30/11/2022 - Tecnologia e Inovação

A Contabilidade: Uma profissão susceptível de ser automatizada?

Por Francisco Gaetano

Imagen de portada
Imagen de portada

Hoje viemos com a ideia de escrever e relacionar temas correspondentes a duas áreas recorrentes neste meio, por um lado A Contabilidade (Economia e Finanças) e por outro lado a Automação de Processos (Tecnologia e Inovação).

Como é a contabilidade do futuro?

Antes de responder à pergunta, considero necessário analisar e reflectir brevemente a evolução da contabilidade como actividade nos últimos anos. Sem entrar em detalhes, é evidente que houve redução de procedimentos presenciais, implementou-se a modalidade home office, começou uma mudança na forma de se capacitar e outras tantas mudanças mais que tiveram grande incentivo graças à pandemia durante os anos 2020 e 2021. Isso mostrou a todos os colegas que a implementação da tecnologia presta uma infinidade de facilidades.

Muitos dos conceitos e exemplos a desenvolver já existem pelo que não seria apenas falar de futuro, mas também do presente.

Embora não se possa fazer afirmações certeiras sobre o que vai acontecer no futuro, se se pode fazer uma análise fundamentada para prever o potencial rumo da contabilidade. Cabe destacar que a atividade em questão conta com múltiplas áreas de implementação, entre as mais conhecidas temos Auditoria e Impostos. Uma vez que cada domínio contabilístico tem as suas características e forma de proceder, algumas secções alterarão mais do que outras, mas com o objectivo comum de facilitar ao máximo os processos de redução do grau de intervenção por parte do profissional no que diz respeito às tarefas operacionais, tais como a carga de dados ou a liquidação de certos impostos.

Qual é o grau de avanço da tecnologia sobre a contabilidade?

É necessário ter em conta que por tecnologia fazemos alusão à parte de Software e não de Hardware, entendendo assim que o conceito a relacionar é o de Sistema.

Para que um processo possa ser automatizado tem que cumprir com certo nível de padronização, ou seja, todos os movimentos sigam um padrão e um ou um conjunto de possíveis resultados. É por isso que a factibilidade de implementação vai depender de que tão submetida vai estar uma determinada área ao critério do contador como profissional.

Por um lado, poderemos encontrar situações onde o critério é nulo, como por exemplo a carga de facturas num sistema contabilístico, onde temos uma sequência de cliques feitos pelo usuário e a receita de um dado objetivo como o montante de um comprobante. Por outro lado, há situações onde a intervenção profissional tem menos flexibilidade, por exemplo a liquidação de impostos de alta complexidade, como o imposto sobre as Ganas e Bens Pessoais.

Cabe ressaltar que, embora os graus de implementação sejam variáveis dependendo das diferentes áreas, a tecnologia deve se amoldar às necessidades que requer cada uma delas.

As barreiras de entrada

Muitos acreditam que este ponto da nota vai fazer alusão ao fator econômico de uma implementação, o que não é totalmente certo.

Por um lado, temos o lado macro, que consiste no contexto onde se encontra uma empresa (neste caso um estudo contabilístico). Para implementar estas características, é preciso ter em conta que quanto mais simples e didáticas sejam as páginas web onde os usuários têm que se desenvolver vai ser muito melhor para a implementação e o desempenho da mesma.

Por outro lado, está o micro que consiste basicamente no mero critério do profissional e também de sua familiarização com a tecnologia. É muito mais viável que um estudo composto por profissionais jovens com vontade de inovar nos processos implemente uma automação que o faça um estudo de muitos anos de trajetória que já se desenvolve manualmente e considera esta a melhor forma de fazer os requisitos de seus clientes.

Embora o lado económico seja geralmente um investimento considerável, uma vez que as despesas de consultoria e desenvolvimento devem ser cobertas, muitas vezes podem ser implementadas simples que poupariam muito tempo de trabalho. O melhor exemplo são as macros do Excel onde podemos dizer ao sistema a sequência de cliques que precisamos que o software faça, ou que nos guarde certo recorte em forma de PDF, entre outras tantas coisas. Obviamente não vai estar ao nível de uma implementação realizada por uma consultora, mas se você pode economizar tempo e dinheiro.

Por último, mas não menos importante, ao fazer uma implementação em larga escala e à procura da forma de otimizar todos os processos, deve-se considerar os valores do investimento e o seu retorno quanto a rendimentos reais, o que requer uma engenharia financeira adequada que avalie os possíveis cenários. Não é questão de implementar tecnologia pelo fato de estar de moda ou pela simples necessidade de reduzir as horas de trabalho.

Conclusão

Para fechar com a nota uma pequena reflexão sobre os temas mencionados; a tecnologia nos rodeia para facilitar e agregar dinamismo com o objetivo central de otimizar o recurso mais valioso que os humanos temos, o tempo. Considero que com os seus diferentes métodos pouco a pouco se vai conseguir o equilíbrio que permitirá aumentar a qualidade de vida. Há muitos casos em que um robô não pode substituir um humano, mas podem fazer trabalhos que são tediosos e nos retiram tempo para fazer outras coisas. Com implementações bem realizadas conseguimos reduzir a margem de erro e trabalhar em momentos ou horários não habituais.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
francisco gaetano

Francisco Gaetano

Olá, sou Francisco Gaetano. Tenho 23 anos e sou contador há cerca de um ano, atualmente trabalho em uma consultora multinacional na área de Consultoria em processos. Também trabalhei em estudo contabilístico e outros entes privados e públicos.

Visualizações: 0

Comentários