18/04/2024 - Tecnologia e Inovação

O VALE DA MORTE

Por Horacio Gustavo Ammaturo

O VALE DA MORTE

Poderia muito bem ser uma atração turística do antigo Egipto ou o nome de um filme de terror, no entanto, neste caso, estamos a referir-nos a momentos em que as empresas, geralmente start-ups, permanecem presas numa fase evolutiva sem avançar, muitas vezes com resultados negativos em termos de fluxo de caixa.


É uma altura em que muitos colaboradores perdem a confiança no modelo de negócio, nos fundadores ou nos responsáveis das diferentes áreas. Quando apenas ouvem um mau feedback e ficam sem respostas ou perdem a motivação para continuar a procurar esse valor que os torna diferentes ou melhores.


No mundo dinâmico das startups, onde a inovação e a incerteza se cruzam, tomar decisões informadas é a chave da sobrevivência e do sucesso. Compreender que é o mínimo que se desenvolve e perdura servirá para separar a euforia da depressão, ambas emoções típicas dos empreendedores de startups.


Vejamos algumas estatísticas relevantes:


  • De acordo com o Mckinsey Global Report, são criadas mais de 300 milhões de empresas por ano. Só nos Estados Unidos, meio milhão de PME são criadas todos os meses.


  • 20% das empresas em fase de arranque falham no espaço de um ano.

  • 30% das empresas em fase de arranque encerram no prazo de dois anos.

  • 50% das empresas em fase de arranque fecham as portas no prazo de cinco anos.

  • 70% das empresas em fase de arranque são dissolvidas no prazo de 10 anos.


Por outras palavras, apenas 8 em cada 100 empresas em fase de arranque sobrevivem.


Estes números mostram que o caminho para as empresas em fase de arranque é difícil, mas aquelas que persistem e aprendem com os seus erros têm uma hipótese de sucesso.


O "vale da morte" refere-se a uma fase crítica que as startups atravessam.


Em geral, é um período em que a startup tem fluxo de caixa negativo e dura até que a empresa atinja o ponto de equilíbrio, onde as receitas excedem as despesas. Em média, as empresas em fase de arranque demoram 2 a 3 anos a atingir o lucro .


A menos que a empresa inicie a sua atividade com números positivos, o vale da morte começa a partir do momento em que a empresa inicia a sua atividade.


Existem diferentes tipos de vales da morte:


  • Financiado: Se tem financiamento mas ainda não atingiu o break even, está no vale da morte. Embora seja um desafio, os seus investidores estão conscientes desta fase.


  • Não financiado: Se não tem financiamento ou se o financiamento está a diminuir, tem de ter muito cuidado. Nesta situação, as suas opções são limitadas e, se não conseguir recuperar, a empresa pode fechar.


Dicas para lidar com esses momentos...


  • Novo financiamento: Certifique-se de que dispõe de financiamento suficiente para evitar o encerramento prematuro. Embora isso não o tire do vale, dá-lhe espaço para continuar a funcionar. Por vezes, na ausência de investidores externos, pode envolver colaboradores-chave na empresa ou fazer acordos com fornecedores para dar acções em troca dos seus serviços. Nestes casos, é aconselhável ter cláusulas de recompra.

  • Reduzir a equipa: Ao lançar a empresa, a equipa deve ser o mais reduzida possível. Menos empregados significa menos custos com os salários.

  • Concentre-se nos clientes: Aumente as suas receitas e procure clientes reais. São eles que realmente financiam a empresa.

  • Foco: Tanto para o sucesso do projeto como para dar garantias aos investidores, o empenho e a idoneidade da equipa e, em particular, dos seus fundadores fazem a diferença.

  • Antecedentes: É mais fácil angariar fundos e obter melhores resultados operacionais quando aqueles que fazem parte da equipa são oriundos do sector em que a empresa se vai desenvolver. Conhecer o mercado é essencial para evitar erros, para medir o alcance e as capacidades da empresa e para ter acesso aos principais actores do sector.

  • Definir o modelo de negócio: É provável que durante o processo de desenvolvimento o modelo de negócio, ou seja, quais serão as principais fontes de rendimento e custos da empresa, possa mudar. No entanto, deve haver sempre clareza no plano de negócios, acompanhado de indicadores que permitam medir a evolução e gerar receitas para atingir o ponto de equilíbrio. Sem estas qualidades, é pouco provável que os investidores invistam.


Em suma, o vale da morte é um desafio comum no percurso das startups, mas com uma gestão cuidada e estratégica, é possível ultrapassá-lo e alcançar o sucesso.


O mundo dos negócios está em constante evolução, e as startups desempenham um papel crucial na economia global.


Embora muitas startups enfrentem desafios, aquelas que persistem e se adaptam têm a oportunidade de crescer e prosperar.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

Horacio Gustavo Ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

Twitter Linkedin

Visualizações: 2

Comentários