09/05/2023 - Tecnologia e Inovação

A mudança de paradigma no mundo laboral

Por lucas luis rozenberg

Imagen de portada
Imagen de portada

Introdução

Num passado não tão distante, as empresas deviam utilizar planilhas físicas para realizar cálculos laborais. Em 1990, a Microsoft lançou o Excel, uma ferramenta digital que automatizava muitas dessas tarefas e reducia significativamente o tempo de trabalho na área de trabalho. Desde esse momento, os profissionais da área deviam se capacitar na nova tecnologia para poder continuar contribuindo valor, já que o método anterior tinha ficado obsoleto no âmbito laboral.

O que acontecerá com os empregos?

Hoje, acontece uma situação semelhante com o aparecimento da inteligência artificial em diversos setores do mundo digital, como a programação, o design, as apresentações, os buscadores, a música, entre outras. Tendo em conta o que aconteceu com o Excel, um poderia pensar que o coerente seria se especializar no uso da IA para proporcionar um valor extra. Em certa medida, isto é verdade, mas com o passar do tempo estas ferramentas serão aperfeiçoadas cada vez mais e podem chegar ao ponto de acabar substituindo completamente o humano na sua tarefa deixando-o desempregado.

Em contrapartida, e além de esta tecnologia aumentar cada vez mais a sua precisão, sempre vai fazer falta de um humano para verificar que o resultado lançado pela inteligência artificial seja correto, e mais ainda nos casos em que se maneje informação sensível. Por esta razão, os empregos não seriam removidos, mas atualizados e renovados.

Mas isso não é tudo, porque como mencionado anteriormente, a IA automatizaria muitas tarefas em uma mesma empresa que atualmente são cobertas em sua maioria por pessoas especialistas. Assim, com a possibilidade de automatizar vários setores e necessitando de poucas pessoas para poder levar adiante uma empresa, o processo de criar uma startup seria altamente simplificado. Portanto, pode-se dizer que pouco a pouco, o esquema atual de contratar funcionários especializados em “X” ferramenta, “alienados”, trabalhando para o benefício de um terceiro, seria substituído pelo surgimento de muitos empreendedores independentes lançando suas ideias ao mercado.

Dá-lhe vu?

Por último, é de salientar que algo semelhante aconteceu com o sector audiovisual, onde, na antiguidade, apenas os grandes meios tinham a infraestrutura e o capital para criar conteúdo deste tipo. Atualmente, existem plataformas como Twitch, YouTube, Instagram e TikTok que permitem que qualquer pessoa com um celular ou computador possa gerar conteúdo audiovisual de valor e chegar a milhares ou até milhões de espectadores, competindo de igual a igual com a mídia tradicional.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
lucas luis rozenberg

lucas luis rozenberg

Olá, sou Lucas, tenho 20 anos, sou argentino e estudante avançado da licenciatura em Tecnologia Multimédia na Universidade Maimónides (UMAI).

Visualizações: 6

Comentários