descoberta extremamente específica no âmbito da física quântica, mas suas implicações foram, em um sentido muito literal, global. E aqui é onde uma das cargas mais pesadas da comunidade mágica ou científica sai à luz, como afetará uma descoberta ao resto do mundo. Ética, moral, bem e mal, essas são todas coisas que os cientistas não podem ignorar em seus respectivos campos de trabalho, em uma realidade perfeita, a ciência seria realizada com o único propósito de explorar e maravilhar-se, mas esse não é o mundo em que vivemos, pelo que sempre existe a possibilidade de que qualquer coisa feita possa ter repercussões negativas, e isso sempre considerando que todas as descobertas se fazem inicialmente em benefício da humanidade, depois de tudo, sempre houve feiticeiros escuros e malvados.

Esta metáfora também se aplica ao resto do mundo, se a ciência é magia e os cientistas são feiticeiros, bom, nem todos podem se tornar um, e a maioria não está certa de como funciona realmente a ciência ou porque as coisas acontecem. Podem ter algo de aproximação, mas principalmente superficial, e sem ter conhecimento detalhado de algumas coisas, as possibilidades de interpretação errada são muito maiores. Um exemplo claro pode ser visto com a crise de COVID-19. Este foi um momento complicado para todos, mas a comunidade científica trabalhou arduamente para ajudar e fornecer a maior quantidade de informação possível para que as pessoas estivessem calmas. No entanto, muitos rumores começaram a circular, alguns sobre como as medidas de segurança eram falsas, ou que as vacinas tinham microchips, ou que os hospitais estavam a colher líquido sinovial. Tudo isto para dizer que as pessoas precisam se informar mais sobre as coisas que não sabem, mas também um dos trabalhos secundários dos cientistas é manter bem informada à população e desacreditar qualquer informação falsa.

Mas como mencionado antes, há algumas pessoas que podem inovar sem as melhores intenções em mente. Para isso, a guerra sempre pode vir à mente, e embora seja verdade que os conflitos armados são alguns dos motores mais fortes da inovação, algumas dessas inovações não são realmente para o benefício de toda a humanidade, ainda assim, não as classificaria como malvadas, afinal de contas, a guerra é um desastre de uma perspectiva, e também não é algo bom.

Com tudo isso em mente, os cientistas devem aderir a um rigoroso código moral, e também cumprir normas estabelecidas por coisas como a bioética ou normas oficiais, e obviamente leis. O termo "bioética" foi introduzido pela primeira vez em 1969, um novo campo filosófico e ético centrado principalmente nos dilemas éticos relacionados ao atendimento e tratamento dos pacientes. Mas isso não foi tudo, este campo continuou a crescer e a evoluir, cobrindo muitos temas que se estendiam até além da medicina e começavam a entrar na genética, na experimentação com animais, entre outros. (Scher, 2018) Hoje, a bioética pode ser definida como "uma deliberação prática dos requisitos éticos relacionados ao respeito à vida humana e não humana e à promoção da dignidade humana no campo biomédico, na assistência sanitária, nas instituições de saúde, as políticas e os sistemas". (NIH, 2023)

Esta é uma das principais forças que regulam a comunidade científica e é aplicada por diferentes instituições e comitês, um exemplo disso pode ser encontrado na maioria das universidades, onde para qualquer tipo de experiência, deve haver um pedido de revisão por parte do comitê de ética, e se o experimento inclui animais, então o Comitê Interno para o cuidado e uso de animais de laboratório (CICUAL), se envolverá e determinará se o experimento pode continuar ou não. A maior escala, podemos encontrar coisas como as Normas Oficiais Mexicanas, que são um conjunto de regras que determinam o que se deve e não se deve fazer na maioria dos sistemas de produção, incluindo os experimentos científicos. Seguindo o mesmo exemplo anterior, os animais de laboratório estão estritamente regulamentados e é o NOM-062-ZOO-1999 que estabelece todos os parâmetros que devem ser cumpridos para o uso desses animais, regulando tudo, desde as condições em que devem ser mantidos, até os métodos de abate e os tratamentos permitidos. (Gobierno do México, 2001) Tudo isto é feito com o melhor interesse em mente e, neste caso em particular, com a intenção de causar a menor quantidade de estresse e dano a esses animais. E depois, claro, as leis nacionais e os tratados internacionais têm um grande peso em como se realizam as experiências. Alguns exemplos são a lei federal de saúde no México e a declaração de Helsinki para a regulação internacional. (WMA, 2017)

Tudo isto está muito bem e, de facto, é de grande ajuda para manter a experimentação regulamentada e controlada, na esperança de que todas estejam destinadas a proporcionar algum tipo de resultados benéficos e evitar a experimentação que visa destruir. Mas todas essas ferramentas só podem chegar a certo ponto, cada pessoa deve seguir algum tipo de bússola moral e tem a responsabilidade inerente de fazer o bem, de buscar o maior benefício para todos.

A moral é algo tão ambíguo e todos são responsáveis pelas suas próprias ações e pelas consequências que estas possam ter. Ser bom ou ruim não é algo tão simples, e como se disse desde o início, a ciência nunca será malvada, as descobertas nunca significarão algo ruim, mas as pessoas devem ser conscientes do potencial que têm as descobertas científicas e não podem ser descuidadas na forma como os utilizam ou os expõem ao mundo. Há tantas pessoas e em comparação tão poucos cientistas, e as descobertas não são apenas para aqueles que os fazem, mas para todos. Com um grande poder vem uma grande responsabilidade, e sendo os artífices da magia que somos, temos muito poder, depende de nós a forma como usamos.

Referências

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
pablo ortega

pablo ortega

Olá, sou Pablo Ortega Ferron, estudante do curso de Biotecnologia na Universidade Anáhuac, atualmente desenvolvendo meu projeto de graduação focado em observar os diferentes efeitos que o diabetes mellitus tipo 2 tem sobre a memória e o aprendizado. Tenho um interesse especial na pesquisa clínica, principalmente focado em biotecnologia médica e temas de genética.

TwitterLinkedinInstagram

Visualizações: 8

Comentários