16/04/2023 - Tecnologia e Inovação

Jornalismo 3.0: o futuro das notícias.

Por i martinez soria

Jornalismo 3.0: o futuro das notícias.

Já há muito tempo que ouvimos ubiquamente “o jornalismo está em crise”. Longe ficaram os anos de glória, quando as pessoas abriam um jornal, sintonizavam o rádio ou aprendiam a tele com uma esperança firme de encontrar um panorama confiável do que havia acontecido em suas comunidades, seus países e ao redor do mundo.

Hoje olhamos para qualquer noticiero, ou abrimos qualquer portal de notícias, e escapamos rapidamente. Os principais canais vivem em um estado de catástrofe permanente, colocando de forma constante em tela o cartaz de “Alerta” ou “Último Momento”, até por pequenzes cotidianas. Os sites não costumam oferecer coberturas novas, apenas se dedicam a repetir a mesma informação e muitas vezes com um atraso de dias desde que ocorreu o fato.

O contraste com o passado é notório. Basta procurar no YouTube algum vídeo de coberturas históricas como a descolagem do Apollo 11, a queda do Muro de Berlim ou o início da Guerra do Golfo – com o icónico Bernie Shaw relatando desde o terreno “os céus sobre Bagdá foram iluminados”. Essas coberturas intrigavam, emocionavam, commoviam. Hoje as notícias aburrem, cansam, confundem.

A Crise dos Meios

A crise da mídia escapa a uma mera apreciação subjetiva. O indicador mais notório é a perda de confiança generalizada na indústria a nível global. Segundo Statista, em meados de 2022, a desconfiança era a norma. Nos Estados Unidos, apenas 26% dos adultos confiam na França 29%, no Reino Unido 34%, no México 37%, no Japão 44%. Em nosso país, apenas 35 em cada 100 adultos confiam nos meios de comunicação.

Além dos números, os efeitos têm um impacto concreto e cotidiano na vida das pessoas, especialmente nas sociedades democráticas. A falta de confiança na informação que um usa para formar opiniões e tomar decisões contribui para aumentar a polarização, aumentar a desconfiança social e diminuir a coesão da comunidade, gerando espaços de convivência política extremamente nocivos e conflituosos.

Não podemos analisar o fenômeno do ponto de vista exclusivo dos meios. Falta-nos outro grande ator: as redes sociais. Estas plataformas, apesar dos seus muitos benefícios, têm empantanado o cenário. Os algoritmos, que buscam maximizar o tempo que passamos nas aplicações, não fazem mais do que introduzir em bolhas ou caixas de ressonância que limitam a nossa visão do mundo a crenças ou interesses pré- existentes.

Fake News

Outro aspecto é a natureza maioritária do conteúdo que nos expõem. Não é preciso fazer uma pesquisa profunda para notar que a realidade dista de ser o objeto de consumo preeminente nesses espaços. As imagens sobre-idealizadas são a moeda corrente. A ansiedade e a depressão gerada pelo constante bombardeio de bens aspiracionais afetam o ânimo e a psiquis daqueles que consomem este conteúdo.

Enfotando-nos no que nos compete, resta mencionar o elefante no quarto: as fake news. Distinguir a verdade tornou-se difícil. A confiança nas instituições, nos meios de comunicação e nas pessoas tem sido severamente rescalda. As consequências são imprevisíveis, mas –previvelmente – negativas. Um estudo de 2018 feito por cientistas do MIT descobriu que no Twitter as fake news têm 70% de maior probabilidade de serem compartilhadas e que as notícias reais demoram 6 vezes mais para chegar às pessoas.https://news.mit.edu/2018/study-twitter-false-news-travels-faster-true-stories-0308

Demasiada Informação

Outra questão é o ruído, entendido como aquilo que dificulta encontrar a informação que um busca. A quantidade e variedade de conteúdo – entre notícias, opiniões, comentários, piadas, memes, queixas, publicidade, etc. – torna difícil estar ao tanto do que acontece, mesmo perto de casa. Isso sem contar os bots e o spam. O caos não ajuda a compreender, apenas semeia confusão.

Assim tudo, o jornalismo-cidadão está mais vigente do que nunca. Muitas vezes vemos boas coberturas do que acontece na outra ponta do mundo com relativa rapidez, e muitos novos profissionais se aproximam das redes para expor o seu trabalho. O problema? Toda essa informação está desperdigada em muitas interações, oculta após opiniões e comentários sem aporte substancial, desorganizada e sem contexto. Embora tenhamos perspectivas intrigantes, é difícil cruzar-se com histórias completas.

Ficamos apenas com uma cara da verdade. A tirania do single POV (ponto de vista único). Isso soma-se que apenas alguns eventos conseguem a viralidade suficiente para se tornar tendência e aparecer em nosso feed. Muitas histórias ficam sem espectadores. A indiferença é perigosa, para aqueles que vivem os factos e para aqueles que não os atravessam, mas estão directa ou indirectamente afectados pelas ramificações.

e com quem Elon Musk decidiu lutar publicamente após sua compra no Twitter. Do aspecto mais básico, e matematicamente frio, os meios enfrentam um problema duplo, altos custos e baixos rendimentos. Por um lado, fazer bom jornalismo é caro, em termos de recursos humanos e instrumentos técnicos. Por outro lado, as audiências estão menos dispostas a pagar por informação.

Para resolver este problema, a maioria recorreu a uma série de estratégias simples com o objetivo de melhorar seus balanços, em grandes traços:

  • Editorializar: identificar-se com um espaço ideológico, adotar uma linha editorial afín e apelar a audiências com um mesmo viés.
  • Subscrições: limitar o acesso ao conteúdo aos que paguem uma fee mensal ou anual.
  • Click-baiting: capturar tráfego online por títulos estrambóticos para gerar visitas e aumentar as receitas por publicidade digital.

O resultado destas estratégias, salvo para alguns, é evidente: menos confiança, menos audiência, menos renda. O circulo vicioso continua. Raramente se faz bom jornalismo, faz-se o que se pode. A mídia acaba se pelendo por migas e as pessoas ficam à mercê da desinformação.

Carl Bernstein, jornalista do Washington Post que descobriu o escândalo Watergate, afirmou repetidas vezes que o princípio guia da sua profissão deve ser a busca da “melhor versão obtenível da verdade”. A situação atual da indústria dista da nobre perseguição, embora seja ideal, da objetividade.

Em suma, as redes sociais não democratizaram o jornalismo, o anarquizaram; e os meios perderam qualidade, cedidos terreno ou foram entregues a interesses espurios e pensamentos tribales. Quem paga os pratos quebrados? As pessoas de pé, que têm de formar opiniões e tomar decisões com informação incompleta, tendenciosa ou diretamente incorreta. Isso tem efeitos políticos, sociais e econômicos de grande envergadura; ao que se agrega um efeito psicológico individual preocupante, partindo do tédio e da sobresaturação, até a desconfiança generalizada, o que prejudica ainda mais os pilares da nossa convivência.

Temos de conseguir que as notícias voltem a ser interessantes; nos deixarmos impressionar pela realidade. Se não a aceitarmos, e fazemos um esforço para compreender objectivamente, então é difícil gerar as mudanças positivas que este mundo precisa.

Em Busca de Soluções Modernas

De todo este raciocínio, e várias ideias mais, surgiu eWire: o futuro das notícias, uma plataforma que busca levar as pessoas ao lugar dos acontecimentos, permitindo-lhes participar do que está acontecendo ao redor do mundo desde o conforto de suas casas, com a emoção intacta e maior certeza na veracidade do que estão consumindo.

Começamos a desenvolvê-la em 2021, defendendo-nos democratizar o jornalismo sem sacrificar a credibilidade. A essência do seu funcionamento é a geração de interações horizontais entre os usuários, permitindo que aqueles que se encontram em proximidade geográfica colaborem cobrindo e verificando notícias juntos, similar à maneira como Waze detecta a presença de obstáculos ou demoras em uma rota determinada.

Isto não só confere maior grau de verificação à informação, uma vez que outros eWirers próximos apoiam a existência dos acontecimentos, mas permite ver diferentes pontos de vista e seguir o desenvolvimento dos acontecimentos de princípio a fim. Histórias completas e dinâmicas focadas em fatos concretos; daí a referência em nosso nome ao tradicional cabo de notícias.

Com vista a incentivar uma saudável convivência entre os usuários, incorporamos um escore de credibilidade que visibiliza em um semáforo o grau de confiabilidade da informação que traz o usuário em função de seu comportamento prévio. Somamos também um mapa que permite explorar o que está acontecendo perto seu e ao redor do mundo de forma entretenida.

A frutilla da sobremesa: recompensamos o bom trabalho jornalístico. O eWire conta com um marketplace integrado que permite aos meios registrados adquirir coberturas com diferente grau de exclusividade. O ingresso é depositado automaticamente ao usuário que cobriu a notícia em uma carteira virtual de sua escolha. Isso não só incentiva o bom jornalismo, mas reduz custos de cobertura para a mídia e fideliza sua audiência convertendo-os em fornecedores de conteúdo.

Estamos apenas a começar, há muito a fazer ainda, a margem de perfectibilidade é enorme e o caminho longo. Há bastante para corrigir e melhorar, pelo que precisamos da confiança e paciência dos nossos primeiros eWirers. Acima de tudo, precisamos da sua contínua queixa, crítica e sugestão construtiva.

Acredito profundamente na nossa missão: mudar o mundo, mostrando-o tal que é. Por isso, convido-os a descarregar eWire e sair a contar as histórias que acontecem ao redor dele. Por outras palavras, Dan Rathers, Coragem!

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
i martinez soria

i martinez soria

Olá, me chamo Iñaki Martínez Soria, sou licenciado em Ciência Política pela Universidade de San Andrés (com honras). Desempenhe-me em diferentes papéis no Ministério das Relações Exteriores da Nação, o Ministério da Segurança da Província de Buenos Aires e a Jefatura de Gabinete da Cidade Autónoma de Buenos Aires. Conto também com experiência no setor privado, mais especificamente em uma empresa global de due diligence e compliance. Em 2021 fundei eWire, uma startup que desenvolveu uma plataforma para a geração e verificação colaborativa de notícias com um marketplace integrado para sua venda a mídia. O eWire procura aumentar a qualidade do conteúdo noticioso, reduzir o nível de fake news e reduzir os custos de cobertura de mídia através de uma combinação de ferramentas de geolocalização, gamification e difusão de incentivos.

Visualizações: 5

Comentários