27/06/2022 - Tecnologia e Inovação

O que há por trás da queda do Bitcoin?

Por horacio gustavo ammaturo

O que há por trás da queda do Bitcoin?

Desde 2008 o bitcoin, a criptomoeda mais conhecida e difundida do mundo, tem gerado adeptos e detractores. Em ambos os extremos com planos tão fundamentalistas como a melhor alternativa de investimento, pois o seu valor ultrapassaria o milhão de dólares por unidade, enquanto o outro que se trata de um esquema fraudulento e sem fundamentos projetando um valor para o futuro de zero.É curioso que aqueles que defendem posições tão opostas sejam, em muitos casos, avezados analistas e investidores do mundo das finanças que gerem patrimônios e carteiras de vários biliões de dólares.Analisando quais são os principais argumentos que esgrime cada parte observamos que pelo lado dos anti bitcoin se destacam:

  1. que não tem nenhum apoio,
  2. que não produzem nada,
  3. que cumpre com todos os preceitos da teoria dos mais tontos.
Talvez, neste último ponto, possamos resumir todas as posições.Em finanças, a teoria do mais tolo levanta que, por vezes, as pessoas fazem más investimentos, por exemplo comprando um ativo sobrevalorizado, esperando que outro investidor pense que possa valer mais. Bill Gates recorreu em várias ocasiões a esta explicação ao se referir às criptomoedas.Por outro lado, os fãs do bitcoin argumentam,
  1. Um mundo em que os bancos centrais dos países emitem discrecionalmente as suas moedas nada pode garantir que a oferta de dinheiro mantenha uma relação correcta com a procura do mesmo, em poucas palavras, que o dinheiro soberano mantenha o seu poder de compra no tempo.
  2. que o Bitcoin resolve esta circunstância, incontrolável pelos investidores, pois sua lógica de emissão está preestabelecida, em consequência jamais poderiam existir mais unidades do que as previstas, neste caso 21 milhões.
  3. que qualquer pessoa pode ser autoridade de registro, ou seja, com apenas correr um programa em um processador, podemos nos converter em mineiros, ou seja, em emissores e verificadores das operações que se realizam nesta criptomoeda.
Se o fizermos de um ponto de vista absolutamente abstracto, isto é, num laboratório de economia, bitcoin cumpriria com o que qualquer unidade de conta ou reserva de valor poderia pretender, ou seja previsibilidade em sua emissão. Se isso adicionar a aceitação por parte de compradores e vendedores, o futuro estaria assegurado.No entanto, existem outros fatores, talvez mais importantes, a ter em conta que são as questões geopolíticas e de soberania, particularmente da moeda.Sem dúvida de um dos principais estandartes que tem uma nação encontra-se no valor de seu dinheiro, a estabilidade em sua paridade com as moedas mais utilizadas do mundo e a demanda local e internacional que gera. Bandeiras, escarapelas, hinos ou desfiles comemorativos conservam um valor simbólico, porém, na hora de demonstrar nosso compromisso com um Estado a primeira variável que devemos ter em conta é a aceitação por parte de seus habitantes de sua própria moeda.Nenhum país que tenha sua própria moeda soberana perderia ou compartilharia esse atributo com qualquer outra coisa que o compita, mais ainda se esta for aceita pela comunidade.A pandemia, o halving, a inflação internacional e a invasão da Ucrânia.Nos últimos três anos, quatro eventos foram combinados para dar o tão desejado impulso ao bitcoin. Fatos de tal impacto que de se cumprir os prognósticos dos mais fundamentalistas da criptomoeda teriam carecido de imaginação para conjugar-os no mais desejado de seus sonhos.Por um lado, a pandemia que multiplicou o comércio online e as vendas transnacionais. Os sistemas de processamento de pagamentos, os regimes fiscais dos vários países e as regulamentações bancárias, apresentaram um cenário ideal para que os comerciantes ousados se aproximassem dos meios de pagamento cripto para superarem as limitações dos antigos modelos.O halving do Bitcoin, que é uma variável do programa de mineração da criptomoeda, reduziu a velocidade de emissão desta série finita de códigos para metade, ou seja, o dobro de recursos, capacidade de processamento e energia para continuar gerando a mesma quantidade de unidades.Tudo isto num contexto em que a expansão monetária descomunal que ocorreu durante os anos da pandemia, quando a maioria dos principais países do mundo impulsionaram o consumo com subsídios e incentivos fiscais, chega para cobrar o custo de tal desajuste técnico entre produto bruto e circulante. Actualmente, o mundo debate-se entre a inflação e a estanflação, pouco se fala de crescimento e muito de perda de poder de compra do dinheiro.E como se tudo isso fosse pouco, a invasão da Rússia à Ucrânia. As sanções internacionais duvidosas, em termos de economia e finanças, congelando fundos do O país, as suas principais empresas públicas e privadas e os retirem do sistema de transferências internacionais, entre outras tantas fizeram das moedas armas de guerra.Em síntese, oportunidades comerciais e de mercado internacional, incentivos algorítmicos previstos pelo software Bitcoin, inflação nas principais moedas do mundo e utilização de sistemas de pagamentos intencionais como armas de guerra davam o quadro ideal para que qualquer coisa que pudesse resolver funcionalidade para as transações, aceitação pela comunidade internacional, regras claras de emissão que tornem previsível seu valor a futuro e independência na autoridade de registro e governança seria o produto do século ou mais o da nova era.E o que está a acontecer?A queda no valor do Bitcoin durante os últimos meses colocaram em dúvida os fundamentais daqueles que mais o apoiam.O Bitcoin, Apesar de cumprir todas as leis lógicas da economia de mercado, escassez, previsibilidade quanto à sua quantidade total, liquidez, segurança no armazenamento e transferência e alcance global, não convenceu, pelo menos por agora, a tornar uma alternativa anticíclica, ou seja, diante de processos inflacionários sirva de proteção para quem conservar seu poder de compra pelo menos.Tudo o contrário, até agora seguiu a sorte dos mercados tradicionais acompanhando subas e baixas das ações da bolsa americana, inclusive acentuando as quedas frente às outras alternativas mais tradicionais.Com seus catorze anos, o Bitcoin tornou-se rico em dezenas de milhares de jovens e pobres a centenas de milhares de idosos. Por agora o mundo continua apostando o dólar Embora o principal responsável pelos avatares das finanças internacionais continue a concentrar a confiança da maioria dos investidores do mundo que o consideram reserva de valor e abrigo.Talvez este seja o verdadeiro desafio, algo que ainda não está a acontecer.

Deseja validar este artigo?

Ao validar, você está certificando que a informação publicada está correta, nos ajudando a combater a desinformação.

Validado por 0 usuários
horacio gustavo ammaturo

horacio gustavo ammaturo

Chamo-me Gustavo Ammaturo. Sou licenciado em Economia. CEO e Diretor de empresas de infraestrutura, energia e telecomunicações. Fundador e mentor de empresas de Fintech, DeFi e desenvolvimento de software. Designer de produtos Blockchain.

TwitterLinkedin

Visualizações: 0

Comentários