20/09/2022 - Tecnologia e Inovação

Microbiota Intestinal: O segredo para modificar estados de ânimo, curar doenças e ampliar a vida?

Por Sahira Janeir Garazatúa

Microbiota Intestinal: O segredo para modificar estados de ânimo, curar doenças e ampliar a vida?

A flora intestinal

Os microrganismos estão em todo o lado. No celular, nas manijas das portas, nas mãos antes de lavar e mesmo depois de fazê-lo, e literalmente em toda a superfície da nossa pele. Asusta verdade? Mas ao mesmo tempo são muito benéficos para o nosso corpo. Somos o lar de 100 bilhões de microrganismos cujo maior percentual habita no intestino, conformando a flora ou microbiota intestinal. Definemos uma relação de simbiose com estes microrganismos que ultrapassam as células humanas pelo menos numa relação de 10 a 1. Pode-se dizer então que somos como o “meio de transporte” desses microrganismos.

A classe de bactérias que habite no nosso intestino depende do tipo de alimentação que se consuma, pois por sua vez, estas se alimentam fermentando os substratos disponíveis derivados da nossa dieta ou das secreções endógenas e isso permite que prolifere o tipo de bactérias do tipo de alimentação específica que se consome. Por ende, uma pessoa com uma dieta variada e rica em nutrientes não terá a mesma microbiota que uma pessoa que consuma comida chata diariamente. A importância dessas bactérias, além de contribuir com o metabolismo e o sistema digestivo do hospedeiro, reside em que como produto da fermentação libertam moléculas que cooperam com o desenvolvimento e a homeostase do sistema imunitário, e oferecem proteção ao libertar substâncias que inibem o crescimento de microrganismos patogénicos.

Além disso, demonstrou-se que esta microflora não seria apenas benéfica para o nosso corpo, mas também estaria ligada ao nosso cérebro, enviando ordens e tomando determinadas decisões.

Estamos controlados por bactérias?

Se e não. Vulgarmente se diz que o intestino é o segundo cérebro, pois depois do cérebro, é o órgão com maior concentração de neurónios. Tem mesmo mais neurónios do que a espinha dorsal e atua independentemente do sistema nervoso central. A microbiota intestinal liberta metabolitos e neurotransmissores que chegam ao cérebro, alterando muitas das nossas funções fisiológicas. Uma possível rota é o nervo vago, que liga diretamente o cérebro com o intestino. Estas bactérias libertam 90% da serotonina que existe no corpo, o “neurotransmissor da felicidade” e, portanto, influenciam o nosso humor. Dependendo do particular tipo de microbiota que habite no intestino e dos neurotransmissores que emitam, haverá um perfil de neurotransmissores serotoninérgico, dopaminérgico ou catecolaminérgico, o que gerará impulsos muito diferentes na nossa mente quanto ao humor e ao tipo de alimentos que devemos ingerir. “Dime que microbiota tens e te direi como te comportas”, asique a próxima vez que você esteja de mau humor, você sabe quem culpar.

Tudo isto contribuiu para descobrir que doenças como o autismo, a depressão, a obesidade, e doenças neurodegenerativas como o alzheimer e parkinson teriam relação com a microflora e com a secreção de moléculas específicas. Mesmo em 2021 um grupo do Canadá demonstrou que um determinado perfil bacteriano intestinal liberta moléculas que contribuem com a formação da mielina e o nível do desenvolvimento cerebral em bebês.

Como os obtivemos inicialmente?

Dentro do útero da mãe, o embrião se desenvolve em condições estéreis. Ao nascer e atravessar o trato vaginal, que como o intestino também possui sua própria flora, bilhões de bactérias colonizam cada superfície de seu corpo. Esta parte essencial para a saúde humana. Por isso, bebês nascidos por cesariana ao não ter contato inicial com a microflora, aumentam a probabilidade de contrair doenças autoimunes, autismo, depressão, asma, e até leucemia. Mas pode ser reversível, pois demora até 2 anos para formar uma comunidade única e saudável de microflora que se enriquece também com o contato com outras pessoas e elementos após nascer.

Transplantes de microbiota

Em 2011, pesquisadores da Universidade Karolinska, na Suécia, descobriram que podiam mudar o comportamento dos animais simplesmente modificando sua composição bacteriana intestinal. Posteriormente, um estudo publicado na revista Nature em 2015 por um grupo de pesquisadores da Universidade McMaster do Canadá demonstrou que a microbiota intestinal poderia desempenhar um papel crucial na indução da ansiedade e da depressão tanto em ratos quanto em humanos. Na sequência dessas descobertas, foram realizadas experiências que encontraram que também se poderiam reverter os sintomas de obesidade, e mesmo que os transplantes de microbiota de fezes de ratos jovens a ratos velhos possam atrasar os sinais do processo de envelhecimento. Em 2021, foi publicada a importância dos compostos polifenóis (presentes em frutas, legumes e alguns legumes) na manutenção de uma combinação adequada de microbiota intestinal antienvelhecimento, os quais os metabolizam em compostos bioactivos que produzem efeitos relevantes para a saúde.

Esses achados incitaram a que hoje, aplicar transplantes de microbiota fecal seja uma alternativa terapêutica que consiste em transpor a microbiota das fezes de um doador saudável (as quais conterão os microrganismos de interesse) a um doente, com a finalidade de restabelecer a microbiota intestinal normal no último, podendo ser aplicado para uma variedade de condições e obtendo progressos positivos em casos de autismos, depressões, obesidades e até em infecções intestinais. Também estão a ser aplicados em alguns casos de parkinson e alzheimer. Para isso, não se transplantam diretamente as fezes do doador, mas se processam e se encapsulam os microrganismos presentes antes de serem transferidos ao receptor. O próximo que se vem seria combinar a biologia sintética com esta prática para realizar transplantes de microbiota modificada com a

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
sahira janeir

Sahira Janeir Garazatúa

Olá, Sou Sahira, Biotecnóloga Biomédica! Estudei em Buenos Aires onde me enfoquei na epigenética e reprodução, mas agora me encontra na Espanha desenvolvendo tratamentos terapia celular e regeneração neuronal da medula espinhal, e combinando a IA para a detecção precoce de doenças. Além disso, estudo Gestão Tecnológica de CDTM, Valencia-Munich onde desenvolvimento produtos e soluções digitais inovadoras para empresas como Lufthansa e S2grupo.

Linkedin

Visualizações: 1

Comentários